Primatas ameaçados de extinção ganham transporte aéreo gratuito para novo endereço

 Primatas ameaçados de extinção ganham transporte aéreo gratuito para novo endereço

Compartilhe nas redes sociais…

Quem não gosta de ver um bichinho? Eu, por exemplo, perco um bom tempo curtindo pandas, coalas, cangurus, cantos e plumagem de aves, primatas, leões, leopardos, zebras e outros animais em sites especializados e  redes sociais. E gosto de observar o comportamento dos selvagens e também dos domésticos.  Entre os primeiros, tenho muita curiosidade pelos primatas, que são sempre comunicativos e engraçados. Mas há primatas que são pouco conhecidos pela população. Dois desses são o Sauim-de-coleira (Saguinus biocolor, foto acima) e o sagui-da-serra-escuro (Callithrix aurita, foto abaixo). As duas espécies estão ameaçadas de extinção.

Mas, felizmente, tem gente trabalhando para evitar que esses animais desapareçam e inclusive atuando na reprodução, como é o Caso do Centro de Primatologia do Rio de Janeiro. O Sauim está no topo da lista de animais ameaçados, e é endêmico do Amazonas, com ocorrência limitada a quatro municípios do Amazonas. Já o sagui-da-serra-escuro só é visto em matas de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Nesta semana, o Sauim e o sagui dessas fotos viraram notícia. Eles foram nascidos e crescidos naquele centro, e acabam de fazer uma viagem de avião entre o Rio de Janeiro e São Paulo. Foram levados para o Aeroporto de Guarulhos (SP), de onde seguiram para o Parque Zoológico Municipal de Bauru, em São Paulo. Os dois são machos e viajaram em Avião Solidário da Latam, que oferta transporte gratuito a instituições que trabalham com conservação de espécies silvestres.

Bem diferente dos saguis observados em Pernambuco, esse sagui-da-serra-escuro é ameaçado de extinção

Fundado em 1975, o  Centro de Primatologia do Rio de Janeiro é o único do mundo com dedicação exclusiva à conservação da fauna primatológica e desenvolve inclusive programas de reprodução de várias espécies. O transporte foi realizado em parceria com a Associação de Zoológicos e Aquários do Brasil (AZAB), o que tornou a viagem menos cansativa para os dois animais, já que foi 50% mais rápida do que se o deslocamento fosse feito exclusivamente por via terrestre, o que demandaria umas dez horas de estrada.

Segundo a Latam, o programa Avião Solidário existe há onze anos e já transportou 4,6 mil animais . Tem até parcerias com outras instituições que se dedicam à preservação da natureza no Brasil, como Amigos do Bem, Associação Caatinga, Instituto Rodrigo Mendes, Amazone-se e SOS Mata Atlântica.  O Avião Solidário trabalha, também, com transporte gratuito de vacinas, cargas e  até pessoas. Vida longa para os dois primatas  que nasceram em cativeiro e que as espécies se  reproduzam em quantidades para que possam ser reintroduzidos à natureza.

Leia também
Onze macacos são retirados do Parque Treze de Maio e podem voltar à vida selvagem
Macacos do Parque Treze de Maia ainda esperam por transferência
Com triste história, Sena comemora aniversário como o chimpanzé mais idoso do Brasil
Guariba Koda completa um ano e começa a se socializar com “parentes” no PEDI
Esforço para preservar o muriqui-do-sul, o maior macaco das Américas
Ambientalistas preocupados: Só restam 1.300 muriquis na natureza
Macaco-de-cheiro na universidade
Pandemia: Minha vida com os saguis
Trabalho de parto: cesariana para sagui
Descarga elétrica desorienta sagui
Sérgio: Seis horas para salvar sagui
Jujuba vira remédio para os macacos
Esso vai plantar 20.000 árvores para proteger mico leão dourado
Macaco prego aparece em Apipucos
O lado “humano” dos macacos
Ele se parece muito conosco
A primavera do Abricó-de-Macaco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Dayse Campista e Zoológico de Guarulhos /Divulgação

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.