O “Grito dos Excluídos” por independência verdadeira no século 19: a esquecida Maria Felipa

 O “Grito dos Excluídos” por independência verdadeira no século 19: a esquecida Maria Felipa

Compartilhe nas redes sociais…

Nesse feriado cívico, que tal refletirmos sobre a situação do nosso País que, dois séculos após a independência ainda assiste, hoje, em pleno século 21, a manifestações como a 28ª edição do Grito dos Excluídos, que tem como tema “Brasil- 200 anos de (In) dependência para quem?” E por que não lembrarmos de movimentos e figuras populares que pouco tempo depois do Grito do Ipiranga, já exigiam uma libertação verdadeira?

Em 1823, às “margens plácidas” da Baía de Todos os Santos, na Bahia, uma mulher negra ergue seu braço e brada “Independência ou morte!”. Seu nome: Maria Felipa Oliveira. Ela pretendia decretar, de uma vez por todas, que o Brasil era um país livre, e não mais uma colônia de Portugal. Embora a história oficial contada nos livros não seja exatamente essa, a luta de mulheres e homens escravizados na Bahia e em outros cantos do país foi fundamental para que o “brado retumbante” de Dom Pedro I, às margens do Ipiranga, em São Paulo, tivessem efeito prático na vida dos brasileiros. Será que, em 1822, eles poderiam se considerar verdadeiramente independentes?

O Grito do Ipiranga não foi suficiente para que os brasileiros se sentissem independentes: reações populares

Com certeza, não. É que  o Brasil era uma colônia portuguesa desde a chegada de Pedro Álvares Cabral. E a colônia funcionava como um apanhado de províncias que pouco tinham em comum entre si. O que as unia era, sobretudo, a geração de riquezas por meio da escravidão. “As duas questões estão intimamente ligadas, na verdade. Quando falamos em independência, falamos também de um processo político que envolvia fortemente as discussões sobre a manutenção da escravidão nessas terras”, explica o professor de História e coordenador do Núcleo de Evolução de Conteúdo do Sistema Positivo de Ensino, Norton Frehse Nicolazzi Jr.

Enquanto, no papel, Portugal e Brasil travavam uma disputa política acirrada, mas pacífica, pelos direitos sobre o território do lado de cá do Atlântico, na vida real o cenário era bem diferente. E até sangrento. Muitas pessoas que faziam parte justamente da multidão de escravizados africanos enfrentaram as tropas portuguesas com as armas que tinham à mão. As marisqueiras da ilha de Itaparica, na Bahia, foram algumas dessas pessoas. Uma delas, Maria Felipa de Oliveira, teria sido a líder de um grupo de mulheres que incendiou muitas embarcações portuguesas no início de 1823, contribuindo fortemente para a expulsão dos militares portugueses do Brasil.

“Não há registro, em livros ou documentos, que provem que Maria Felipa realmente existiu, mas ela continua muito presente na história oral dos moradores de Itaparica e alimenta, séculos depois, o imaginário popular. Como personagem real ou não, essa mulher é uma figura simbólica muito importante das nossas ‘guerras de independência’”, detalha o historiador. Além dela, ainda na Bahia, há outras heroínas femininas: Maria Quitéria, que se disfarçou de homem para poder lutar contra os portugueses. E o que dizer da abadessa Joana Angélica, morta no Convento da Lapa, em Salvador?

Elas são celebradas até hoje pelos feitos no processo de independência do Brasil, porém nem sempre lembradas nos livros didáticos. Na terra e no mar baianos, o grito de independência não se limitou ao 7 de setembro de 1822.Pois a batalha durou de 19 de fevereiro de 1822 a 2 de julho de 1823. A data final é, ainda hoje, dia de comemoração por lá. Além disso, houve ainda guerras muito importantes pela independência no Piauí, Pernambuco, Pará, Maranhão e até mesmo no Uruguai, que, na época, era território brasileiro. “Ouvimos falar muito sobre José Bonifácio, Dona Leopoldina, Dom Pedro I e outros nomes, que também são importantes. Mas o Brasil só se tornou um país independente de fato porque muitos brasileiros comuns, entre eles, muitos a quem o próprio Brasil negou e continua negando reconhecimento e dignidade, lutaram bravamente contra o domínio português”, finaliza Nicolazzi. Então,vamos festejar nossos heróis anônimos e levá-los ao verdadeiro lugar que devem ocupar em nossa história. Incluindo a da independência.

Abaixo, vocês podem conferir informações sobre outros eventos históricos relacionados com a nossa independência.

Leia também
O “sequestro da independência”: Como ditaduras e democracias exploram a data cívica
Um bufão no poder: Livro analisa negacionaismo, catastofrismo e messianismo em Bolsonaro
Teatro Santa Isabel também no Bicentenário
Forte do Brum: Bicentenário da Independência com festa, música, luzes, cores e imagens históricas
Entardecer Patriótico: Festa impecável e musical para comemorar o bicentenário
Forte do Brum: Bicentenário da Independência com festa, música, luzes e imagens históricas
Revolução de 1817, “subversão” que virou orgulho dos pernambucanos
Paulo Santos: Frenesi absolutista do Brasil e a pole position de Pernambuco
O lado musical da Revolução de 1817
Entre o amor e a Revolução
Livro  mostra mania pernambucana de grandeza
Muito linda, a versão musical da Revolução de 1817
Libertário, Frei Caneca é lembrado
Museu e Frei Caneca na ordem do dia
Revolução de 1817 no Olha! Recife
Mais venerada do que a do Brasil, Bandeira de Pernambuco tem nota técnica
De Yaá a Penélope africana
Resgate histórico: primeiro deputado negro do Brasil era pernambucano
História da Revolução de 30 e a tragédia de três homens chamados João
Na Várzea: Jaqueira lembra história dos escravizados e vira memória de história de amor
Arqueólogos revolvem passado do antigo Engenho do Meio
Tejucupapo revive batalha do século 17
Senhora de Engenho, entre a Cruz e a torá tem encenações em casarão
O levante dos camponeses
Fake news: Bacamarteiros viraram guerrilheiros
Memória e censura: quando a palavra camponês era proibida nas redações
Fortes podem ganhar título da Unesco
Fantasmas no Forte de Cinco Pontas
Caminhadas Domingueiras voltam a ser mensais: Roteiro pelo Bairro de São José
Forte do Buraco, tombado, destombado, tombado de novo, lindo e abandonado
Fortim do Bass, inédita relíquia de areia do século 17 fica em Porto Calvo, AL
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Trindade, história, festa e abandono
Achado arqueológico no Recife: 40 mil fragmentos,cemitério e fortaleza
Bairro de São José é tema de exposição no Forte das Cinco Pontas
Forte de Pau Amarelo será ocupado

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação e Acervo #OxeRecife

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.