O maior mandacaru de Pernambuco?

“Mandacaru quando fulora na seca/ É um sinal que a chuva chega no Sertão/ Toda menina quando enjoa da boneca / É um sinal que o amor já chegou no coração”. Quem não conhece os versos do Xote das Meninas, hoje um clássico do cancioneiro popular, imortalizado por Luiz Gonzaga? E quem nunca viu um pé de mandacaru, aquela cactácea tão comum na paisagem do Agreste e do Sertão, e de tanta utilidade para as populações da Caatinga?

Pois bem, há alguns dias estive com o Grupo Andarapé no município de Água Preta, na Zona da Mata de Pernambuco. E fiquei impressionada com um mandacaru, o maior que já vi em toda minha vida. A planta que normalmente atinge até seis metros de altura, não se estende muito nas regiões secas onde costuma brotar. Mas a que encontrei no município localizado a 130 quilômetros do Recife ocuparia o espaço de uma sala ou um quarto grandes.

Segundo Thales Clementino, Guia da Usina de Arte, o mandacaru foi plantado pelo seu avô, José Edson, há quase cem anos. Ele fica em meio ao sítio onde o agricultor vivia no século passado, repleto de jaqueiras, abacateiros e outras fruteiras. Tanto é assim, que a antiga residência da família transformou-se em restaurante com o nome Mandacaru Abacateiro, onde almoçamos após a visita à Usina de Arte.

O mandacaru é uma planta nativa do Semi-Árido brasileiro. Também é usada como planta decorativa, até mesmo em jarros pequenos. Tem uma belíssima flor, branca, que abre à noite, atravessa a madrugada e murcha ao amanhecer. Aliás, a flor de mandacaru é minha predileta. Fica em pé de igualdade com as orquídeas. Normalmente a floração ocorre entre novembro e janeiro. E depois, surgem frutos vermelhos, que servem de alimento a alguns animais. Desde criança, ouço falar que o chá de mandacaru serve para combater cálculos renais. Diziam os mais antigos, que é tiro e queda. Tomou, expele a pedra. Não sei se funciona. Mas as informações sobre o uso da planta dão conta que ela serve para combater vários males. No interior, os nativos costumam preparar xarope com flores e frutos para combater afecções pulmonares. O mandacaru também é usado para estimular a bexiga e combater a retenção urinária.

Há quem use as as raízes na medicina popular. Pois combateriam os cáculos renais.Seja como for, o mandacaru é a cara do Nordeste, do Sertão. Tanto é assim, que sua figura – estilizada – é fartamente explorada nas xilogravuras que ilustram os folhetos de cordel e também por artistas que fizeram história, como é o caso da pintora Tarsila do Amaral (1886-1973), um dos nomes da Semana de Arte Moderna de 1922.

Tarsila ficou conhecida não só pela sua participação naquele movimento, como também pela sua produção artística. No seu quadro mais famoso, o Abaporu, consta além de uma figura humana, um mandacaru sob um sol causticante. A planta deu nome também ao restaurante e pousada da foto. Não tinha como ser diferente, o mandacaru gigantesco, situado ao seu lado, virou cenário para selfies (foto superior).

Veja abaixo, curiosidades sobre outras plantas, não só nativas como exóticas.

Leia também
Usina de Arte em Água Preta: Como sair da moagem de cana para a de cultura
Parem de derrubar árvores no Jardim Botânico Usina de Arte
O verão da acácia da elegância, da constância e  do encantamento
Use o biribiri para remover manchas
Uma explosão de vida entre as rochas
Bromélias raras no Jardim Botânico
Oitizeiro, a árvore de muitas utilidades
Ucuubeira preservada rende três mais  do que vendida a madeireiras
Tukumã, a fênix da Amazônia
Você conhece essa árvore? É Chichá
Conheça melhor a juçara, palmeira nativa da Mata Atlântica
Juçaí, o açaí da Mata Atlântica
Praça de Casa Forte e o fruto misterioso
É uma palmeira? Não, é um pandanus
As mil e uma utilidades do butiá
Parece coco, fruta-pão, mas é… coité
Palma-de-Manila: a festa das abelhas
Conheça palmeiras nativas e exóticas
A exuberância do abricó-de- macaco
Flamboyanzinho cada vez mais comum
Lírio: antiguidade, talismã e mistério
Pitomba tem poder analgésico?
É verdade que piranga é afrodisíaca?
As mangas da vida
A festa dos ipês no Recife e no Pará
O tapete vermelho do jambo do pará
Dia da Árvore: a “vovó” do Tapajós
Viva a árvore mágica, no Dia do Baobá
Desabrochar musical da Flor do Baobá
O maior colosso vegetal do mundo
Comitê gestor para jardins históricos deixados pelo paisagista Burle Marx
Livro mostra jardins históricos do Recife
Bromélias são reintroduzidas ao ambiente natural no Recife
Veja a flora do Sertão em Dois Irmãos
A caatinga no Jardim Botânico
Jardim Botânico tem trilha amazônica
Por um milhão de árvores na Amazônia
O charme e o veneno da espatódea
Dia da Árvore: a “vovó” do Tapajós
Viva a árvore mágica, no Dia do Baobá
Desabrochar musical da Flor do Baobá
O maior colosso vegetal do mundo
Veja a flora do Sertão em Dois Irmãos
A caatinga no Jardim Botânico
Jardim Botânico tem trilha amazônica
Bromélias são reintroduzidas ao ambiente natural
Bromélias raras no Jardim Botânica

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins / #OxeRecife e Andarapé

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.