Via de acesso ao Jardim do Baobá precisa de árvores e manutenção

Me digam uma coisa: tem sentido esse abandono que vocês estão vendo em  área tão frequentada, e que já virou até atração turística e palco de confraternizações de fim de ano? O Jardim do Baobá, primeiro passo do Parque Capibaribe – Caminho das Capivaras, virou um local de grande demanda, uma área de convivência sadia, como os muitos espaços que o Recife deveria ter. Nos finais de semana, são muitas as famílias que acorrem ao local, que até “institucionalizou” a volta da sadia prática do piquenique, com direito às clássicas toalhas de xadrez e cestinha com lanches para a meninada. Se o gramado estivesse verde, essas cenas até lembrariam aquelas, tão lúdicas, que a gente se acostumou a ver no cinema. Mas infelizmente…..

Cadê as árvores que deveriam tornar mais verde via de acesso ao Jardim do Baobá?
Via de acesso ao Jardim do Baobá tem jardineiras vazias e canteiro lateral tem lixo e plantas morrendo. Uma cidade sem verde pode ser considerada aprazível?

O Jardim está com plantas secas e mudas de árvores quase morrendo. Além disso, vejam só a situação da Rua Madre Loyola. É uma das vias que dá acesso à margem do Rio Capibaribe, no bairro das Graças onde fica o jardim. Pois a artéria, apesar de calçada com essas pedras, está com uma cratera grande, e já recebeu até “sinalização” da população, para que ninguém caia no buraco. Uma situação dessa recomenda muito mal, para os gestores do município. E custaria tão pouco o reparo…

Sinceramente, será que é tão complicada uma manutenção que evite esse buraco na via de acesso ao Jardim do Baobá?
Sinceramente, será que é tão complicada uma manutenção que evite esse buraco na via de acesso ao Jardim do Baobá?

Quem caminha ao longo da rua, também se defronta com outra surpresa desagradável. Oito jardineiras que foram abertas durante o calçamento da rua, para que esta fique arborizada, simplesmente estão vazias. Não receberam uma mudinha sequer. Em países civilizados, teriam recebido plantas adolescentes ou adultas, sem risco de morte. No Recife, no entanto, planta-se mudinhas muito jovens em locais públicos, e 30 por cento delas falecem antes de completar um ano de vida. Informa a Empresa de Limpeza e Manutenção do Recife (Emlurb) que a maior parte dos “funerais” se devem ao vandalismo da população.

(Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife)

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.