Rua da Imperatriz: Sobrado onde nasceu Joaquim Nabuco está à venda ou disponível para aluguel

 Rua da Imperatriz: Sobrado onde nasceu Joaquim Nabuco está à venda ou disponível para aluguel

Compartilhe nas redes sociais…

Vende-se um sobrado de quatro pavimentos na Rua da Imperatriz,  no Bairro da Boa Vista. O imóvel também está com placa de “aluga-se”, no caso de ninguém querer comprar, o que não está fácil naquela via. Não se trata de um sobrado qualquer, embora outros tenham arquitetura mais trabalhada e mais bonita. O sobrado em questão, que fica na esquina com a Rua Bulhões Marques, é simplesmente aquele onde nasceu em 19 de agosto de 1849, ninguém menos que o abolicionista mais famoso do Brasil, Joaquim Nabuco.  O prédio, no entanto, está quase em ruínas. Talvez em situação melhor do que aquele em que morou, ali perto, a menina Clarice Lispector, que viria a se tornar uma das maiores escritoras da língua portuguesa.

Infelizmente as nossas autoridades parecem não ter interesse em zelar pelos bens culturais que nós temos. No caso do sobrado da Imperatiz já funcionou de tudo lá: armazém, loja de confecções, secos e molhados. Pelo menos, é o que dizem os mais antigos. Lembro-me que um dos últimos comércios ali instalados tinha roupas e acessórios populares, bolsas, cintos, blusas, bermudas, calças, vestidos. O sobrado, no entanto, é uma vítima da crescente decadência da Rua da Imperatriz, onde cerca de 40 lojas estão fechadas, fato comum em bairros como Boa Vista e Santo Antônio, onde a Prefeitura e o seu  Recentro ainda não conseguiram dar jeito. E a Rua da Imperatriz está cada dia menos atraente e mais inóspita. Infelizmente. E as lojas permanecem fechando. No caso do sobrado Nº 147, poucas pessoas que transitam apressadas pelo local têm ideia de sua importância histórica. Sequer o percebem, pois deixou de ser uma loja para transformar-se em mais um espaço vazio. Porém uma placa da campanha “História nas Paredes”, do Instituto de Arqueológico, Histórico e Geográfico de Pernambuco ressalta o sobrado, tão característico das moradias do bairro durante o século 19, onde os proprietários mantinham seus comércios no térreo, habitavam o primeiro e o segundo andares, e reservavam os superiores para seus empregados. Tanto era assim, que Nabuco nasceu no segundo pavimento (geralmente destinado aos dormitórios das numerosas famílias da época). Diz a placa do IAHGP:

“Neste sobrado, no segundo andar, na Rua Aterro da Boa Vista, atual Rua da Imperatriz Tereza Cristina, nasceu Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo, em 19 de agosto de 1849.  Líder abolicionista, político, diplomata, historiador, jurista e jornalista. Formado em 1870 pela Faculdade de Direito do Recife. Foi sócio correspondente do IAHGP. Faleceu em Washington, em 17 de janeiro de 1910”

Vamos, pois, ter cuidado e ficarmos alertas para evitar que o  prédio seja destruído ou descaracterizado. Pois infelizmente é o que sempre acontece no Centro da  Capital pernambucana (à exceção, claro, do Recife Antigo). Os comerciantes descaracterizam por completo o andar térreo de prédios seculares, ao contrário do que ocorre em outras partes do mundo. Danam mármore, placas de acrílico, letreiros monstruosos de gosto duvidoso sob o olhar conivente de nossas autoridades. Em ruas como a da Imperatriz (na Boa Vista) e a Nova (Santo Antônio), a gente tem que olhar para cima, para contemplar a arquitetura original dos edifícios construídos nos séculos passados. Porque no térreo é aquilo que vocês estão vendo, atentados estéticos para todos os lados, como se pode observar na foto abaixo, principalmente no prédio do centro que ainda conserva no primeiro e segundo andares a linda fisionomia original.

Lojas fechadas e prédios descaracterizados transformam a Imperatriz em rua fantasma e com personalidade violada

Lembro-me que, quando adolescente – ao viajar com meu pai – ele ressaltava, já naquela época, como capitais da Inglaterra, França e até da Argentina respeitavam a arquitetura original de velhos edifícios, mesmo que o andar térreo fosse aproveitado para lojas, restaurantes, cafés. “Veja como fica bonita essa porta de vidro com os letreiros dourados, respeitando a arquitetura do  prédio, sem agressão nenhuma”, disse-me, certa vez, não lembro mais em que cidade da Europa. “Esse cuidado também é visto em Buenos Aires”, ressaltou. “Mas lá no Recife, o costume é destruir o que é bonito”. E olhem que meu pai morreu em 1978. Ou seja, se naquela época o descalabro já era visível pessoas sensíveis, imaginem agora quando a situação só fez piorar!

Leia também
Caindo sobrado onde nasceu Nabuco
Prefeitura dá mais poder ao Recentro para tentar recuperar o movimento da Rua da Imperatriz
Em dois anos, lojas fechadas aumentam 140 por cento na Rua da Imperatriz
 Imperatriz tem 15 lojas fechadas
Imperatriz tem 26 lojas fechadas
Em dois anos, lojas fechadas aumentam 140 por cento na Imperatriz
#Recifemergênciaclimática (9): Rua da Imperatriz
Abandonada durante uma década, Praça Maciel Pinheiro entra em reforma
Cadê a revitalização do Centro do Recife? Quando não é calçada quebrada é esgoto estourado
Livro mostra o que o Recife que se esconde
Sessão Recife Nostalgia: “Como era lindo o bairro da Boa Vista”
Sessão Recife Nostalgia: A Praça Maciel Pinheiro de Henry Fonda e Tia Teté
Recentro
Viva Guararapes faz festa no centro mas Recentro precisa mesmo é cuidar do Centro
Quase parando, comércio do centro ganha injeção de ânimo: circulação de trios de forró
Recentro usa forró para animar São José
Viva Guararapes: poluição sonora espalha decibéis além da conta
Vandalismo na calçada da ponte Duarte Coelho para retirada de cobre. Cadê o recentro?
Recentro é criado para cuidar do degradado centro do Recife. Agora vai?
Viva Guararapes faz última edição de 2022
Viva Guararapes faz festa no domingo mas recentro precisa mesmo é cuidar do centro
Viva a guararapes faz a última edição de 2022
Recentro faz sexta edição do Viva a Guararapes, mas avenida permanece ao Deus Dará
Festa: Avenida Guararapes rediviva? 
Ainda sem mudanças a apresentar Recentro faz a festa na Guararapes
Vandalismo na Ponte Duarte Coelho para retirada de cobre. Cadê o Recentro?
Recentro usa forró para animar São José
Recentro: Pátio de São Pedro tem segurança
Centro do Recife requer mais do que só festa
Esvaziado e degradado, quase deserto, centro lança duas campanhas para atrair consumidores
Frente parlamentar pelo centro do Recife
Praça Maciel Pinheiro vai de mal a pior

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.