O que será esse “pacote” vermelho, em frente ao Memorial da Democracia, no Sítio da Trindade?

 O que será esse “pacote” vermelho, em frente ao Memorial da Democracia, no Sítio da Trindade?

Compartilhe nas redes sociais…

E esse “pacote” aí, embrulhado de vermelho, em frente ao Memorial da Democracia, no Sítio da Trindade, o que é?  Você sabe? É um busto de Gregório Bezerra (1900 – 1983), que bem que devia ser inaugurado nesse 31 de março. Seria uma forma de homenagear o militante que era chamado pelos companheiros e admiradores de  “o homem de ferro e de flor” (por conta da coragem e da resistência, e da delicadeza nos relacionamentos com as pessoas). Líder comunista, Gregório tem história que valia um filme. É que talvez tenha sido o único inimigo da ditadura implantada em 1964, que foi barbaramente torturado em praça pública.

Aconteceu. Ele teve seu pescoço amarrado com uma corda como um animal e foi puxado por um carro, sendo exibido por militares como um troféu, na Praça de Casa Forte, enquanto era torturado pelo Coronel Darcy Vilocq. O fato chocou as alunas do Colégio Sagrada Família, ali localizado. As estudantes assistiram aos maus tratos, que deixaram  o militante todo ensanguentado. O fato é relatado nos livros de história e nas memórias do próprio Gregório e também de Paulo Cavalcanti (1915 – 1995), este em “O caso eu conto como o caso foi”. E uma vez, em entrevista a essa repórter aqui, o próprio Darcy confirmou ter “dado em Gregório” e “em outros comunistas, até em uma doutora”. Faz tempo isso, e não lembro se o nome dessa vítima mulher chegou a ser por ele citado.

Preso político, Gregório Bezerra toma banho de sol na prisão. Ele foi torturado em praça pública, em 1964

Após a sessão pública de maus tratos, ele retorna a um quartel do Exército, no mesmo bairro, onde voltaria a ser torturado até com ácido de bateria de carro jogado na sola dos seus pés, e obrigado a caminhar sobre pedras com os pés feridos pelo líquido corrosivo. Gregório teve uma infância trágica. Começou a trabalhar na lavoura aos quatro anos. Aos nove, ficou órfão de pai e mãe. A convite de fazendeiros da região onde residia com a família, veio então para o Recife, já que eles lhe prometiam dar-lhe estudo. Mas a promessa nunca foi cumprida e botaram Gregório para lavar pinicos das patroas, o que o deixava revoltado, segundo revela em sua memórias.

Ele passou, então, a procurar trabalho nas ruas, tendo atuando em profissões que iam de pedreiro a jornaleiro. Aprenderia a ler somente aos 25 anos, quando decidiu se alistar no Exército. Depois seria deputado. Dedicou toda a vida ao engajamento político, o que o levou a passar quase um quarto de século de sua vida atrás das grades. Em 1917, aderiu à Revolução Bolchevique participando de uma passeata, o que lhe rendeu a primeira prisão.  Em 1922 foi para o Exército, e em 1930 filiou-se ao Partido Comunista Brasileiro (PCB). Em 1935, dentro do quartel, participou de levante militar promovido pela Aliança Nacional Libertadora, a Intentona Comunista.

Em 1964, Gregório articulava a reação contra o golpe militar, quando foi preso, torturado em  praça pública e quase morto nas masmorras da ditadura. Posteriormente seria exilado, após ser liberado juntamente com 14 outros presos políticos de diversas partes do país, em troca da libertação do então embaixador americano, Charles Burke Elbrik, que fora sequestrado pela militância esquerdista. Gregório morou na União Soviética, voltou ao Brasil com a anistia e retomou sua vida política. No Recife, lembro-me de ter feito a cobertura de um encontro dele com Luís Carlos Prestes e Cristiano Cordeiro. Este era, então, o único sobrevivente do grupo que em 1922 fundara o PCB. O busto de Gregório foi esculpido pelo artista Cavani Rosas, que acha estranho que duas décadas após ter sido confeccionada, a estátua ainda não ter encontrado o  seu lugar definitivo.

Mas a escultura, como sua vida, parece ter um longo caminho a percorrer. Encomendada na gestão do então petista João Paulo Lima e Silva como prefeito do Recife (2000/2004 e 2004/2008), o busto confeccionado pelo artista Cavani Rosas tem rodado bastante.  Primeiro, seria colocada na Ponte que ganhou  o nome do militante político, através de lei 16.773/2002.  Como a escultura ficou pronta antes da ponte, passou um tempão embolando nos depósitos do serviço público, até que foi levada para o município de Panelas, onde Gregório nasceu. Voltou da cidade – localizada a 201 quilômetros do Recife – ninguém sabe quando. Até que em 2024, o Prefeito João Campos (PSB) decidiu levar o busto para ficar ao lado das esculturas “Torre Cinética” e “Você me prende vivo e eu escapo morto”, em frente  ao Memorial da Democracia, no Sítio da Trindade. O que é uma boa escolha, já que a área histórica é repleta de significados, tendo abrigado inclusive o Movimento de Cultura Popular (MCP), nos anos 60 do século passado.  “Ainda está sem placa e nada me falaram a respeito de alguma cerimônia de inauguração”, afirma Cavani.

Abaixo, você confere mais informações sobre 1964, lideranças da época e sobre o Memorial da Democracia.

Leia também
Bora Preservar: a tripla importância histórica do Sítio da Trindade
Pioneiro no Brasil, Memorial da Democracia mostra acervo de atrocidades cometidas na ditadura
Sítio da Trindade: Memorial da Democracia, único do Brasil, ganha reforço e expande serviços
Chalé do Sítio da Trindade, em Casa Amarela, muda de cor e vai abrigar Memorial da Verdade
Memorial da Democracia, no Sítio da Trindade, reverencia Paulo Freire
Memorial da Democracia abriga exposição “A Rádio que Paulo Freire sonhou”
Caminhadas Domingueiras:  Percurso entre os dois arraiais do século 17 que fizeram história em Pernambuco
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Trindade, história, festa, verde e abandono
Projeto Olha! Recife tem passeio no domingo sobre o golpe militar
Desencadeada em Pernambuco há 40 anos, campanha diretas já será lembrada no Recife
A curiosa história do espião duplo que agiu no Brasil na pré ditadura de 1964
Nome de ex Presidente militar em prédio do Exército gera ação do MPF
Espetáculo revive os anos de chumbo da famigerada ditadura militar no Brasil
Idosos encenam anos de chumbo
Cinema dominado e poucas opções: Os anos de chumbo, de Tuca Siqueira
Ministério Público levanta dúvidas sobre “morte” de Cabo Anselmo: diligências
Dia Internacional da Mulher: Festival de Teatro Rosa dos Ventres mostra suplício de Soledad Barret
Discussão: Soledad Barret, a militante de esquerda que foi delatada pelo “noivo”, o Cabo Anselmo
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Filme revive a ditadura de 1964
Dossiê sobre excessos  e torturas praticados pela ditadura em processo de tombamento
O levante dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco
Severino Cavalcanti e a história que faltou contar
Trilha da Democracia com o MST
Memória e Censura: Quando a palavra “camponês” foi proibida nas redações
Deutschland uber alles slogan de Hitler: “Brasil acima de tudo”
Extrema direita dissemina fake news culpando MST pela destruição do relógio doado ao Brasil por Dom João
No Recife, ato em defesa da democracia acontece no Monumento Tortura Nunca Mais
Terroristas em Brasília: Atentado contra a democracia e o patrimônio cultural do país
Extrema direita faz baderna e quebradeira em Brasília e Lula decreta intervenção no DF
 “Mesmo longe de Brasília, me senti representado na subida da rampa”
Revolução de 1817: A “subversão” que virou orgulho dos pernambucanos

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e Internet

Posts Relacionados

4 Comments

  • Matéria excelente, Letícia.
    Precisamos lembrar dessa barbárie, para que outras misérias dessas não se repitam.
    Ainda outro dia, por pouco escapou nossa Democracia.

  • Narrativa primorosa sobre a vida e a luta de Gregório Bezerra. Primorosa e ao mesmo tempo impactante. De cortar o coração os maus tratos aos quais ele foi submetido. Sim, concordo com você, Letícia, hoje seria o dia ideal para a escultura ser inaugurada com honras no Sítio Trindade. Não entendo porque o prefeito não providenciou isso. Gregório merece essa escultura e muito mais.

  • Parabéns, Letícia, pela excelente matéria que denuncia o período sangrento da ditadura. Nunca é demais divulgar o museu da memória localizado no Sítio da Trindade. Vou divulgar com os participantes do meu WhatsApp.
    Quanto ao crime cometido contra o brasileiro herói Gregório Bezerra eu sempre defendi que a Praça de Casa Forte deveria ter seu nome. Sugeri a alguns vereadores, porém não encontrei acolhida.

  • Como sempre seus textos são excepcionais e de uma leitura fácil Letícia! Sem dúvida uma homenagem tardia, mas uma bela homenagem a Gregório Bezzerra que foi um guerreiro na luta pela liberdade e merece ainda mais homenagens como falou Lélia acima! E o lugar não poderia ter sido melhor, o Sítio da Trindade é carregado de simbolismo e já tem o Memorial da Democracia de Pernambuco! Parabéns!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.