Premiada, Mary Del Priori é a primeira atração do Circuito Cultural da Cepe

 Premiada, Mary Del Priori é a primeira atração do Circuito Cultural da Cepe

Compartilhe nas redes sociais…

Autora de 53 livros e detentora de 20 prêmios nacionais, a historiadora Mary Del Priori é a primeira atração do Circuito Cultural, que tem início nessa quarta-feira (9/9). A abertura do evento – pela primeira vez apenas em formato digital (devido à pandemia) –  acontece às 16h30m. Mas a live com a escritora, com o tema  História Baseada em Fatos Reais começa às 17h, com mediação do jornalista Fellipe Torres. O Circuito Cultural é uma iniciativa da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) e tradicionalmente percorria as principais regiões do estado.

Por conta do coronavírus, a programação teve que ser adaptada, sendo gratuita, com opções para diversos tipos de público e também para todas as idades. Os eventos podem ser acompanhados pelo portal do Circuito.  (www.circuitoculturalpernambuco.com.br). Até domingo (13), quando termina a primeira etapa do Circuito, haverá contação de histórias, oficinas educativas, lançamentos de livros, apresentações artísticas e exibição de filmes. “Mudamos o formato, mas a reflexão sobre o livro e a leitura permanecem”, afirma o Presidente da Cepe, Ricardo Leitão. Em 2020, o Circuito faz homenagem a João Cabral de Melo Neto, que completaria seu centenário. Nada menos de 20 editoras, livrarias e instituições estão inseridas na programação.

No caso de Mary, ela mostrará como correspondências pessoais revelam nossas origens. “Documentos mais íntimos dizem muito sobre a sociedade, a partir desse conteúdo é possível ir tecendo, construindo e contando a história de uma maneira diferente, é como se a pessoa estivesse ouvindo a voz e sentindo as angústias, as alegrias e os pesares de quem escreveu as cartas”, declara a historiadora. “Das Cartas jesuíticas aos seus correspondentes em Roma, às cartinhas de D. Pedro I aos filhos ou à correspondência amorosa entre a condessa de Barral e o Imperador D. Pedro II é todo um mundo que se descortina”, diz.  E acrescenta: “Afetos, questões políticas, tensões familiares, problemas do dia a dia, a correspondência se torna uma grande tela de cinema onde os fatos históricos desfilam entremeados às questões do coração ou às emoções”.

Para ela, correspondências são “outra forma de se conhecer a história e a vida de quem escreve”.  E explica: “Todo o povo escrevia? Não. Mas é bom saber que até escravos trocavam correspondência, como vem sendo apurado por historiadores. E suas cartas ou são endereçadas às autoridades em busca de Direitos e de liberdade, ou aos familiares revelando as mesmas preocupações de pessoas livres”. Conta como as cartas revelam grande preocupação com entes queridos ou membros da família. Doenças, mortes, problemas financeiros são os temas mais visitados.  Mas que também revelam golpes e contragolpes da história. “José Bonifácio, por exemplo, escreveu horrores sobre D. Pedro I quando sentiu que foi abandonado e traído. Não dá para julgar o “povo brasileiro” que é complexo e muito diferente de Norte a Sul. Mas dá para ver que a emoção nunca esteve ausente da tinta e do papel”. A historiadora diz que os arquivos públicos brasileiros são riquíssimos. Mas que  infelizmente padecem da falta de verbas da Federação, que possibilitem a higienização de seus “tesouros vivos” e os mantenha ao alcance dos pesquisadores.

Leia também:
João Cabral não é um iluminado é um iluminador
O levante dos camponeses
Editoras contra elitização do livro
Aventura literária no Olha! Recife
Carlos Pena Filho: Desejos presos na APL
Carlos Pena Filho: trinta copos de chope
Litoral Sul ganha tenda literária
Sidney Rocha  preside Conselho da Cepe
O lado editor do escritor Sidney Rocha
Carlos Pena Filho: “são trinta copos de chope” e memórias no Museu do Estado
Joca e seus diálogos improváveis
Você tem fome de quê? De livros
Ditadura: a dificuldade dos escritores
Pensem, em 1964 já tinha fake news
Livro oportuno sobre a ditadura
Livro revela segredos da guerrilha 
Anco Márcio resgata a obra de Luiz Marinho
Tereza: uma mulher em três tempos
Miró estreia livro infantil
Clube da Leitura: livros com desconto
Compra de livros sem gastar tostão
Arruar mostra o Recife do passado
O dia que esqueci que sou repórter
Livro mostra os jardins históricos do Recife
O Recife pelas lentes de Fred Jordão
Carnaval: cinco séculos de história
Nação Xambá: 88 anos de resistência
Boa Viagem ao Brasil do século 17
O lado musical da Revolução de 1817
De Yaá a Penélope africana
Você tem fome de quê? De livros
“Rapaz da portaria” escreve 37 livros
Recife: pontes e “fontes de miséria”
Festival “A Letra e a Voz” se rende a Miró
Clube de leitura: livros com descontos
Alunos  fazem livros sobre 20 bairros
Conversa com Sidney Niceas na Academia
“Enterrem meu coração na curva do rio”
Compra de livros sem gastar tostão

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cepe / Divulgação

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.