Sítio Dourado, o novo espaço para enriquecer ainda mais o mundo mágico e lúdico da criançada

O nome “Sítio” remete aos ambientes bucólicos, cada dia mais necessários às novas gerações que, diante do avanço da verticalização do Recife, terminam convivendo só com a selva de concreto, em situação bem distinta daquela vivenciado pelos pais e avós, que foram criados brincando em arborizados e quintais, e também se divertindo nas chamadas brincadeiras de rua, hoje cada vez mais raras.  Já o “Dourado” tem a ver com o universo lúdico do público infantil, atualmente tão contaminado com a imposição dos equipamentos e brinquedos eletrônicos. Dourado, é, também, o sobrenome das irmãs Ana Maria e Maria Carolina Dourado Maciel que, decidiram fundar o “Sítio Dourado”, transformando a antiga moradia da família  em um espaço “de contraturno, de colônia de férias, de trocas entre crianças e familiares”. Tudo com uma proposta bem inovadora, como veremos a seguir.

E aí, voltamos ao nome do espaço, que funciona na Rua Ferreira Lopes, 296, no Parnamirim. “Sítio simboliza a natureza, com sabor e cor de uma infância saudável”, explicam as criadoras do  Sítio Dourado. “Dourado representa a pureza, o brilho, a luz. Toda a preciosidade que o conhecimento produz. Dourado dá nome a personagens de narrativas infantis (“alecrim dourado”, “peixinho dourado”),  e remete à criatividade, ao colorido, à alegria de viver”, acrescentam Ana Maria (socióloga e pesquisadora social) e Maria Carolina (administradora). Estive no Sítio Dourado e fiquei encantada não só com a ambientação e as soluções arquitetônicas para acomodar e acolher a meninada, como também com os propósitos da instituição, nesses tempos em que, muitas vezes, se observa aquela obsessão conteudista nos estabelecimentos educacionais como também o desengajamento escolar que termina por desmotivar a meninada.   O Sítio Dourado não é escola nem é creche. Mas sim “um espaço de contraturno, de colônia de férias, de trocas entre crianças e familiares”, no qual a criança é estimulada a ampliar os conhecimentos, sendo “instigada a descobrir os próprios talentos e potencialidades”, conforme explica Ana Maria. Uma vez por semana, geralmente aos sábados,  há encontros que são vivências, para trocas e interação das crianças e famílias.

Em ambientes confortáveis, coloridos e alegres – bem ao gosto do público infantil – o Sítio Dourado tem 680 metros quadrados, sendo 420 de área construída. O restante espalha-se por jardins, brinquedos ao ar livre, casinhas, horta. Nessa área externa fica o ateliê ecológico, onde a meninada aprende técnicas de cultivo de hortaliças, jardinagem, reciclagem, espaço muito necessário principalmente para quem reside em prédios onde há pouco contato com a natureza. Há, outros ateliês que funcionam ou vão funcionar com atividades complementares ao que as crianças aprendem na escola. São eles: Bem-Estar, Literário, Artes Plásticas, Experimentos, Sons e Movimentos, Teatro, Sabores, Apoio Pedagógico. Detalhe: as vivências podem ser conduzidas em inglês ou português, dependendo dos dias em que a criança  estará no Sítio Dourado.  A equipe tem Malu Mesquita como coordenadora pedagógica e conta com quatro outros pedagogos, para “dar suporte nas nossas construções”, segundo Ana Maria. Há, ainda, outros profissionais que comandam ateliês específicos, como o de Sabores,  por exemplo. E para o qual foi convidada Ivana Cavalcanti, educadora e chef.  “A iniciativa da construção do projeto é maravilhosa, porque dá oportunidade às crianças de terem experiências que normalmente não vivenciam na escola regular”,  afirma Ivana. “O Sítio Dourado é um espaço de inovação, de estímulo à criação, à criatividade”, completa. “Além disso, as crianças levam para casa a experiência de vida, pois são estimuladas, também,  a uma boa convivência entre a família, já fazem atividades com os pais”, afirma Nani, como é mais conhecida, do alto de seus 40 anos de experiência na educação infantil.

O Sítio Dourado aceita crianças de dois aos nove anos (com programação para todos os dias da semana, nos dois turnos. E também de dez aos doze, para oficinas pré-programadas, que são realizadas uma vez por semana (por enquanto).  O horário de funcionamento é de 7h30m às 11h30m, e de 14h às 18h. No caso de horário estendido, há inclusão de banho e almoço. Como o  período de recesso escolar está em início, o Sítio Dourado programou uma colônia de férias, o que termina sendo uma excelente alternativa para pais que trabalham. A Colônia busca divertir, entreter e promover aprendizagem a parti do lúdico e da arte. Cada semana terá um tema diferente a ser explorado pela criançada: Brincando de faz de conta (primeira semana), Fábrica de criar – fazendo coisas incríveis (segunda), Entre pulos e acrobacias (terceira), e Vamos acampar (quarta). Entre as oficinas organizadas para cada semana, portanto, estão sessões de relaxamento, teatro (faz de conta), culinária, recreação livre, gincana, recreação livre e percurso de obstáculos. Os  preços ,inclusive os da Colônia de Férias, podem ser conferidos no Serviço, detalhado abaixo da galeria de fotos.

Abaixo, você confere mais informações sobre espaços e eventos infantis e sobre educação.

Leia também
O Natal mais lindo da Vila 7 é hoje
Vila 7 faz  sétima edição do “Com 7 e serpentina” no casarão da Toylex
Com 7 e Serpentina já tem ingressos
O carnaval infantil da Vila 7
Saltimbancos na festa da Vila 7, dia 7
Festa de arromba na Vila 7 em dezembro
Fábrica de brinquedos de Noel foi um sucesso
Vila 7 tem mundo encantado dia 6
Shopping Center: Conheça a história de Luiz Gonzaga  e outros santos juninos
Carnaval cultural mostra ícones do carnaval no Shopping Recife
Único brasileiro da rede pública a participar da Olimpíada Internacional de Química
João Victor é o primeiro aluno da escola pública no Brasil na etapa final de olimpíada de química
Matemática: 28 alunos premiados
Dandara Guilherme, aprovada em três universidades estrangeiras ganha passagem
Fred Ramon, herói da escola pública
Robótica: equipes pernambucanas voltam com premiações
Pernambucanos brilham na robótica
Equipe de Escada é a única em torneio de robótica
Fred Ramos, herói da escola pública
Rafael Costa, egresso da escola pública faz bonito no vestibular da USP
Cecília: Prêmio, poesia e pandemia
Cinco equipes pernambucanas na final do Festival Sesi de Robótica 2021
Tecnologia para resgate de cultura ancestral
“Nascente protegida é água garantida”
Trabalho escolar sobre vacina  faz sucesso em tempos de Covid-19
Mata destruída vira trabalho escolar
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru
Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai
Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife
Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Artur é professor nota mil
Mirtes professora nota dez
A menina que salvava livros
A volta das cartas e dos postais

Serviço
Sítio Dourado
Endereço: Rua Ferreira Lopes, 296, Parnamirim
Horários: Segunda a sexta de 7h30m às 11h30m e de 14h às 18h; também há horário estendido (com almoço e lanche)
Público alvo: crianças de dois anos e meio a nove anos (programação para todos os dias da semana, nos dois turnos); e crianças de dez a doze, com oficinas pré-programadas, realizadas uma vez por semana
Preços: R$ 250 mensais (uma vez por semana); R$ 450 mensais (duas vezes por semana)

Colônia de férias para julho
Horários: 8h às12h (2,5 a seis anos); 14h às 18h (cinco a dez anos)
Valores: R$ 450 (uma semana); R$ 850 (duas semanas); R$ 1.200 (três semanas) e R$ 1.500 (quatro semanas). Ou ainda R$ 500 (para cinco diárias avulsas).

Redes sociais: @sitiodourado.educa; Zap (81)99114-7688

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Sítio Dourado / Divulgação

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.