“Power Guido” e Dia dos Namorados

Dia dos namorados tem restaurante cheio, presente, motel, tempo para realizar as fantasias. Pois é destas que falo hoje, dos brinquedinhos sexuais, cuja oferta aumenta a cada dia no Recife. Antes, as vendas ocorriam em locais discretos, com portinhas estreitas, quase sem letreiros. Lembro que quando trabalhava no Centro do Recife, havia duas lojinhas tímidas, por onde eu andava. Ficavam escondidinhas nos edifícios Ébano e São Cristóvão. Hoje, o comércio desse tipo está no meio da rua. São lojas espalhafatosas, que viraram um grande negócio.

Negócio que se disseminou demais. Com a maior naturalidade. Tive uma empregada que usava o terceiro expediente para vender “brinquedinhos” na favela onde morava. Só interrompeu o negócio, porque levou um calote do tamanho de coqueiro que os anúncios prometem para o órgão sexual masculino. E eles chegam até dentro de casa. Hoje, ao abrir meu correio eletrônico, havia nada menos de cinco e-mails vendendo ilusões sexuais. E de todo jeito. Vejam este: “Aumente seu amiguinho até 12 centímetros”, oferece um tal “Bernardo de Freitas” (deve ser nome fantasma ou comercial).

Tem gente que prefere o romantismo das rosas e de um sonho de valsa às ofertas agressivas que vendem sexo de plástico.
Tem gente que prefere o romantismo das rosas e de um Sonho de Valsa às ofertas agressivas que vendem sexo de plástico.

Outra pretensa “Laura Aguiar” convida: “Fazendo o seu pequeno ficar grande naturalmente”. Ora, ora, nem homem sou, para estar recebendo tal tipo de oferta. Mas tem, também, “Pênis Morfeu com vibrador” Vocês conhecem? Eu também não. E aí vem uma série de outros produtos que vão de algemas e mordaças a chicotes. Um ainda mais audacioso, promete – não diz se para homem ou mulher – uma “tesão de vaca”. Já viram que baixaria? E amor precisa desse tipo de “empurrãozinho”? O amor, por ele mesmo se sustenta.

Dia desses, fui comprar roupas íntimas em loja de uma galeria comercial na Zona Norte. Quando a moça abriu a gaveta de calcinhas, tinha lá um monte de apetrechos masculinos de todas as cores. Normal. Eu brinquei com ela. A resposta: “Todo mundo está usando”. Dei uma risada e saí. Pouco depois, chego no salão de beleza, para cortar os cabelos. Quando sento, na minha frente tem uma cestinha, digamos, cheia de brinquedinhos. Me chamou a atenção a variedade. E sobretudo a criatividade. Vejam só o nome desse produto, que deve ser um Guido muito poderoso: “Power Guido”. O amor é lindo, mas será que todo mundo precisa dessas coisas? Penso que uma boa química entre os parceiros já é de bom tamanho. E se for preciso quebrar o “gelo”, será que duas taças de vinho não resolvem? Sei não… mas quando o amor é grande, até uma rosa ou um sonho de valsa são pretexto para um beijo e o que vem depois. Com muito romantismo. Feliz dia dos namorados. Aliás, feliz amor, todos os dias. E como diz Elymar Santos, haja “taras e manias”.

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.