Santuário do Caraça (MG) completa 250 anos, 30 como Reserva Particular do Patrimônio Natural

Uma das principais atrações turísticas de Minas Gerais – e com grande demanda na Semana Santa, devido às cerimônias religiosas – o Santuário do Caraça está completando  250 anos, 30 dos quais como Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), tendo sido reconhecida como unidade de conservação pelo Ibama, em março de 1994. De acordo com os seus gestores, a RPPN vem trazendo qualidade de vida para as pessoas do local e do entorno. Também virou um campo de estudo para pesquisadores, devido à rica flora e à fauna, que possuem espécies endêmicas. Ou seja, plantas e animais só encontrados naquela região. Mas há um animal, que embora tenha distribuição em outras áreas do Brasil,  é logo associado ao Santuário: o lobo-guará que sempre aparece, à noite, para procurar comida. E que virou um deleite para turistas, que costumam varar madrugadas à sua espera, no que é chamado de a “Hora do Lobo”.

O coordenador ambiental do Santuário do Caraça, Douglas Henrique, afirma que RPPN tem grande relevância, já que trouxe organização ao turismo do local, marcado pelo esforço de sustentabilidade. “O Caraça veio acompanhando esse processo natural da legislação para áreas protegidas e, consequentemente, essa regulamentação do uso público nesses parques”, lembra. “Então, se pensar que o Caraça, há 30 anos passados, sofria com o turismo desordenado, a RPPN viabilizou para o local uma ordenação dessa recreação, uma organização para que essa atividade aconteça com o mínimo impacto possível”, acrescenta.

Afirma que quem conheceu o Caraça três décadas antes, quando o turismo ainda era desordenado (e até predatório), surpreende-se quando retorna, diante do grau de conservação. “Tudo isso graças ao processo natural de preservação desses ambientes, com regulamentação de áreas, número de pessoas e horário de visitação”, diz. Para ele, o  Caraça é uma sala de aula a céu aberto, pois ao longo de três décadas, vem funcionando como centro de desenvolvimento de profissionais e de capacitação de novos pesquisadores. Douglas Henrique defende inclusive que seja assinada uma carta de compromisso das prefeituras do entorno, para garantir a preservação não só do próprio Santuário mas de toda a região.

A Serra do Caraça desempenha importante papel na regulamentação do clima, da cadeia do Espinhaço e  do Quadrilátero Ferrífero e Aquífero, além da relevância do reabastecimento hídrico da bacia do Rio Doce, como também, da recomposição dessa biota aquática da bacia do Rio Doce, após o rompimento da barragem da Samarco. O complexo é tombado como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e Estadual e foi escolhido como uma das Sete Maravilhas da Estrada Real. Conta com um amplo Conjunto Arquitetônico onde estão a primeira igreja de estilo neogótico do Brasil, o prédio do antigo Colégio (hoje Museu e Biblioteca), Pousada (com 57 apartamentos e quartos), e a Fazenda do Engenho (com 26 apartamentos). O  local tem, já catalogadas, 386 espécies de aves, 42  de répteis, 12 espécies de peixes e 76 de mamíferos.

A Reserva Particular do Patrimônio Natural do Santuário do Caraça faz parte de duas importantes reservas ecológicas, as Reservas da Biosfera da Serra do Espinhaço Sul e a da Mata Atlântica.  Em suas serras há nascentes, ribeirões e lagos que possuem águas de coloração escura, que carreiam material orgânico em suspensão.  O território do Complexo do Caraça integra a Área de Proteção Ambiental ao Sul da Região Metropolitana de BH, onde começam duas grandes bacias hidrográficas, a do rio São Francisco e a do rio Doce, que abastecem aproximadamente 70% da população de Belo Horizonte e 50% da população de sua região metropolitana. Por aí, percebe-se a importância da região não só como “pulmão” da Grande BH, mas também como importante fonte de alimentação das reservas hídricas da região.

Confira a exuberância da natureza no Santuário do Caraça, na galeria de fotos abaixo. Depois, mais informações nos links (inclusive sobre o lobo-guará) no “Leia também”.

Leia também
Guarás da “Hora do Lobo” do Santuário do Caraça ganham ajuda para preservação da espécie
Semana Santa no Santuário do Caraça: história, natureza generosa e cerimônias religiosas
Brasil tem protocolo inédito no mundo para soltura de lobos guarás
Lobo-guará ganha festa de aniversário no Parque Estadual de Dois Irmãos
Parecem totós,mas são dois filhotes de lobo-guará, espécie ameaçada de extinção no Brasil
Ameaçado de extinção, lobo guará é alvo de projeto de conservação e é reintroduzido à natureza
Quem lembra do lobo-guará?
Santuário do Caraça: história, natureza generosa e cerimônias religiosas na Semana Santa
Ação para recuperar nascentes na biodiversa Serra do Espinhaço

Serviço
O quê: Santuário do Caraça (Reserva Particular do Patrimônio Natural)
Onde fica: Estrada do Caraça, Km 9 – Entre os municípios de Catas Altas e Santa Bárbara (MG)
Como chegar: Fácil acesso pelas rodovias BR 381 e MG 436, além do da possibilidade de ir por trem (Estação Dois Irmãos – Barão de Cocais)
Taxa entrada: R$ 30 (em dias de semana): e R$ 40, aos finais de semana, feriados e datas comemorativas
Descontos de 50% para idosos. e para moradores de Barão de Cocais, Catas Altas e Santa Bárbara Entrada gratuita na 1ª quarta-feira de cada mês para os moradores de Barão de Cocais, Catas Altas e Santa Bárbara.
Site com opções de hospedagens: www.santuariodocaraca.com.br 
Reservas: centraldereservas@santuariodocaraca.com.br  
Instagram: @santuariodocaraca @rppn_caraca
Facebook: www.facebook.com/santuariocaraca/

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Miguel Andrade, Padre Lauro Palu e PBCM / Santuário do Caraça/ Divulgação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.