Vitória de Santo Antão comemora o centenário de nascimento de Osman

Se vivo fosse, o pernambucano Osman Lins (1924-1978) estaria completando 100 anos nessa sexta-feira, 5 de julho. Considerado um dos mais importantes escritores brasileiros, ele é autor, entre outras obras, de “Os Gestos” (contos); “O Visitante”, “O Fiel e a Pedra” (romances); “Nove Novena” (narrativas). Também escreveu “Avalovara,” livro inovador, aclamado pelo público internacional e pela crítica, e que levou o escritor Júlio Cortazar (1914-1984) a dizer que se fosse ele que o tivesse produzido, “passaria uns 20 anos em silêncio”. Osman, pai dessa escriba aqui, deixou ainda ensaios, peças de teatro (“Lisbela e o Prisioneiro” é a mais famosa), relatos de viagens (como “Marinheiro de Primeira Viagem” e  “La Paz existe?“).

E  chegou a escrever para a televisão, sendo autor de três episódios para  “Caso Especial”, programa tansmitido pela TV Globo nos anos 1970, com base em textos de autores brasileiros e do exterior. Os textos escritos para “Caso Especial” foram resgatados pelo professor e escritor Adriano Portela, e estão reunidos em livro recentemente publicado pela Companhia Editora de Pernambuco, Cepe. O centenário do escritor, nascido na cidade de Vitória de Santo Antão – e que depois se mudaria para o Recife, e posteriormente para São Paulo – enseja comemorações durante todo o ano: seminários, palestras, relançamentos em vários estados.

No Recife, quem saiu na frente, foi a Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), que no mês de maio organizou uma semana dedicada a discussões sobre o autor (Osman Lins, “O Visitante da Palavra”).  E até mobilizou escolas públicas estaduais, que passaram o semestre estudando parte da obra do escritor, atividade que foi encerrada com exposição, dramatização e até cordéis e xilogravuras inspiradas na obra de Osman. Pena que todo esse maravilhoso acervo ficou em exposição por apenas um dia na Unicap. E a família agradece ao professor Robson Telles pelo seu esforço em popularizar a Literatura, e aproximar a Universidade e rede pública de ensino do primeiro grau e médio na discussão da obra do escritor.

Órfão de mãe aos quinze dias de nascido, Osman Lins foi criado pela tia Laura e pela avó Joana Carolina.

Na sexta, pela manhã, estarei seguindo com minhas irmãs para Vitória de Santo Antão, onde há evento organizada para assinalar a passagem do centenário do escritor. Logo cedo, a partir das 8h30m há apresentação de “Lisbela e o Prisioneiro”, em forma de musical, o que acontece na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Vitória de Santo Antão, cidade onde fica, também, a Faculdade Osman Lins. Logo em seguida, o Presidente do IHGVSA, Pedro Ferrer, faz saudações de boas vindas. Depois, instala-se uma mesa redonda sobre Osman, com participação do professor Lourival Holanda (Academia Pernambucana de Letras), Mário Hélio (Companhia Editora de Pernambuco – CEPE), Iza Arruda (deputada federal), Serafim Lemos (Academia Vitoriense de Letras), e Múcio Aguiar (Diário de Pernambuco).

Acabadas as discussões, haverá obliteração do selo comemorativo dos Correios, em homenagem ao Centenário Osmaniano. Por fim, lançamento da “Revista Pernambuco”, com homenagem póstuma ao escritor.  Osman faleceu aos 54 anos, em 1978 vítima de um câncer devastador. Deixou uma obra inacabada. Conhecido pelo seu tradicional carnaval, Vitória de Santo Antão fez uma singela homenagem ao seu filho ilustre, em 2024: dedicou ao centenário um carro alegórico.

Fã da obra do escritor, o Prefeito Paulo Roberto decidiu chamar de “Lisbela e o Prisioneiro”, a antiga cadeia pública da cidade que será transformada em Casa de Cultura. Ele é proprietário do Centro Universitário Facol (antiga Faculdade Osman Lins), no qual a memória do escritor está preservada em painéis e murais relativos à sua obra. A Unifacol oferta mais de 20 cursos, evitando que os jovens da cidade tivessem que se deslocar ao Recife para estudar Direito, Jornalismo, Marketing, Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Civil, Engenharia da Produção, entre outros.

Leia também
Homenagem a  “Osman Lins, O Visitante das Palavras” prossegue na Unicap
Retábulo de Santa Joana Carolina, de Osman Lins, vai virar filme
Centenário de Osman Lins começa a ser comemorado
Alunos da rede estadual fazem emocionante homenagem a Osman
Pessoas de várias profissões discutem a obra de Osman. Há pontos em comum?
Vitória: o teatro de Osman Lins em cena
Teatro de Osman Lins em discussão
Ditadura: a dificuldade dos escritores
Santa Isabel tem Problemas Inculturais
Cartas inéditas entre Osman Lins e Hermilo chegam ao palco

Marcha Fúnebre de Osman Lins tem exibição no Arquivo Público

O mergulho  na obra de Osman Lins
O dia que esqueci que sou repórter
Só dá mulher em Lisbela e o Prisioneiro
Lisbela e o Prisioneiro está de volta
Lisbela e o Prisioneiro volta ao palco do Teatro Apolo, dias 4, 5 e 6 de agosto
Sucesso de público, Lisbela e o Prisioneiro em Janeiro de Grandes Espetáculos
O Zoológico de Vitória de Santo Antão
Cobogó das Artes tem curso de férias
Recife Literário com atitude 
Só dá mulher em “Lisbela e o Prisioneiro”
Lisbela e o Prisioneiro” está de volta
Marcha Fúnebre, de Osman Lins, tem exibição no Arquivo Público
O mergulho na obra de Osman Lins
Palco ganha Clarice Lispector e Sylvia Plath

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Álbum de família / Internet

Continue lendo

2 comments

  1. Parabéns, Letícia!
    Osman Lins,seu pai,é um dos grandes da nossa literatura. Amanhã você e suas irmãs terão um dia emocionante,pois não serão poucas as homenagens que Vitória de Santo Antão prestará ao seu filho ilustre. Merecidíssima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.