Vamos deixar a caatinga em pé? E recuperar o que foi destruído naquele que é o único bioma que é exclusivo do Brasil? Veja algumas ações

 Vamos deixar a caatinga em pé? E recuperar o que foi destruído naquele que é o único bioma que é exclusivo do Brasil? Veja algumas ações

Compartilhe nas redes sociais…

Felizmente, multiplicam-se  cada vez mais iniciativas para  preservação da caatinga, bioma característico do Semi-Árido e que é exclusivo do nosso país. Ou seja, só existe no Brasil, aliás, no Nordeste. Durante longo tempo – e até hoje muitos assim pensam – a caatinga era vista como uma vegetação praticamente restrita a plantas  agrestes como o mandacaru, o facheiro, o xique-xique, a macambira. Também é lembrada como aquela vegetação de baixo porte, que fica cinza com as estiagens, as secas. Mas não é sempre assim. Basta uma chuva e tudo se renova, as flores aparecem até nas brechas do asfalto. Entre as árvores da caatinga, encontram-se os ipês, as caraibeiras, os umbuzeiros (foto acima). Essa espécie é conhecida como o “refrigério do Sertão”, pela resistência à seca, pela sombra generosa e pelos frutos suculentos.

Ultimamente há projetos de preservação da caatinga implantados por particulares, por organizações não governamentais, por associações e até por empresas privadas. No final do ano passado, a Associação Caatinga desencadeou a campanha “Caatinga em pé”, com o objetivo de promover sensibilização sobre a necessidade de preservar o bioma.  A campanha teve como foco a importância da proteção da biodiversidade da Caatinga e as consequências desastrosas da destruição do bioma, a partir de quatro fatores degradantes: queimada, caça, desmatamento e extinção de espécies.

A Agrovale  é uma empresa privada que trabalha pela recuperação da caatinga: 370 mil mudas distribuídas em 2021

A associação comanda o projeto  “No Clima da Caatinga”,  financiado pelo Petrobras Socioambiental. O projeto tem a finalidade de buscar a diminuição dos efeitos potencializadores do aquecimento global por meio da conservação do semiárido, a partir do desenvolvimento de um modelo integrado de conservação da Caatinga. A sede da instituição fica no Ceará. Também há empresas privadas no Nordeste atuando no repovoamento de áreas devastadas e até mesmo na arborização urbana de cidades sertanejas. Uma destas é a Agrovale, que vem fazendo campanhas educativas, ações de plantio e  até repovoamento em áreas que sofreram queimadas.

Vegetação característica do Semi-Árido a caatinga é o único bioma brasileiro que é exclusivo do nosso país.

Localizada no município de Juazeiro, Bahia  (vizinho a Petrolina, Pernambuco), a indústria está doando mudas até para municípios de estados vizinhos. Através do Programa Viveiro de Mudas Nativas da Caatinga, já foram distribuídas 375 mil mudas nativas para 45 municípios  de Pernambuco, Bahia, Piauí e Rio Grande do Norte. Agora, através do Projeto Caatinga Rica, dois novos municípios estão sendo contemplados. Eles são Tarrafeas e Saboeiro, ambos no Ceará, que acabam de receber mil mudas. Foram entregues às duas Prefeituras: umbuzeiro, marizeiro, ingazeira, pau-ferro, paineira, angico, umburana,  ipê roxo e caraibeiras. Segundo a Agrovale – nada menos de 370 hectares de flora nativa da caatinga entraram em processo de recuperação, em 2021. A empresa possui dois hectares de viveiros, com 70 espécies nativas da Região, no município de Juazeiro (BA), que fica à margem do Rio São Francisco.

Leia também
Caatinga pega fogo e plantio de árvores nativas começa com ajuda da iniciativa privada
Povo e aceiros contra o fogo
Caatinga tem cooperativa de crédito de carbono
Casal cria duas reservas particulares de patrimônio cultural na Caatinga
Esforço pela preservação da caatinga e pelo sequestro de carbono no Sertão
Ação para recuperar nascentes na biodiversa Cordilheira do Espinhaço
O drama do  São Francisco e da caatinga
O combate à desertificação e a Amazoninha do Sertão
Como neutralizar as mudanças climáticas
Em nome de São Francisco e do Sertão
Árvores viram carvão no Sertão
Flora do Sertão sofre ameaça
Caatinga tem cooperativa de crédito de carbono
Ação para recuperar nascentes na biodiversa Cordilheira do Espinhaço

Caatinga tem cooperativa de crédito de carbono
Represa cheia vira “praia” no Sertão
Aceiros e povo contra o fogo no Sertão
Salvem os ipês, por favor
Por um milhão de árvores na Amazônia
MapBiomas confirma alerta feito há meio século: “O Rio São Francisco está secando”
Mudanças climáticas: Sertão sem água e caatinga cada vez mais seca
Velho Chico recebe 40 mil peixinhos
De olho no Sertão do São Francisco
Desmatamento no Sertão do Araripe
Empresa de energia solar (Insole) paga conta por uma boa ideia
Reforço para pequeno produtor
Ministro manda oceanógrafo para caatinga. E o Sertão já virou mar?
Crise hídrica: ” tenho sede” e “esta sede pode me matar”, adverte Gilberto Gil
Cisternas mudam a vida dos sertanejos
MapBiomas confirma alerta feito há meio século: “O Rio São Francisco está secando”
FPI: A despedida da vida no lixão
FPI resgata animais em risco no Sertão
A Serra da Canoa na caatinga
Gatinho órfão, onça puma volta saudável para a caatinga
Falta d´água é entrave ao crescimento
No Sertão, palhada da cana alimenta o gado de 51 mil criadores
Degradado, Sertão vai ganhar ação de reflorestamento em 2021
Caatinga ganha 321 mil árvores nativas 
O Rio São Francisco está secando
Ventos que transformam no Agreste
Prêmio para quintais agroecológicos
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
Umbuzeiro é o refrigério do Sertão

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Lídio Parente / Acervo #OxeRecife (foto superior); Agrovale / Divulgação (foto central) e Genival Paparazzi (Acervo #OxeRecife)

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.