Projeto Som da Pele: Surdos, “Batuqueiros do Silêncio”, encantam público com suas alfaias

 Projeto Som da Pele: Surdos, “Batuqueiros do Silêncio”, encantam público com suas alfaias

Compartilhe nas redes sociais…

Com  o noticiário voltado todo para as eleições – as mais violentas e também as mais disputadas desde a redemocratização – passou quase batida a apresentação do Projeto  Som da Pele,  no Festival Acessa BH. Porém o #OxeRecife não pode deixar de noticiar a participação do grupo pernambucano naquele evento, que é protagonizado por artistas com deficiência, sob o comando de Ras Batman.  O Acessa BH conta com oficinas, rodas de conversa, debates, peças infantis. O Som da Pele, para os que não sabem, é formado por pessoas surdas que, no entanto, apresentam-se com instrumentos de percussão.

Seus primeiros ensaios ocorreram no bairro de Casa Amarela, na Zona Norte do Recife. Conheci o Som da Pele logo no início de sua formação. Na época, Batman havia criado um painel com luzes coloridas que funcionavam como guia visual para coordenação dos sons do grupo. E fiquei encantada com a proposta. Mais ainda quando entrevistei os músicos surdos que me disseram sentir o vibrar de suas alfaias “com o corpo”, percebendo – assim – os sons que estavam produzindo. Na última sexta-feira (28/10), enquanto o povo brasileiro estava mobilizado em passeatas, caminhadas, porta a porta, eles se apresentavam no Acessa BH.  O festival, em sua segunda edição, teve “somente” 60 dias de duração, com apresentações presenciais e virtuais, estas somando 8 mil visualizações.

Batman: seu Projeto Som da Pele começou no bairro de Casa Amarela e é um exemplo de inclusão: surdos são músicos

Entre os artistas consagrados que se apresentaram, o maestro e pianista João Carlos Martins, que é um exemplo de superação, já que passou a reger, após problemas graves no movimento dos dedos. E que, mesmo assim, não deixou de lado o piano, emocionando plateias no Brasil e no mundo. O Projeto Som da Pele, formado por artistas surdos, apresentou-se em duas versões. Os Batuqueiros do Silêncio e o Som da Inclusão. Eles trazem uma mescla de Maracatu de Baque Virado, Frevo, Coco de Roda, Ijexá e Ciranda, além de visitar também alguns ritmos mais contemporâneos como Afro Beat, Break Beat, Drum in Bass, Raggamuffin, Reggaeton e Manguebeat.

O Festival Acessa BH é realizado por Lais Vitral e Vitral Bureau Cultural, com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte, com o patrocínio da MGS, e patrocínio da Vallourec e do Instituto Unimed-BH através da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O “Seminário Acessa BH” é realizado por Lais Vitral e Vitral Bureau Cultural, com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte. O #OxeRecife já havia noticiado, aqui, a criatividade do trabalho comandado por Batman.. Abaixo, você confere links sobre grupos e pessoas que trabalham em defesa de outros com deficiência.

Leia também
Música para surdos: É o Som da Pele
Samira Brito, paratleta com paralisa cerebral,ganha mais uma corrida
Flor do Sertão, Samira Brito vai disputar no Marrcos. Paratleta foi convocada
Velho Chico atrai adeptos do Windsurf
Ana Augusta, a boa Mãe Malvada
Ponto de apoio para ciclistas
Fenearte inclusiva: a primeira pizzaria do mundo com jovens com Síndrome de Down
Dicas de diversão para autistas, por quem entende do assunto
Colônia de férias para autistas no Recife
Casa Azul para atender autistas vira exemplo em Macaparana
Sou diferente e faço a diferença
Portadores de Síndrome de Down ganham curso de jornalismo em PE
Cultura inclusiva em curso gratuito
Pernambuco conduz é relançado
Síndrome de Down: Expedição 21
Caminhada para cadeirantes fez sucesso
A luta por inclusão e acessibilidade
Renata Tarub: dança e inclusão social
Jovens da Apae mostram seus talentos
O “ser humano encantado do frevo”
O frevo inclusivo de Werison
Esplendor e cinema para cegos
Festa inclusiva no Parque da Jaqueira
Com respeito construímos a igualdade
Bruno, exemplo a ser seguido
Bruno, exemplo para todos
Saga de Bruno Ribeiro vira cordel
Encontro na estrada: passeio inclusivo
Abertura do carnaval com inclusão
Cadeirante merece respeito
Cadê o respeito aos cadeirantes ?
Carnaval inclusivo no Recife Antigo
Isso é muito bom: carnaval inclusivo
Carnaval sem barreiras em Boa Viagem

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Festival Acessa BH / Divulgação e Acervo #OxeRecife

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.