São João: quadrilhas em discussão

Nessa época, as quadrilhas – cada uma mais linda do que a outra – já deveriam estar nas ruas, nos arraiais, nos concursos, exibindo o luxo das fantasias e a criatividade dos temas e das coreografias. Sim, porque esses grupos juninos mudaram e se sofisticaram. São bem diferentes das quadrilhas tradicionais, que víamos no passado. Por força da pandemia, as fantasias foram recolhidas, a sanfona não vai tocar, e arraiais (como o Sítio Trindade), infelizmente, vão ficar vazios. Mas os quadrilheiros não vão parar. A partir de hoje (16), os brincantes participam de três encontros virtuais, para discutir sobre as origens, os impactos sociais e o futuro das quadrilhas.

Os encontros são promovidos pela Secretaria de Cultura e Fundação de Cultura da Cidade do Recife, em articulação com  a Liga Independente de Quadrilhas Juninas do Recife (Liquajur) e a Federação de Quadrilhas e Similares do Estado de Pernambuco (Fequajupe). A primeira conversa será hoje (16), mas haverá uma segunda na quarta (17), e uma terceira na quinta (18). O horário será sempre o mesmo, das 20h às 23h.  Cada encontro terá capacidade para ser assistido por cem pessoas. Mas atenção, é sala virtual mesmo. Tudo online.

A Organização do Movimento Quadrilheiro e os impactos Sociais e Econômicos das Quadrilhas Juninas nas comunidades é o tema de abertura das rodas de conversa, na noite de hoje, com mediação de Perácio Gondim, do Cais do Sertão. Participam como provocadores da discussão: Hugo Menezes (quadrilheiro e professor do Departamento de Antropologia da UFPE), Michelly Miguel (presidente da Fequajupe), Rodrigo de Oliveira (quadrilheiro e Secretário Executivo  da Liquajur), e Marcone Costa (quadrilheiro, educador e militante do movimento LGBTQI+) como provocadores da discussão. O link do primeiro dia será: meet.google.com/xjv-kfed-jho.

O segundo dia de debates será dedicado ao tema As Origens, as Devoções e as Festas. E terá como mediador o representante da Fundação de Cultura Cidade do Recife, Paulo Mafe. Há muitos ciclos juninos, ele vem produzindo um vastíssimo acervo de fotografias de apresentações de quadrilhas e quadrilheiros nos diversos concursos promovidos no estado. Os provocadores serão: Mário Ribeiro (pesquisador e professor do Departamento de História da Universidade de Pernambuco), Perácio Gondim (coreógrafo, educador e quadrilheiro), Jadenilson Gomes (ator e quadrilheiro) e Fábio Andrade (diretor de arte e quadrilheiro). O link do segundo dia de programação será: meet.google.com/nhw-pabr-aax.

Na quinta-feira (18), as rodas de conversa encerram, tendo como derradeiro tema Os Concursos, as Transformações e a Quadrilha do Futuro. Com mediação de Albemar Araújo, da Fundação de Cultura Cidade do Recife, a conversa terá como provocadores os encenadores, cenógrafos e quadrilheiros Fábio Costa e Américo Barreto, além de Wérison Fidélis (quadrilheiro, bailarino e coreógrafo) e da também quadrilheira Cristiane Menezes. O link para o terceiro e último dia de conversas será: meet.google.com/ccu-sdkw-fmc.

Leia  também:
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
São João da pandemia e da resistência
São João sem fogos nem quadrilhas
Centenário de Jackson do Pandeiro tem festa na Passa Disco
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Procissão dos Santos Juninos
Acorda Povo em Campo Grande
Dia de procissão dos santos juninos
Linda, procissão das bandeiras é sábado
Capelinha de melão é de São João
Santo Antônio: casamenteiro, soldado, tenente e vereador cassado
A língua incorrupta de Santo Antônio
Forró no Sítio, Poço e Pátio de São Pedro
Quadrilha: luxo, brilho e resultados
Ecos do São João no Ibura
Último dia para ver as quadrilhas
Sexta de forró e desfile de bandeiras
Quadrilhas dão show no Sítio Trindade
Quadrilhas: luxo, brilho e resultados
Quadrilhas: do arraial ao palco
Cadê as quadrilhas tradicionais?
Caminhada do Forró e Festa do Fogo animam Bairro do Recife 
Olha! Recife tem ônibus com forró
“Eu amo minha rua”: Premiada via com homenagem a Jackson do Pandeiro
Acesso ao Sítio da Trindade: Estrada do Arraial só tem iluminação de um lado
Pensem, em 1964 já havia fake news: Bacamarteiros viraram “guerrilheiros”
Qual a origem dos bacamarteiros?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Andréa Rego Barros / PCR / Acervo #OxeRecife

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.