Sozinho, o Teatro do Parque não conseguirá alavancar o bairro da Boa Vista. Cadê o Recentro?

Dá uma felicidade muito grande, ver o Teatro do Parque voltar a viver grandes momentos, inclusive na sua função dupla de teatro e de cinema. Depois da concorrida pré-estreia de “Retratos Fantasmas”, de Kleber Mendonça Filho ( no dia 14 de agosto), o filme volta ao cartaz, naquela casa de espetáculos, que completa 108 anos nessa sexta-feira. Depois, tem concerto da Banda Sinfônica do Recife.  Na quarta-feira foi a vez do cineasta Alexandre Figueiroa exibir o seu curta “Consuella”, em sessão gratuita, concorridíssima, e com casa cheia. Inaugurado em  1915 – em um tempo em que era exigido o uso de chapéu às damas e de terno aos cavalheiros – o Parque revive dias de glória (depois de ter passado por reforma que se prolongou por uma década). A mesma coisa, no entanto, não se pode dizer do seu entorno, marcado pela decadência.

Atenção,  Prefeitura! Atenção, Recentro: os problemas reclamados pela população vão da falta de segurança à degradação das principais vias e praças do Bairro da Boa Vista. Ou seja, de recuperado, mesmo, naquela região, só o Teatro do Parque. As calçadas da Rua do Hospício, onde ele fica estão em estado deplorável, além de ostentarem montanhas de lixo em vários locais. Na Rua Martins Júnior, que liga a Rua do Hospício à Sete de Setembro, mais um problema: além de calçadas desgastadas, esgoto escorrendo ao lado do meio fio, espalhando no ar a maior fedentina, além de oferecer o risco das pessoas pisarem em água contaminada, principalmente ao estacionar seus automóveis. Foi o que aconteceu com uma amiga, que estava no banco do passageiro, e não viu a lama fedorenta ao descer do carro. Meteu o pé na água podre. Uma tristeza. E um péssimo cartão postal, não é?

Teatro Jardim, o Parque vive dias de glória. Mas decadência toma conta do seu entorno no Bairro da Boa Vista

Como se tudo isso não bastasse, o antes glorioso Hotel do Parque está abandonado. O Hotel fazia parte do complexo de lazer implantado pela iniciativa privada nos anos 1920, para receber companhias estrangeiras que se apresentavam no Teatro. E deve ter muita história. Para completar, uma paisagem triste, para quem sai da Rua do Hospício e toma a Avenida Manuel Borba, para retornar aos bairros de origem:  a histórica Praça Maciel Pinheiro estava às escuras, suja (muito lixo no chão) e servindo de moradia para populações de rua. No caminho do retorno, valas no asfalto muito mal sinalizadas, impondo risco de acidentes a pedestres e condutores.

Segundo os moradores da Boa Vista virou uma “cracolândia”,  com drásticas consequências para o comércio remanescente da região. Se não houver ação integrada entre diversos órgãos da  Prefeitura, a situação tende a piorar. E muito. A recuperação de um equipamento cultural – de forma isolada – não é suficiente para revitalizar um bairro nem uma cidade. Ainda mais do da Boa Vista, bairro que teve seus tempos de glória até os anos 1970, mas vem entrando em um processo sem fim de decadência, sem que até o momento haja alguma luz no fim do túnel.  Na Rua da Imperatriz, por exemplo, o que se vê é só loja fechada. E a Praça Maciel Pinheiro que, no  passado, chegou a receber a atenção de Henry Fonda em uma passagem pela cidade? Qual astro de Hollywood ou mesmo do cinema tupininquim se sentaria hoje em seus bancos, para curtir um fim de tarde? Sinceramente, cadê o Recentro?

Charmosa no passado, a Praça Maciel Pinheiro já estava em decadência em 2018 (foto) e nada melhorou até agora.

Leia também
Sessão Recife Nostalgia: Como era lindo o Bairro da Boa Vista
A Praça Maciel Pinheiro de Henry Fonda e Tia Teté
Calçadas oferecem risco na Boa Vista
Cadê a requalificação das calçadas da Boa Vista? Dom Bosco pede socorro
Bandalha nas calçadas do Recife
Bandalha nas calçadas requalificadas
Praça Maciel Pinheiro vai de mal a pior
Histórica, Praça Maciel Pinheiro vive a decadência e o abandono
Praça Maciel Pinheiro: falta grama e sobra lixo
Praça Maciel Pinheiro pede socorro
Mobilização nas redes sociais contra o abandono das praças do Recife
Depois do teatro, que tal lutar pela recuperação do Hotel do Parque?
Caindo sobrado onde nasceu Nabuco
Lixo e abandono na casa de Clarice 
Em dois anos, lojas fechadas aumentaram 140 por cento na rua da Imperatriz 
Imperatriz tem  15 lojas fechadas
Imperatriz tem 26 lojas fechadas
Ponte da Boa Vista ganha abraço
Vamos salvar o centro do Recife?
Pobre Recife. Será que isso vai mudar?
Vamos revitalizar o centro do Recife?
O Recife que queremos, em 2019

Serviço
Programação dessa quinta-feira no Teatro do Parque
Exibição do filme “Retratos Fantasmas”, de Kleber Mendonça
Horário: 16h
Ingressos estão sendo vendidos a preços populares (R$5 e R$10), na Sympla, pela Vitrine Filmes: https://www.sympla.com.br/sessao-especial-de-retratos-fantasmas—aniversario-do-cinema-do-parque__2134109.

Concerto da Banda Sinfônica do Recife
Horário: 20h
Ingressos: gratuitos, sendo retirados uma hora antes na bilheteria do Teatro

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Andrea Rego Barros e Letícia Lins / Acervo #OxeRecife

2 comments

  1. Parabéns, Letícia.
    Sua voz é imprescindível e sempre muito pertinente.
    Morei na Boa Vista e sinto tristeza com o estado de abandono.
    Fui ao Teatro do Parque recentemente.
    Ele sozinho não dá conta, são muitos os “inconvenientes” no seu entorno.

  2. Parabéns Letícia mais uma vez pelo belo texto. Bem colocado, restaurar só o Teatro não basta. Várias intervenções precisam ser feitas dos diversos Departamentos da Prefeitura. 👏🏾👏🏾👏🏾

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.