Sheldon adia gravação de DVD: 60 shows agendados em dezembro

Autor de mais de 40 livros e mundialmente respeitado, o geógrafo Milton Santos (1926-2001) chamava a atenção, no final do século 20, para toda uma cultura que “estava emergindo da periferia” e que iria ser dominante. O assunto inclusive é abordado no filme Um Encontro com Milton Santos, do consagrado cineasta e documentarista Sylvio Tendler. Infelizmente o famoso geógrafo não viveu para ver que sua intuição estava certa. Estão aí as estrelas da música funk, que não deixam mentir. Nomes como Anita, hoje, estão no top das preferências do público brasileiro e alçando voo internacional, embora a poética de algumas das letras de seu repertório deixe muito a desejar. No Recife, o brega funk que desce dos morros veio para ficar. E tanto é assim, que a TV Globo já tem até programa, aos sábados, sobre os novos “fenômenos” musicais da terrinha.

Um destes fenômenos, com certeza, é Sheldon. Ele tem nome estrangeiro, mas nasceu no Recife. Passou a infância e a adolescência no Coque, um dos bairros mais marginalizados da cidade. Sheldon pretendia gravar um DVD em dezembro. Mas a agenda o obrigou a adiar a empreitada. Motivo: agenda lotada. Está encerrando 2019, com anda menos de 60 shows programados para o mês de dezembro. Sheldon é tido como percursor do Brega-Funk, e tem sucessos como Ela me Deseja, Saudade me Mata, Nega e À noite eu choro. Mas está partindo para uma nova linha, mais romântica, sem deixar de lado o som do pancadão como Desconta a raiva com vontade. Há muita coisa de gosto duvidoso. Mas, enfim, é o que o povo anda gostando.

Shledon, que deixou o Coque e hoje reside na Zona Sul (Boa Viagem) adiou os planos de gravar seu quinto DVD para janeiro de 2020. A data e o local da gravação de ainda  não estão escolhidos. Serão definidos conforme a agenda extensa do artista, que vem sendo fechada com antecedência mínima de 30 dias. Ele tem shows agendados na Região Metropolitana, no Interior e até na Paraíba e em Alagoas. Com o  DVD Com Amor Sheldon, ele pretende se projetar nacionalmente, depois de 14 anos de carreira, que começou em casa de amigos.  Lá mesmo, no Coque.

No repertório do DVD vão entrar, entre outras, Mulher do Chefe, Novinha Sapequinha, Fio Dental, Estilo Panicat, Tá lelé, tá maluco. Conhecido como Diamante, com apenas 15 anos, o artista gravou sua primeira música. E em menos de dois meses era sucesso no Recife. A partir disso ele não parou mais e hoje já tem mais de cem músicas autorais gravadas. Muitas delas são até compartilhadas com nomes nacionalmente conhecidos, como Wesley Safadão, Xand Avião, Pedrinho Pegação e Jonas Esticado.  Em 14 anos de carreira, o cantor gravou quatro DVDs, sendo o último em dezembro de 2018, com uma proposta romântica.

Veja o vídeo:

Leia também:
A vez do Recife brega-funk
“Pontes e fontes da miséria”
Outras Palavras no São Luiz

Poesia oral tem nova cara
Cannibal: Devotos, rock, punk e livro
“Isso não é um assalto, é horta no asfalto”
Uana Mahin: “Sou preta, negra e fera”
A arte que vem do Alto José do Pinho
Cultura e caos suburbano agitam Alto José do Pinho
Festival agita Pina e Brasília Teimosa
Violeiros, cantadores e poetas em feira
Oficinas de xilogravura fazem sucesso
Dedé Monteiro: o “papa” da poesia
Cobogó das Artes começa sábado
Livros e Academia mobilizam escolas
Academia convida Miró para debate
Cultura “geek” chega à Academia
“Vou escalar todo seu corpo”
“Eu tenho dois amores”
Entre o brega e o baião
Lady na mesa e louca na cama
Mexe, remexe, se encosta, se enrosca
Elymar Santos: meu coração é brega
Sonhar contigo, por toda a vida
Agnaldo Timóteo e seu Cauby mineiro
Tal pai tal filho
Palestina do Recife: “Cadê nosso país”?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Jonas LIberato/ Divulgação/ Sheldon Produções

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.