Sessão Recife Nostalgia: Memórias afetivas dos casarões e das “vendas” de Casa Amarela

No mês passado, o Grupo Bora Preservar promoveu uma caminhada pelo Bairro de Casa Amarela. Foi interessante passar em revista os locais que marcaram a minha infância, como o Sítio da Trindade, a Igreja do Arraial,  o mercado público, a antiga mercearia  (que funcionava como o “supermercado” da localidade no século passado) e o Morro da Conceição. Amiga de longas datas e moradora do bairro desde criança, a jornalista Conceição Campos também fez o percurso.

Após o passeio, visitamos algumas ruas que não estiveram no roteiro. E foi quando  confrontamos o que foi, e o que é agora a localidade. A paisagem de antes e a paisagem de depois. Ela lembrou a minha intervenção na “venda” (foto acima) que sobrevive no bairro. E que, no passado, era a “Venda de Seu Abelardo”, hoje chamada de “Bodega de Seu Artur“. Como sabe que morei por ali perto, o coordenador do Bora Preservar, Denaldo Coelho, me solicitou que falasse sobre a experiência da infância, de ir à “venda”. Localizada na esquina das Ruas da Harmonia com a Conselheiro Nabuco, ela é o retrato vivo da forma como as famílias abasteciam  suas casas no século passado. Lembro-me, quando menina, que ia lá comprar feijão, arroz, manteiga a pedido de minha mãe. E, de vez em quando, ia até comprar o inesquecível guaraná Fratelli Vita, o único refrigerante que costumava saborear. Depois dele, nenhum mais….

Mesmo preservando a arquitetura original, casas térreas elevam muros por questão de segurança

Naquela época, bem perto dali, o pai de Conceição, Seu Elísio, sentia na pele o impacto da chegada do primeiro supermercado do bairro, o Comprebem, que abalou o movimento da mercearia do português. Próximo à minha antiga casa, a mercearia hoje pintada de vermelho que visitamos no passeio foi a única que resistiu à chegada do segundo supermercado do bairro. No caso, a primeira loja do Bompreço no Recife, que foi inaugurada em 1966. As outras chamadas “vendas” de bairro sucumbiram à chegada das redes gigantescas de varejo.  Conceição também acha estranho que Casa Amarela tenha sido dividido em outros, pois muito do que era o antigo território do bairro hoje são bairros independentes como o Morro da Conceição. Já  Parnamirim e Tamarineira denominam, hoje, partes do que no passado pertenciam a Casa Amarela. Vejam o nostálgico relato que ela enviou ao #OxeRecife.

“Fiz a caminhada com o maior prazer, por pertencer ao bairro que, apesar de dividido hoje, para mim tudo ainda é Casa Amarela. Quando você fez sua intervenção na frente da venda contando sua vivência, das compras que a família ali fazia, achei o máximo,  é o tal pertencimento. Muitas pessoas estavam ali conhecendo Casa Amarela naquele momento. Mas nós somos daqui. Você falou que o Bompreço foi o primeiro  grande supermercado de Casa Amarela. Mas antes dele, já havia uma  outra loja de outra rede, o Comprebem.  Foi o primeiro aqui na rua e quebrou a venda do meu pai. Ele até imitou o modelo de venda do supermercado, fazendo gôndolas, mas uns cinco anos depois a mercearia fechou. A rua Guimarães Peixoto (antigo Beco da Facada) era um polo comercial.

Logo na esquina do Colégio Santa Catarina, do outro lado tinha uma concorrente do meu pai, depois uma farmácia, e em seguida um armário  de aviamentos e brinquedos infantis. Aí vinha a venda do meu pai. Na outra esquina, a padaria São João, que existe até hoje. Do lado contrário  vinha a venda de Dona Luzinete, também de estivas. No fim da Guimarães Peixoto, esquina com a Avenida Norte, havia a Serraria de João da Mata, tinha tudo em madeiras. A residências eram lindas e todas tinham jardins, inclusive o casarão da família Pedrosa da Fonseca. E no Natal e no São João, era toda decorada para os passantes se encantarem.

Hoje, ao passar por elas me sinto um fantasma ao lembrar dos  antigos moradores, cujos nomes ainda recordo:  Alcides Lopes (Gerente do Jornal do Commercio); Osmar Serpa (pai da amiga Vilna); Estêvão Pinto (antropólogo da Fundação Joaquim Nabuco e colecionador de atigos indígenas que hoje estão no Museu do Estado);  Nilton Maia (engenheiro, professor da UFPE); Ivanildo Batista (médico do antigo Pronto Socorro); Aluísio Araújo (dono do Colégio Osvaldo Cruz). E ainda: Aldacina Morais (dona da academia acordeon Raul Mascarenhas, que ficava em um sobrado da Rua Nova, no Centro).  Lembro, ainda, do “Programa a felicidade bate à sua porta”,  que  corria a cidade com um  palanque ambulante, e que veio parar  aqui na esquina de minha casa trazendo Fernando Castelão (1924-2000), Nerize Paiva (1932-2014) e Marilene Silva (1935-2019). Na época, quase ninguém tinha telefone em casa, e todos vinham aqui ligar, pois meu pai colocou o nosso telefone 4463 no balcão de venda, como telefone público, mas as pessoas pagavam para usar”.

Na galeria abaixo, você confere fotos de Casa Amarela. E no “Leia também”, mais informações sobe o bairro e sobre o Recife Sessão Nostalgia

Leia também
Espigões e monstrengos ocupam lugar dos velhos e bonitos casarios em Casa Amarela 
“Bora Preservar”: A tripla importância histórica do Sítio da Trindade, em Casa Amarela
Bora Preservar faz roteiro em Casa Amarela: Do Sítio da Trindade ao Morro da Conceição
Sessão Recife Nostalgia: Nos tempos do icônico Bar Soparia, que agitava o Pina
Sessão Recife Nostalgia: Nos tempos da maxambomba
Sessão Recife Nostalgia: Passeio pelos palacetes do século 19 no Recife
Sessão Recife Nostalgia: Viagem do século 21 ao 16
Sessão Recife Nostalgia: Conheça o antigos arco da Conceição em QR Code
Sessão Recife Nostalgia: O Kiosque do Wilson
Sessão Recife Nostalgia: Os circuitos automobilísticos do século passado no Recife
Sessão Recife Nostalgia: Afogados, Rozemblit, história e cinelândia
Sessão Recife Nostalgia: São Luiz, história e noite de festa
Sessão Recife Nostalgia: Rua da Aurora, Sorveteria Gemba e São Luiz
Sessão Recife Nostalgia: Mais um chalé demolido no Recife
Sessão Recife Nostalgia: As festas no Sítio da Trindade
Sessão Recife Nostalgia: Antônio Gomes Neto revive o passado do Recife
Sessão Recife Nostalgia: Armazéns do Caboclo, no bairro de São José
Sessão Recife Nostalgia: Armazéns do Caboclo
Sessão Recife Nostalgia: Casa Navio, papa-fila, Sorvete D’Aqui
Sessão Recife Nostalgia: Escolinha de Arte do Recife na Rua do Cupim
Sessão Recife Nostalgia: Solar da Jaqueira
Sessão Recife Nostalgia: os cafés do século 19, na cidade que imitava Paris
Sessão Recife Nostalgia: Maurisstad, arcos e boi voador
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória
Sessão Recife Nostalgia: Casa de banhos e o fogo das esposas traídas
Sessão Recife Nostalgia: o Restaurante Flutuante do Capibaribe
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Donino e seu antigo casarão ameaçado
Casarão histórico do Sítio do Caldeireiro será preservado
Sessão Recife Nostalgia: Como era lindo o bairro da Boa Vista
Sessão Recife Nostalgia: A Praça Maciel Pinheiro de Henry Fonda e Tia Teté

Texto: edição Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

 

4 comments

  1. Boa noite, Letícia
    Quantas recordações você nos traz.
    As da minha infância não são aqui de Casa Amarela, mas no fim é tudo igual – um retrato do nosso “tempo da inocência”.
    Lembranças que nos acarinham a alma.
    Obrigada pela matéria tão cheia de significados.

  2. Muito bom o texto!

    Essa tarefa de deixar a história da cidade viva, mesmo com os avanços do modelo capitalista de vivência, é de extrema importância.

    Parabéns pelo trabalho!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.