Xadrez encanta pequenos sertanejos

Jogo que surgiu há mais de cinco séculos, o tabuleiro físico de xadrez ainda encanta as crianças do Submédio São Francisco,  nesses tempos de games, jogos virtuais e brinquedos cibernéticos do século 21. Pequenino, João Simões promete. O pequeno sertanejo acaba de arrebatar sua primeira medalha em um campeonato de xadrez,  cujas peças aprendeu a manipular aos cinco anos, com a ajuda do irmão Samuel. Hoje, aos nove, João participou da primeira edição do Campeonato de Xadrez do Plenus Colégio e Curso, localizado em Petrolina, a 712 quilômetros do Recife.

João virou motivo de orgulho para a mãe, Laura  Simões, que não escondia o contentamento, ao final do certame: “ Com o retorno das atividades presenciais, ele se inscreveu na atividade extracurricular e vem demonstrando ótimos resultados também nos aspectos de criatividade, disciplina, autoconfiança e a tomada de decisões”, diz. Para ela, a criança leva para a vida adulta o aprendizado obtido no tabuleiro. “O xadrez já faz parte  do nosso planejamento pedagógico e os benefícios no aprendizado dos alunos são inúmeros”, atesta Emídio José Alves, Professor de Xadrez do Plenus. Segundo os educadores, o esporte ajuda a  desenvolver habilidades como concentração, memorização, raciocínio lógico e capacidade intelectual dos “jogadores”.

João e a coleguinha Valentina Valentim foram os campeões do terceiro ano. Do segundo ano, os campeões foram Davi Lucas e Fernanda Rodrigues  No quarto, ganhou Lorenzo Alencar. E o campeão do quinto ano foi Arthur Rodrigues. Ao todo foram disputadas quatro categorias do masculino e do feminino.

Abaixo, confira o link que conta a história de um fenômeno do Xadrez, que nasceu em Pernambuco. E confira outras informações sobre jovens estudantes.

Leia também
O “rei do nordeste” no Xadrez
Sertanejos brilha na 25ª Olimpíada de Astronomia
Fred Ramos, herói da escola pública
Cecília: Prêmio, poesia e pandemia
Cinco equipes pernambucanas na final do Festival Sesi de Robótica 2021
Tecnologia para resgate de cultura ancestral
“Nascente protegida é água garantida”
Trabalho escolar sobre vacina  faz sucesso em tempos de Covid-19
Mata destruída vira trabalho escolar
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru

Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil

Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai

Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife

Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola

Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Artur é professor nota mil
Mirtes professora nota dez
A menina que salvava livros

Com gosto de café amargo
Festival de Cantoria e Cantadores
O florescer de Fabiana Santiago: “Eu sou o Sertão”
Ubuntu, tão longe tão perto
O replantio de Paulo Soares

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife

Fotos: Divulgação

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.