Flor da Carolina (“Pachira aquatica”) encanta frequentadores do Sítio da Trindade. Coisa linda!

 Flor da Carolina (“Pachira aquatica”) encanta frequentadores do Sítio da Trindade. Coisa linda!

Compartilhe nas redes sociais…

Estava caminhando no Sítio da Trindade, em Casa Amarela, na Zona Norte do Recife, quando me defrontei com essa pérola da natureza, na ilustração aí acima. Linda flor, não é? Bati a foto e telefonei imediatamente para Jefferson Maciel, biólogo e analista do Jardim Botânico do Recife, que sempre socorre o #OxeRecife, quando alguma árvore para mim desconhecida aparece no caminho. Pela beleza da flor, não são poucas as pessoas que chegam a parar para admirar tamanha exuberância. Ela fica pertinho da sementeira daquele local histórico. A árvore é a Carolina (Pachira aquatica), nativa da América Central e América do Sul.

No Brasil, ela ocorre ao longo de estuários e margens inundáveis, entre os estados do Amazonas e Maranhão. Mas hoje é vista em qualquer parte do país, até mesmo em arborizações urbanas das grandes cidades. É tão bonita, que órgãos públicos têm utilizado a espécie para parques, jardins, até calçadas. Pois apesar de sua origem tropical, se adapta muito bem ao clima subtropical. Suporta períodos secos por até cinco meses. Mas também enfrenta geadas com temperatura de três graus, embora perca as folhas devido ao frio. Mas estas voltam a rebrotar depois, assim que as temperaturas se elevam. A Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Recife informa que há uma Carolina tombada na nossa cidade. Ela fica na Rua José Alexandre Caçador, no Bairro do Rosarinho.

Vamos lá observar? A Carolina é mais conhecida popularmente como munguba ou minguba. O nome Minguba tem origem tupi, e significa árvore de frutos com fusos negros, já que o seu fruto é muito alongado e “com sulcos no sentido de comprimento, felpudos, ferrugentos e escuros”, de acordo com o site Colecionando Frutos. Para nós, no entanto, indiscritível é a beleza de sua flor. A árvore também é chamada de manguba, mamorana, castanha-do-mato,  paineira-de-cuba, castanha do Maranhão, castanhola, entre outros nomes.  A planta atinge até 14 metros de altura, seu fruto é comestível (tem sabor parecido com o do coco seco) e pode ser aproveitado para extração de produto semelhante ao chocolate. Pensem em uma natureza generosa e linda!

O #OxeRecife ama as árvores. Possui a campanha #Paremdederrubarárvores e também #RecifeEmergênciaClimática. Na  primeira, denuncia as degolas feitas no Recife. Na segunda, as ruas desprovidas de verde, na cidade. Mas embora não tenha nome, também tem praticamente uma série sobre espécies que chamam atenção da população e também de “escriba”, que cresceu entre um pomar daqueles que faziam a festa das crianças nos quintais de antigamente, hoje ocupados por espigões. E que aprendeu a amar as árvores desde os tempos de pirralha. Abaixo, você pode conferir informações e curiosidades sobre outras árvores, tanto nativas quando exóticas.

Leia também
Que árvore é essa?
Umbuzeiro, o refrigério do Sertão
O maior mandacaru de Pernambuco?
Urucum: colorau e outros usos
Conheça a cerejinha-do-mato
Gameleira, sombra e seus significados
A versátil ora-pro-nobis
Você conhece essa árvore? É chichá
A primavera do abricó-de-macaco
Hoje é dia de pau-brasil
Tapiá é uma festa para os pássaros
2023 de coisas tão boas quanto as que a romã nos traz
O verão da acácia da constância e da elegância
Fícus: imponência e força da natureza
O veneno da espatódea
Conheça palmeiras nativas e exóticas
Conheça melhor a palmeira Juçara, nativa da Mata Atlântica
Use o biribiri para remover manchas
Uma explosão de vida entre as rochas
Bromélias raras no Jardim Botânico
Oitizeiro, a árvore de muitas utilidades
Ucuubeira preservada rende três mais  do que vendida a madeireiras
Tukumã, a fênix da Amazônia
Você conhece essa árvore? É Chichá
Conheça melhor a juçara, palmeira nativa da Mata Atlântica
Juçaí, o açaí da Mata Atlântica
Praça de Casa Forte e o fruto misterioso
É uma palmeira? Não, é um pandanus
As mil e uma utilidades do butiá
Parece coco, fruta-pão, mas é… coité
Palma-de-Manila: a festa das abelhas
Conheça palmeiras nativas e exóticas
A exuberância do abricó-de- macaco
Flamboyanzinho cada vez mais comum
Lírio: antiguidade, talismã e mistério
Pitomba tem poder analgésico?
É verdade que piranga é afrodisíaca?
As mangas da vida
A festa dos ipês no Recife e no Pará
O tapete vermelho do jambo do pará
Orquídeas: Não compre em qualquer lugar
Considerada extinta há meio século, orquídea volta à natureza
Bromélias raras no Jardim Botânico
Bromélias são reintroduzidas ao ambiente natural no Recife
Dia da Árvore: a “vovó” do Tapajós
Viva a árvore mágica, no Dia do Baobá
Desabrochar musical da Flor do Baobá
O maior colosso vegetal do mundo
Comitê gestor para jardins históricos deixados pelo paisagista Burle Marx
Livro mostra jardins históricos do Recife
Bromélias são reintroduzidas ao ambiente natural no Recife
Veja a flora do Sertão em Dois Irmãos
A caatinga no Jardim Botânico
Jardim Botânico tem trilha amazônica
Por um milhão de árvores na Amazônia
O charme e o veneno da espatódea
Dia da Árvore: a “vovó” do Tapajós
Veja a flora do Sertão em Dois Irmãos
A caatinga no Jardim Botânico
Jardim Botânico tem trilha amazônica
Esso decide plantar 20 mil árvores para proteger mico-leão dourado
Coca-Cola planta 600 mil árvores
Carlos  plantou 300 árvores e é confundido com professorParem de derrubar árvores (45)
Fícus assassinado tem reposição
Parem de derrubar árvores (Olinda 3) Cinco palmeiras substituem o fícus assassinado
Raridade: Fícus que não é importunado
Fícus: imponência e força da natureza
Parem de derrubar árvores (164)
Parem de derrubar árvores (340)

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.