Residência artística “Mulher Território: nossas marcas e raízes plurais” movimenta Aldeia

 Residência artística “Mulher Território: nossas marcas e raízes plurais” movimenta Aldeia

Compartilhe nas redes sociais…

Drica Ayub é mãe, bióloga de formação, artista da dança, pesquisadora, performer, arteterapeuta, percussionista, educadora e produtora, e pesquisa há 17 anos as relações do corpo com a natureza. Isabela Severi também é artista da dança, bailarina, arte-educadora, pesquisadora e terapeuta do movimento. Sílvia Góes é jornalista, mas optou pela profissão de bailarina, fez pós-graduação em dança. É poeta, atriz, dramaturgista, diretora e palhaça, entre outras atuações. Também abraçou a Yoga. Juntas, as três pegaram a estrada, para a pesquisa “Mulher Território: nossas marcas e raízes plurais”.  Estiveram no Sertão e na Região Metropolitana, ouvindo povos indígenas e afrodescendentes.

Agora as três estão reunidas, mais uma vez, para um “exercício” sobre as experiências que vivenciaram. É que entre os dias 15, 16 e 17 de dezembro, o trio comanda uma residência artística  em dança com o tema. Ela ocorre na Casa de Xamanismo Centro da Terra, que fica no km 14 de Aldeia, em Camaragibe. As inscrições já estão abertas para mulheres acima de 18 anos e podem ser realizadas por meio do link disponibilizado na bio do Instagram @mulher.territorio, com vagas limitadas. O projeto em dança tem incentivo do Funcultura-PE. A residência proporcionará momentos de partilhas, rodas de conversa, mostra de material artístico colhido nos territórios  visitados (indígenas e quilombolas), vivências corporais e performance final, no ato de encerramento.

Drica, Sílvia e Isabela estiveram em territórios indígenas e quilombolas e ofertam residência artística em Aldeia

A pesquisa  evidencia as raízes plurais, junto a mulheres nascidas com ascendências várias em suas singularidades, indígenas, pretas, árabes, europeias e outras origens apagadas de suas histórias familiares. Em cada território, foram realizadas vivências distintas, contemplando as realidades diversas. As pesquisadoras fizeram uma “Escutação entre Elas”, no intuito de ouvir as vozes, mas também de observar os gestos dos corpos inseridos naquelas realidades. Registros audiovisuais foram realizados e, em breve, será lançada uma videodança e também um mini doc. resultante da pesquisa. A coordenação de projeto é produção geral é de Drica Ayub.

Leia também
Na Argentina de Javier Milei, um réquim para Soledade Barret, assassinada na ditadura brasileira
Acervo Recordança pesquisa memória da dança em Pernambuco e mostra resultado do trabalho
Acervo RecorDança mapeia profissionais da dança com algum tipo de deficiência
Movimento Armorial: Livro, poeira sagrado e festa, os 25 anos do Grupo Grial
O frevo inclusivo de Werison
“O ser humano encantado do frevo”
Renata Tarub: dança e inclusão social
Grupo Totem faz noite de performances no Centro Luiz Freire
Artistas desafiam a segurança e fazem espetáculo noturno no Parque Treze de Maio
Sopro d´água: Que tal lembrar o dia da água assistindo um espetáculo de dança?
Coletiva Mãe Artista faz seminário sobre maternagem
Coletivo Lugar Comum transfere espetáculo “Segunda Pele” do palco para o mundo virtual
Coletivo Lugar Comum leva Cicatriz ao Teatro Hermilo Borba Filho

Corpo Ritual: Grupo Totem comemora 35 anos abrindo inscrições para oficina gratuita
Mulheres  ganham ruas e palcos com Mostra Teatral Rosa dos Ventres
Corpo Onírico junta sonho e natureza
Acervo e memória da dança em Pernambuco
O resgate do corpo ancestral
Entranhas e estranhas marcas: Dança, fêmeas, cicatrizes
Mostra de dança acaba com três espetáculos no Santa Isabel
Conceição em Nós: Dança retrata Morro
Capoeira vira patrimônio cultural e imaterial de Pernambuco
Mostra de dança tem DNA do frevo
Relacionamento abusivo vira espetáculo de dança “Eu Mulher”
Quando a dor do câncer vira dança
Dança sobre vida depois da morte
História de Brasília Teimosa vira dança
Entra apulso no palco: “Pode entrar”
Noite flamenca na terra do frevo
Quadrilhas ganham palcos
Chico Science redivivo
O homem de mola do Guerreiros do Passo
Jornada virtual, a dança da pandemia
Violetas da Aurora em movimento
Maracatu rural: as mulheres guerreiras
A única mestra de maracatu
Capiba, o gênio da música ganha espetáculo em sete ritmos
Cecília Brennand festeja mais um acerto do Aria Social com homenagem a Capiba
Capiba: Pelas ruas eu vou volta ao palco do Teatro Santa Isabel
Depois de arrebatar 75 prêmios, A Cor Púrpura faz temporada no Teatro do Parque
Mulheres viram atrizes ao levar peripécias da vida real para o palco
Itacaruba, Cabrobó e Itacuruba ganham Paisagens oníricas ao lado do Velho Chico e do Capibaribe
Artistas desafiam insegurança e fazem espetáculo noturno no Parque Treze de Maio
Corpo onírico junta sonho e natureza
Grupo Totem faz noite de performances no Centro Luiz Freire: Corpo Ritual
Corpo Ritual: Grupo Totem comemora 35 anos abrindo oficina para sobre iluminação cênica

SERVIÇO:
Residência Artística “Mulher Território: nossas marcas e raízes plurais”
Datas: 15, 16 e 17 de dezembro (sexta, sábado e domingo)
Horário: a partir das 18h da sexta até as 17h do domingo
Local: Casa de Xamanismo Centro da Terra – Aldeia (no km 14)
Bolsas: cinco bolsas integrais para mulheres indígenas, pretas, trans e periféricas
Investimento: R$ 100 (possível), R$ 200(real) e R$ 300 (abundante)
Inscrições e mais informações: no perfil @mulher.territorio no Instagram (link  bio), por e-mail (mulher.territorio.sdi@gmail.com) ou por telefone (81) 99811-7770
Público: mulheres acima de 18 anos
(Crianças acompanhadas pelas mães serão acolhidas no espaço. Teremos uma pessoa disponível para cuidá-las)

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Giovana Monteiro / Divulgação / “Mulher Território: nossas marcas e raízes plurais”

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.