Terroristas em Brasília: Atentado contra a democracia e contra patrimônio cultural do País

Já são 1.500 golpistas presos, por conta do atentado contra a democracia, barbárie registrada no domingo, quando marginais e vândalos seguidores do ex-Presidente Jair Bolsonaro invadiram e depredaram as sedes dos três poderes, em Brasília, espalhando terrorismo. O Ministro da Justiça, Flávio Dino, afirma que serão investigadas, também, todas as pessoas que se responsabilizaram pelo aluguel de ônibus que entraram com a escória da extrema-direita no Distrito Federal. Deve ser investigado todo mundo: os terroristas, os financiadores, o ex-capitão, os insufladores, a Polícia Militar conivente e omissa, provavelmente por orientação das autoridades do DF.

Nas redes sociais, é fácil constatar a existência de um esquemão (financiado por quem?) para levar os terroristas à Capital Federal. Há várias postagens de bolsonaristas, avisando locais de saída de “ônibus gratuito” para Brasília, com “tudo pago”, como “água, café, almoço”. Avisam, ainda, da existência de “banheiros químicos” nos locais dos “acampamentos”. As mensagens pedem que os interessados convoquem o maior número de “patriotas”, nome que – infelizmente – teve o significado deturpado na era Jair Bolsonaro, o ex-capitão que (des) governou o Brasil por quatro anos, e alimentou o delírio insano da extrema-direita. E cujos slogans de governo foram claramente inspirados nos de Hitler, nazista invocado também nas camisetas usadas pelos terroristas. Alguns, no entanto, vestiam as T-shirts amarelas, de campanha, com o número 22. Querem algo mais claro?

“Patriota”, na verdade terrorista que participou de golpe contra a democracia, em Brasília, invoca Hitler na camisa amarela.

Pois hoje  os extremista de direita passaram a acusar os “infiltrados”, mesmo diante de imagens com provas incontestáveis da bagaceira que promoveram em Brasília. Além de toda a desordem, da bagunça e do quebra-quebra criminoso partindo de uma horda de “fascistas fanáticos” e “nazistas fanáticos” (como os definiu o Presidente Lula), os criminosos destruíram, também, valioso patrimônio cultural. Entre eles um relógio Balthazar Martinot, datado do século 17, que foi presenteado pela Corte Francesa para Dom João VI.

Ele só tem um similar, no mundo, que está no Palácio de Versailles, na França. Balthazar era, somente, o relojoeiro de Luís XIV,o “Rei SOL”. Segundo Rogério Carvalho – arquiteto  do IPHAN e membro da equipe curatorial dos Palácios Alvorada, Jaburu, e Planalto – a recuperação da peça é difícil.  Os vândalos também fizeram perfurações na obra As Mulatas, de Di Cavalcanti (1897-1976) que está avaliada em R$ 8 milhões.  Danificaram, ainda, O Flautista, de Bruno Jorge (1905-1993) e uma escultura em madeira de Franz Krajcberg (1921-2017), só para citar as obras mais conhecidas. Tinha quadro até boiando nas lâminas d´água do Palácio do Planalto. Ou seja, os terroristas, na verdade, não cultivam nenhum amor à Pátria. São, sim, um bando de fanáticos, insuflados por fake news e lideranças políticas irresponsáveis e disseminadoras do ódio e da violência, que governaram o Brasil até o último dia de 2022.

No momento, começam as concentrações em defesa da democracia em 24 cidades brasileiras, incluindo o Recife. No Nordeste, neste momento, há concentrações em defesa da democracia, também,  em Maceió, Salvador, Fortaleza, Maracanaú (também no Ceará), Natal, João Pessoa. Comunidade brasileira também está mobilizada em Paris.

Leia também
Extrema direita invade e faz quebradeira em Brasília. Lula decreta intervenção no DF
Viva o Brasil: Lula vence a eleição
Debate de presidenciáveis não pode ser conversa de porta de botequim nem de porta de cadeia
Como pipoca no óleo quente: Armazém do Campo exibe hoje à noite curtinhas pela democracia
Sósia de Lula, totem Lulinha faz sucesso nas ruas do Recife e cumpre até movimentada agenda
Festa para lula vira mar vermelho
Lula aos 74, com “tesão de 20 para lutar contra a canalhada no Brasil”
Ditadura e tortura pertencem ao passado. Estado de direito sempre.Viva a democracia
Mais violência: Roberto Jefferson recebe equipe da Polícia Federal a tiros
Livro revisita mulheres como Zuzu Angel, Eunice Paiva e Elizabeth Teixeira: horrores da ditadura
Deutschland uber alles, slogan de Hitler. Brasil acima de tudo, slogan de Bolsonaro
Nazista bom é nazista morto

Bolsonaro repete machismo e misoginia
Homenagem de Bolsonaro a ele mesmo: autopromoção indevida e arrogante
Eleições: Não é difícil prever o que vem por aí
Ditadura e tortura pertencem ao passado
Ministério Público do Trabalho se organiza em Pernambuco contra a praga do assédio eleitoral
Carta em defesa da democracia será lida na Faculdade de Direito
Live de Bolsonaro vira caso de justiça
Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
Desespero de Bolsonaro é retrato antecipado do candidato derrotado
Entre o messias, a besta fera e as marcas do passado
“A arte de se tornar ignorante”

Historiador Marco Mondaini: As portas do inferno continuarão escancaradas
Finalmente o que faz Bolsonaro em Pernambuco?
Bolsonaro e a derrota do voto de cabresto
Ministério Público não quer homenagem a militar da ditadura em prédio do Exército
Ministério Público recomenda que não se comemore o 31 de Março nos quartéis
Trilhas da Democracia discute autoritarismo no Brasil e censura na Ufpe
Memória: Período militar, quando as armas viraram oferendas no altar
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Manifestação contra Bolsonaro. Agressão da PM foi insubordinação?
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco
Pensem, em 1964, já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Um bufão no poder: negacionismo, catastofrismo e messianismo em bolsonaro
Livro revela segredos da guerrilha
Livro “Comentários a um delírio militarista” mostra o devaneio do ex-capitão e seu grupo de oficiais
A arte de se tornar ignorante
Dicionário com cem verbetes mostram o efeito devastador do negacionismo
Livro mostra passageiros da tempestade: fascistas e negacionistas nos tempos presentes
História de 1968 pela fotografia

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Redes sociais

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.