REC Cultural e Zeppelin: “Professores de arquitetura dão aulas achando soluções externas lindas, mas aqui brigam para não ter nada disso”

 REC Cultural e Zeppelin: “Professores de arquitetura dão aulas achando soluções externas lindas, mas aqui brigam para não ter nada disso”

Compartilhe nas redes sociais…

Depois de dividir opiniões, a construção do polêmico restaurante em forma de Zeppelin sobre dois edifícios tombados no bairro do Recife, está suspensa.  Pelo menos temporariamente. Foi o que anunciou hoje o REC Cultural, idealizador e proponente do projeto junto aos órgãos públicos. Além do restaurante no formato do dirigível, o Grupo EBrasil – que atua na área de energia – pretende dotar os dois prédios com equipamentos que vão de museu a biblioteca (especializada em arte), de  auditório e laboratório a lojinha do Museu, de cafeteria a restaurante. Os prédios, que são conjugados, ficam na Avenida Rio Branco, 23. E na Avenida Marquês de Olinda, 58, no Marco Zero, a área turística mais frequentada do Centro do Recife.

Como o #OxeRecife já mostrou aqui, a intervenção de equipamentos modernos  junto a antigos não é inédita, e há exemplos no mundo.  Mostramos o caso da Antuérpia (Bélgica), que implantou uma construção futurista, ao lado de uma secular e então abandonada estação de bombeiros, que terminou sendo restaurada. Na foto acima, o equipamento moderno que   foi construído no Museum de Fundatie, que fica na Holanda.  Erguido em estilo neoclássico em meados do século 19, o palácio foi remodelado entre 2012 e 2013, com projeto assinado pelo escritório holandês Bierman Henket Architecten, que decidiu desenvolver um modelo arquitetônico com estrutura autônoma, que destoasse totalmente do palácio antigo. O edifício anexo, em forma de ovo – e que, à distância até lembra o Zeppelin– virou atração turística. E como o zeppelin pretendido no Recife, ele parece pousar na cobertura do prédio antigo.

Na nota distribuída nessa sexta-feira, a EBrasil informa que não desistiu do projeto cultural e que este tramitou em todos os órgãos exigidos.  Mas que por enquanto a intervenção está suspensa. “Entendemos que a paisagem é algo que compõe o imaginário coletivo, sendo a parte de indentidade de uma cidade e seu povo”. E informa que prefere que o projeto seja “fruto de processo longo e democrático”, e que a intervenção só será feita  através de processo de consulta pública, a ser deflagrado nos próximos meses”. Aqui no #OxeRecife não vou repetir as informações anteriores sobre o REC Cultural e seu polêmico zeppelin, que pode ser melhor analisado nos links abaixo, que abordam o assunto, no  Leia também.

Mas o que não faltou foi opinião chegando, umas contra. Outras a favor. Para manter o equilíbrio, mostramos  cinco a favor e cinco contra.

A favor:

 “Excelente matéria, parabéns. Os professores de arquitetura daqui dão aula achando isso tudo lindo e incrível (obras que associam o passado e o futuro). Mas no Recife, eles vão sempre brigar para não ter nada disso. Aquele hotel estranho no Cais de Santa Rita, do ponto de vista do patrimônio é muito pior”, afirma Alexandre Sávio Pereira Ramos, Analista na Gerência  de Planos e Sistema de Informação da APAC, e com recente passagem pela Prefeitura do Recife. (Nota do #OxeRecife: Ele referia-se à  matéria aqui veiculada sobre a convivência do passado  com o futuro, na Autoridade Portuária da Antuérpia.

Outra que prefere ver o REC Cultural implantado, é a designer Gisela Abad: “Antes de opinar, vão se debruçar no projeto. “A proposta é de ocupação com cultura, arte, gastronomia, acolhimento e inclusão, e de restauração de cem por cento dos dois edifícios. Simplesmente maravilhoso”, diz a profissional, uma das mais conceituadas do Recife em sua área.

Criador do Grupo Amantes do Recife, Ubirajara Lopes Carvalho, mostrou-se a favor da intervenção. “Concordo com o projeto.Tem gente falando sem conhecimento do assunto”.

Luciano Morais,leitor do #OxeRecife: “Acho uma boa ideia, pois o Recife não tem um restaurante assim, e não vai afetar tanto a arquitetura”.

Marco Antônio Holanda: “A implantação do projeto é melhor do que termos mais um pardieiro”

Polêmico Restaurante Zeppelin sobre os imóveis tombados por enquanto está suspenso, segundo a EBrasil

Contra:

Paulo Galindo Oliveira –  “O que deveriam era reformar a aberração do lado, que serviu de sede para a empresa Nassau” (Nota do #OxeRecife: ele refere-se a prédio moderno, construído há décadas pelo Grupo João Santos, no Marco Zero, que destoa por completo da arquitetura do local).

Joca Souza Leão, escritor – “O avô (João Santos) de Zezinho fodeu o “Recife Antigo” (não gosto desse apelido publicitário). Demoliu vários sobrados coloniais para construir a sede do Grupo (agora quebrado), que poderia ter sido construída em qualquer lugar”. (Nota do #OxeRecife: Zezinho é arquiteto, e seu escritório é apontado como autor do projeto arquitetônico, embora não seja por ele assinado).

Rose Acioly Barbosa – O prédio é uma obra prima da arquitetura. Deve ficar intocável, façam o restaurante em outro lugar.

Cláudia da Fonte – “Não concordo, já tem o João Santos que deixou a área horrorosa”.

Publicação de fotografia do barco de cristal futurista ao lado de prédio secular na Bélgica gerou comentários aqui

Leda Rivas, jornalista – “Não concordo. Por que não construir o restaurante no Parque do Jiquiá?” (Nota do #OxeRecife: O parque do Jiquiá, atualmente tomado pelo mato e abandonado, possui a única torre de atracação de Zeppelins ainda de pé  no mundo. Mas ninguém lembra disso).

Leia também
Juntar o novo com o antigo não é inédito, mas a polêmica é invitável: o caso do Zeppelin
Recife 487 anos e o restaurante zeppelin sobre esse prédio, vai ou não vai?
Recife 487 anos: Elefante branco do Pina vira biblioteca digital e Parque das Graças é ampliado
Recife, 487 anos: e o restaurante em forma de Zeppelin sobre esse  prédio. Vai ou não vai?
Recife 487 anos: Elefante Branco do Pina vira biblioteca digital e Parque das Graças é ampliado
Recife 487 anos: Festejos atraem multidões e visitação ao maior navio de guerra da América Latina
Começam as comemorações dos 487 anos do Recife
Recife, 486 anos: programação inclui “Boi Voador”, Viva Guararapes e Bloco das Flores
Recife, 483 anos: bolo gigante, boi voador, mangbeat e carnaval
Recife 482 anos. Vamos de Boi Voador?
Boi Voador, do Recife, pode ganhar segundo prêmio nacional
“Boi Voador vira bloco e faz prévia
Sessão Recife Nostalgia: Boi Voador e Marisstad 
Turista, placa apagada e Boi Voador
Recife tem cortejo de bois e Boi Voador
Olha! Recife: Rio, ponte e Boi Voador
Silenciosa relíquia do tempo de Nassau
O Recife através dos tempos
Aos 483 anos o Recife é lindo?
Fotografias que retratam cenas cotidianas do século passado vieram e-book e exposição
Bia Lima resgata fotografias da vida privada do Recife
Sessão Recife Nostalgia: O Kioske do Wilson, que ficava na Rua Nova
O Recife por elas
Hans Von Manteuffel dedica um fotopoema ao Recife
O Recife virado que te quero ver
Nota dez para Recife que te quero ver
Livro Eu, Capibaribe
Aos 483 anos, o Recife é lindo?
 Recife, 482 anos. Vamos de boi voador?
Livro mostra o Recife “que se esconde”
Arruando pelo Recife tem nova edição
Faculdade de Direito: O Recife através dos cartões postais
Conheça o Recife através dos tempos
O Recife através dos tempos está de volta
Gisele Carvallo e o Recife de Van Gogh

Dê o Recife de presente ao seu papai
O diário do lockdown da pandemia pelo olhar dos confinados
O Recife pelas lentes de Fred Jordão
Sessão Recife Nostalgia: “Como era lindo o bairro da Boa Vista”
Sessão Recife Nostalgia: Praça Maciel Pinheiro de Henry Ford e de Tia Teté
O Sertão que virou mar no Cais
São José e Santo Antônio ganham livro: viagem por quatro séculos de história
Arte Déco: Miami ou Recife?

Texto:  Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Reproduções

Posts Relacionados

2 Comments

  • O Recife só poderia ser opinado de verdade a pessoas que viveram muito tempo longe e voltam e ver que esse lugar tá abandonado cheio de casarões aos matos e deteriorados e da vontade de chorar com história no lixo e os que aqui nasceram e não tem opinião detalhada e comparativa pois não saíram daqui acha que isso é 1000 maravilhas e um mínimo do mínimo este lugar poderia ser uma real Veneza brasileira mais como tanto caos esgotos a céu aberto e a vc adorno histórico cultural dizer que está tudo lindo é uma utopia!

  • O Recife Poderia ser opinado de verdade por pessoas que viveram muito tempo longe e voltam e ver que esse lugar está abandonado cheio de casarões históricos aos matos e deteriorados da vontade de chorar com tanta história no lixo e os que aqui nasceram e daqui nunca saíram perderam as forças e a voz de gritar pelos seus direitos e aindam acham que isso é 1000 maravilhas qd recebem em vários setores o mínimo do mínimo,Recife merecia um Real título de Veneza brasileira mais com tanto caos esgotos aos céus abertos dizer que está tudo lindo será uma grande utopia!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.