RecorDança faz residência artística e, depois, apresentações gratuitas em Chão de Estrelas

 RecorDança faz residência artística e, depois, apresentações gratuitas em Chão de Estrelas

Compartilhe nas redes sociais…

O #OxeRecife já falou aqui várias vezes do Acervo RecorDança, coletivo de pesquisadoras (com “A” mesmo, pois são todas mulheres) que atuam em Pernambuco. É  um grupo que, desde 2003, vem catalogando, organizando e difundindo as memórias das danças do Estado em um acervo digital (www.acervorecordanca.com). Os registros são de todo tipo de dança, do passo (coreografia do frevo) aos caboclinhos, destes às quadrilhas juninas. Do break ao twerk, das manifestações de origem afro (como o maracatu) às coreografias para pessoas com deficiência, realizadas com cadeiras de rodas.

Ou seja, as investigações possuem um amplo espectro. Agora o coletivo quer se aprofundar ainda mais. É que entre fevereiro e março, o RecorDança promove uma residência artística-historiográfica, reunindo as pesquisadoras do Coletivo e mais oito artistas convidados para refletir sobre aspectos de linguagens artísticas da Dança que merecem maior visibilidade em pesquisas da área. A “Residência RecorDança 20 anos: Política do Encontro” acontece nos fins de semana entre 23/02 e 03/03, no Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo, em Chão de Estrelas, Recife-PE.

Na foto superior, dançarina Briê Silva. Na foto acima, Valéria Vicente. As duas artistas farão apresentações grátis

Ao final, no domingo (03), haverá uma mostra dos resultados da residência intitulada “Confluência RecorDança”. A mostra será gratuita e aberta ao público a partir das 15h, também no Daruê Malungo. O projeto conta com recursos do SIC Recife 2021/2022 – FIC, firmado por meio da Secretaria de Cultura do Recife. A política do encontro, proposta pelas pesquisadoras do Acervo, visa reunir agentes da Dança para pensar e elaborar, em conjunto, conteúdos sobre as danças representadas durante a residência, em sua maioria, ainda não mapeadas pelo coletivo, a fim de manter vivas suas memórias de forma criativa.

Além das pesquisadoras do Acervo RecorDança Ailce Moreira, Elis Costa, Ju Brainer e Taína Veríssimo, foram convidados a participar da residência os artistas-pesquisadores da Dança que atuam no Recife: Briê Silva (twerk), Cris Souza (quadrilha), G-black (break), Nina Sousa (dança esportiva em cadeira de rodas), Paulinho 7 Flexas (caboclinho), Vilma Carijós (danças afro-brasileiras), Roberta Ramos (historiografia da dança) e Valéria Vicente (frevo e dança contemporânea).

A residência irá gerar seis resultados, de múltiplos formatos, entre podcasts, vídeos, fotos, textos, performances, entre outros. Os resultados apresentados artisticamente ao público, contam com intérprete de Libras. Posteriormente, os registros serão disponibilizados gratuitamente no site do Acervo RecorDança. As pesquisadoras  explicam que o interesse em realizar a residência no Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo, sede de um grupo de dança que há mais de 30 anos vem contribuindo com a formação e fruição da cultura popular e afro-brasileira, é deslocar o foco do centro da cidade para provocar um retorno às comunidades periféricas, reconhecendo suas potências, trajetórias e importância.

Integrantes do Acervo RecorDança promovem oficinas e apresentações gratuitas na sede do Daruê Malungo

Leia mais informações sobre o  ColetivoAcervo RecorDança  nos links abaixo, assim como outras ações do setor de dança.

Leia também
Acervo Recordança pesquisa memória da dança em Pernambuco
Acervo RecorDança mapeia profissionais da dança com algum tipo de deficiência
Movimento Armorial: Livro, poeira sagrado e festa, os 25 anos do Grupo Grial
O frevo inclusivo de Werison
“O ser humano encantado do frevo”
Renata Tarub: dança e inclusão social
Grupo Totem faz noite de performances no Centro Luiz Freire
Artistas desafiam a segurança e fazem espetáculo noturno no Parque Treze de Maio
Sopro d´água: Que tal lembrar o dia da água assistindo um espetáculo de dança?
Coletiva Mãe Artista faz seminário sobre maternagem
Itacuruba, Cabrobó e Limoeiro ganham paisagens oníricas ao ladodo Velho Chico e do Capibaribe
Coletivo Lugar Comum transfere espetáculo “Segunda Pele” do palco para o mundo virtual
Coletivo Lugar Comum leva Cicatriz ao Teatro Hermilo Borba Filho

Corpo Ritual: Grupo Totem comemora 35 anos abrindo inscrições para oficina gratuita
Mulheres  ganham ruas e palcos com Mostra Teatral Rosa dos Ventres
Corpo Onírico junta sonho e natureza
Acervo e memória da dança em Pernambuco
O resgate do corpo ancestral
Entranhas e estranhas marcas: Dança, fêmeas, cicatrizes
Mostra de dança acaba com três espetáculos no Santa Isabel
Conceição em Nós: Dança retrata Morro
Capoeira vira patrimônio cultural e imaterial de Pernambuco
Mostra de dança tem DNA do frevo
Relacionamento abusivo vira espetáculo de dança “Eu Mulher”
Quando a dor do câncer vira dança
Dança sobre vida depois da morte
História de Brasília Teimosa vira dança
Entra apulso no palco: “Pode entrar”
Noite flamenca na terra do frevo
Quadrilhas ganham palcos
Chico Science redivivo
O homem de mola do Guerreiros do Passo
Jornada virtual, a dança da pandemia
Violetas da Aurora em movimento
Maracatu rural: as mulheres guerreiras
A única mestra de maracatu
Capiba, o gênio da música ganha espetáculo em sete ritmos
Cecília Brennand festeja mais um acerto do Aria Social com homenagem a Capiba
Capiba: Pelas ruas eu vou volta ao palco do Teatro Santa Isabel
Depois de arrebatar 75 prêmios, A Cor Púrpura faz temporada no Teatro do Parque
Mulheres viram atrizes ao levar peripécias da vida real para o palco

SERVIÇO
Residência RecorDança 20 anos: Política do Encontro*
Quando: : 23/02, 24/02 e 25/02/2024 (sexta a domingo) 01/03, 02/03 e 03/03/2024 (sexta a domingo)
Onde: Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo (Rua Passarela, 18a, Chão de Estrelas, Recife/PE).
*A residência é fechada para convidados.

Mostra Confluência RecorDança**
Quando: Domingo, 03/03 – 15h às 17h
Onde: Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo (Rua Passarela, 18a, Chão de Estrelas, Recife/PE)
Quanto:  grátis  (**A mostra é aberta e gratuita ao público)

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Zé Diniz / Arnaldo Sete /Divulgação

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.