Raspa-raspa de macaíba é um sucesso

Perguntei a cinco crianças e três jovens se conheciam a macaíba À exceção do mais velho, nenhum já tinha ouvido falar na frutinha, que foi uma das grandes frustrações de minha infância. Menina de gostar de brincar na rua – naquele tempo isso  ainda era possível – via a molecada passar comendo o “coquinho” com a maior avidez. Um dia, fui até a palmeira que sobrevivia em uma das esquinas da Rua Evaristo da Veiga, onde passei a infância. E comi, na maior avidez do mundo. Mas o fruto com a polpa amarelo forte, me pareceu um purgante. Amargava que só fel. Tinha até quem o chamasse de “bombom de boi”. Hoje as macaibeiras estão sumindo do mapa. A gente quase não mais as vê, nas ruas do Recife.

Para minha surpresa, encontro anos depois, em plena praia de Boa Viagem, o ambulante Joâo Benedito dos Santos, vendedor de raspa-raspa há quinze. Há três, descobriu que o raspa-raspa de macaíba é muito solicitado pelos banhistas. E passou a vendê-lo na areia. Hoje, o da fruta nativa é o carro-chefe de João. “Trago três litros e vendo tudo, mas antes é preciso bater no liquidificador com leite”, conta ele. “Aliás, só macaíba e coco exigem leite. Os outros só pedem mesmo a raspa de gelo”, conta. Ele vende raspa-raspa de manga, tamarino, morango, menta, uva, chiclete, entre outros. Mas diz que o de macaíba é o mais pedido pelos seus clientes.

O raspa-raspa de macaíba é muito solicitado, mas a palmeira está sumida no Recife.
O raspa-raspa de macaíba é muito solicitado, mas a palmeira nativa praticamente desapareceu das ruas do Recife.

Benedito afirma que o lambedor do fruto é um sucesso no combate à tosse e às secreções pulmonares. “A macaíba é boa para combater a tuberculose, dor nos ossos, catarro, reumatismo”, diz ele.  “Mas eu só vendo mesmo o raspa-raspa”. Procurei informações no livro “Farmácias Vivas” (do Professor Abreu Matos), uma das bíblias sobre plantas medicinais em minha estante. Nada sobre a fruta. Vou ao Google. Há poucas informações, mas algumas se referem ao seu efeito expectorante e ao nutricional. Nas minhas caminhadas matinais, encontro, vez por outra, macaibeiras. Elas são nativas do Brasil.  E ainda sobrevivem em alguns trechos que margeiam o Rio Capibaribe. Muitas pessoas , no entanto, acreditam tratar-se de uma palmeira comum. Viva Benedito, que resgatou a presença da fruta entre nós. “Compro na cidade, e preparo o suco com leite em casa. O povo gosta muito, e é forte”.

(Foto: Letícia Lins / #OxeRecife)

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.