Torre de Cristal no breu de novo. Escuro protege parque de novos furtos?

Estive nesta semana no Cais do Sertão, para a abertura da exposição “O Sertã o Virou Mar”, e tomei um susto quando contemplei o horizonte. Tirando a lua linda no meio da noite, o que se via, em frente ao Marco Zero, era isso aí da foto: o breu total, na Torre de Cristal e no já tão pilhado Parque de Esculturas que, como todos sabem, perdeu 64 das 79 peças criadas pelo saudoso artista Francisco Brennand (1927-2019).  O conjunto transformou-se em uma das principais atrações turísticas do centro do Recife, o que não impediu que o Parque fosse pilhado à exaustão. As peças, em bronze, foram descaradamente roubadas sem que a gestão municipal   passada tomasse providência. Esta só aconteceu depois que o descaso pipocou na imprensa, inclusive aqui no #OxeRecife, que noticiou com exclusividade o descalabro.

Torre de Cristal, por enquanto, só é vista durante o dia, pois permanece apagada à noite: espaço interditado para reforma.

Na época, o Parque das Esculturas vivia às escuras e a Torre de Cristal no maior breu, o que facilitou a ação de quadrilhas, que venderam as peças roubadas em ferros velhos. Antes mesmo de assumir o cargo, o então eleito Prefeito João Campos (PSB) anunciou que iria cuidar do Parque, que seria monitorado às 24 horas do dia, assim como seria feita a reposição das peças que foram roubadas.  No entanto, o temor é que com o escuro, os marginais levem o que sobrou.

Além da Torre de Cristal (em reforma), Prefeitura promete repor peças que foram roubadas,, 64 das 79.

A Prefeitura garante, no entanto, que o acesso ao Parque está parcialmente interditado para obras de restauro e reforma das peças que compõem o Parque das Esculturas. Estas já estão em andamento desde dezembro, porém agora em janeiro teve início, também, o trabalho de recuperação da Torre de Cristal, que tem 30 metros de altura. Ela está cercada de andaimes devido à obra e por esse motivo, o acesso ao parque está parcialmente interditado. “Enquanto a montagem estiver em curso”. As obras são realizadas sob coordenação do co-autor do projeto do Parque das Esculturas, Jobson Figueiredo, e são acompanhadas pelo Gabinete de Projetos Especiais da Prefeitura do Recife.

A intervenção será feita em etapas levando um ano até ser totalmente concluída e o valor do investimento feito pela Prefeitura é de R$ 5,5 milhões. Dinheiro, aliás, que poderia ter sido poupado se o Parque tivesse a atenção merecida dos órgãos públicos, iluminação noturna e a segurança merecida. Em todo caso, a despesa é grande, mas certo está João Campos em recuperar aquele que é um dos cartões postais da cidade. Errado estava o Prefeito anterior, Geraldo Júlio (PSB), que fechou os olhos ao desfalque, em uma inequívoca prova de desprezo à cidade e, principalmente, ao seu patrimônio cultural. Um raio de 7m ao redor da Torre de Cristal foi isolado e, por motivo de segurança, o acesso de visitantes precisará ser controlado até o dia 28 deste mês, quando as equipes estimam a conclusão da montagem dos andaimes.

Será que o breu, no Parque de Esculturas, não facilita novos furtos e ações de marginais contra o patrimônio público

Os acessos feitos de barco saindo do Marco Zero e de carro por Brasília Teimosa continuarão abertos, mas as proximidades da Torre terão restrições para preservar a segurança de todos. O trabalho de montagem da estrutura será sempre de segunda a sexta, das 8h às 16h, com exceção dos finais de semana deste mês de janeiro. Já as obras de restauro da Torre de Cristal estão previstas para serem iniciadas no início de fevereiro e deverão levar cerca de três meses até que esta etapa seja concluída. Como foi informado ainda em dezembro do ano passado e cumprindo o cronograma estabelecido, a primeira ação foi o isolamento da base da Torre de Cristal. Com a estrutura de andaimes sendo montado. A Torre de Cristal faz parte do acervo que forma o conjunto de artes plásticas que hoje é um dos principais cartões postais do Recife. Depois será a vez das peças de cerâmica lisa, seguidas da restauração das peças em bronze e, por fim, as cerâmicas esculpidas.

Nos links abaixo, você fica por dentro da pilhagem no Parque de Esculturas.

Leia também
Após pilhagem, começam obras de recuperação do Parque de Esculturas no Marco Zero
Pronto projeto para recuperação do Parque de Esculturas no Marco Zero 
Torre de Cristal sai do breu, mas peças ainda estão sem reposição
Que breu é esse na Torre de Cristal?
Torre de Cristal não pode apagar: Trevas onde devia haver luzes
Depois de pilhado à exaustão, Parque das Esculturas terá segurança 24 horas
O drama do Parque de Esculturas: Proteger o patrimônio não é caro
Instituto Oficina Francisco Brennand: O Recife não merece tamanho desrespeito
Parque das Esculturas pilhado. Cadê a serpente que estava aqui?
Parque das Esculturas e indignação: “Esse post é um pedido de socorro”
Marginais roubam tudo, de escultura de uma tonelada a trator. Punição…
Arte monumental & natureza generosa
Outra obra de Francisco Brennand sofre degradação no Centro. Veja qual é
A voz do eleitor: Que prefeito respeite mais o Recife e o recifense
Mural sobre Restauração Pernambucana precisa de reparos
Estátua de Ariano no chão
Uma “pérola” na comunidade do Pilar
Fórum Arte Cidade movimenta o Recife
Monumento ao maracatu pilhado
Os remendos nas pedras portuguesas
Vandalismo dá prejuízo de R$ 2 milhões
Apipucos: Adeus às antigas luminárias
Cine Glória: Art-Noveau e decadência
Cine Glória agora é Lin-Lin
Pátio de São Pedro está sendo pilhado
Que horror: Pátio de São Pedro fica sem lampiões até depois de julho
Cadê os lampiões da Ponte Velha?
Ponte da Boa Vista ganha abraço
Ponte da Boa Vista pede socorro
Ponte da Boa Vista: efetuada reposição mas faltam reparos
Bonde vira peça de museu e trilhos somem do Recife sem memória
Recife da paisagem mutilada
Secular Magitot vira ruína na Várzea
A cidade que precisamos
Hamburgo e Recife: semelhanças

Aos 483, o Recife é lindo? Veja fotos
Com Hans, entre o barroco e o rococó
De olho nas luminárias da Bom Jesus

Art Déco: Miami ou Recife?
Passeio do estilo colonial ao moderno bossanovista
Vamos salvar o centro do Recife
Caminhadas Domingueiras: Mergulho no estilo neocolonial no Recife

Você está feliz com o Recife?
O índice de felicidade urbana do Recife
Viva 2018, Recife
O Recife que queremos, em 2019
Recife, cidade parque em 2037
Recife se prepara para os 500 anos
Uma cidade boa para todo mundo
Recife, mangue e aldeões guaiás
Livro mostra mania pernambucana de grandeza: “O mundo começava no Recife”
Livro mostra jardins históricos do Recife
Estátua de Ariano no chão

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos : Letícia Lins e Andréa Rego Barros / PCR 

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.