Pouco a pouco, o Recife vai perdendo a memória: O adeus a mais um casarão no bairro da Boa Vista

 Pouco a pouco, o Recife vai perdendo a memória: O adeus a mais um casarão no bairro da Boa Vista

Compartilhe nas redes sociais…

Infelizmente, o Recife registrou mais um fato que ajuda a cidade a perder sua memória. Ou melhor, a memória da arquitetura de uma época. Como se não bastasse a descaracterização dos velhos sobrados de ruas como da Imperatriz – com interferências que agridem a arquitetura e a estética no andar térreo – o tradicional bairro da Boa Vista acaba de perder mais um casarão. E vai ficando, a cada dia, com paisagem mais pobre e agressiva. É só dar uma volta ali no entorno do Teatro do Parque – felizmente recuperado e restaurado – para se ver o tamanho da bagaceira com poluição visual para todos os lados. Dizem os antigos, no entanto, que o Bairro da Boa Vista era muito bonito no passado. Dá para imaginar. Até Henry Fonda – então um astro de Hollywood – foi visto uma vez passeando na Praça Maciel Pinheiro no início do século passado… Imaginem hoje se um outro artista tão famoso iria fazer o mesmo passeio.

Pois bem, mas é do outro lado, ali nas proximidades do Hospital do Exército, que nós vamos falar. Há um casarão na esquina da Rua do Riachuelo com a do Hospício que acaba de ser demolido.  Lamentações sobre a derrubada  já circulam nas redes sociais.  “Começa o processo de demolição do casarão da esquina da Rua do Hospício com a do Riachuelo, no bairro da Boa Vista”, afirma @katarinamoraes no X  (ex Twitter). E completa: “Aos poucos, a imagem do Centro do Recife de nossa infância vai deixando de existir”. Outro que lamenta o sumiço do velho e secular prédio é o engenheiro Denaldo Coelho, Criador e coordenador do Grupo Bora Preservar.  “Deu muita tristeza ver ruir aquela bela edificação, em estilo neoclássico e construída na primeira metade do século passado”, afirma. E acrescenta: “Não entendo como esse casarão não foi homologado como IEP (imóvel especial de preservação), já que prédios bem próximos tiveram essa classificação, como o vizinho onde funciona o Hospital Militar.

Mais um casarão demolido no Recife que, aos poucos, perde sua memória cada vez mais.

“No final do ano passado, fizemos mais uma edição do nosso “Arruando pelo Recife” (passeio guiado e a pé pela cidade) sobre os casarões do centro. Paramos neste, achamos que seria restaurado, mas infelizmente não foi o que aconteceu e, agora, nem existe mais essa possibilidade”, afirma Denaldo sobre  mais essa demolição. “Espero sinceramente que as autoridades revejam essas posturas para que não fiquemos assistindo à perda e descaracterização do nosso patrimônio”.

Fiquei triste também. Sempre fico triste quando vejo um casarão, um cinema, um velho  prédio ir embora. Passava muito nessa calçada, e contemplava o velho casarão, que  cheguei a frequentar  em seus tempos áureos, quando ia entrevistar o ex-Governador Cid Sampaio (1910-2010), que havia retornado à política nos anos 1970. Era ali que funcionava o escritório de sua usina, e onde ele recebia jornalistas e correligionários. Após a empresa deixar o  prédio, este começou a se deteriorar, com  seus salões transformados em salinhas para sublocação. A parte interna, com salinhas apinhadas, lembravam um cortiço. A decadência se estendeu pela parte externa e deu no que deu.O #OxeRecife não conseguiu apurar o que será feito no seu terreno.   Provavelmente um espigão horroroso – como muitos do centro. Ou, quem sabe, um templo evangélico.

Leia também
Sessão Recife Nostalgia: “Como era lindo o Bairro da Boa Vista”
A Praça Maciel Pinheiro de Henry Fonda e  de Tia Teté
A verdade sobre o Americano Batista. O colégio será vendido? Demolido?
Colégio Americano Batista não será um shopping center e é desapropriado
Prédio da Escola Pinto Júnior em ruínas e paredes estão caindo
Grupo Amantes do Recife pede restauração e um bom destino para a sede do Diário de Pernambuco
Chalé do Sítio da Trindade, em Casa Amarela, muda de cor e vai abrigar memorial da verdade 
Sessão Recife Nostalgia:  Passeio pelos palacetes de viscondes e barões do século 19
Casarão histórico do Sítio do Caldeireiro será preservado em Casa Forte
O Recife perde um dos seus últimos chalés. Durante o carnaval derrubaram tudo
Um passeio pelos chalés do Recife
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Donino e seu antigo e ameaçado casarão
Sessão Recife Nostalgia: Pastoril, Villa Lobos e piano na casa do Sítio Donino
Em ruínas, casarão do  antigo Magitot na Várzea é alvo de licitação
Secular Magitot em ruínas na Várzea
Charmoso Chalé da Rua Velha
Sessão Recife Nostalgia: Demolido um dos marcos da arquitetura moderna
Juntar o novo com o antigo não é inédito, mas a polêmica é inevitável: o caso do  Zeppelin
REC Cultural e Zeppelin: “Professores de arquitetura dão aulas achando soluções externas lindas, mas aqui brigam para não ter nada disso
O “Hotel do Parque” sem memória
Hotel do Parque em livro sobre Root
Depois do Teatro, que  tal lutar pelo Hotel do Parque?
Rua da Imperatriz: sobrado onde nasceu Joaquim Nabuco está à venda ou aluguel
Lixo e abandono na casa onde morou Carice Lispector. Processo para tombar é lento
Cais José Estelita começa a virar pó
Cine Glória: Arte noveau e decadência
Cinema Glória agora é Lin Lin
Retratos Fantasmas, de Kleber Mendonça, mostrao centro do Recife sem os cinemas

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Enviadas por leitores e Denaldo Coelho / Bora Preservar / Cortesia

Posts Relacionados

4 Comments

  • Mais um absurdo sem tamanho Letícia! Parabéns e obrigado por propagar essa denúncia em seu blog que tenho certeza que vai repercutir!
    Depois de uma série de problemas técnicos, finalmente vamos regularizar a nossa OSC, para poder atuar com mais legitimidade na defesa de nosso patrimônio histórico e cultural.

  • Não cheguei a conhecer o casarão demolido, mas lamento que o tenha sido. Nenhum casarão que remete a história da nossa cidade não deveria ser demolido. E o bairro da Boa Vista, como bem demostra o texto de Letícia, guarda parte condiderável da alma do Recife. Deixo aqui meu protesto.

  • É inacreditável a sucessão de crimes contra o patrimônio público acontecendo em Recife, sem que nada seja feito pra impedir tamanha destruição. Será que vai ser preciso colocar fogo em pneus, bloquear ruas, para chamar a atenção das autoridades cúmplices e omissas? Escrevam aí, o próximo será o antigo prédio do colégio Pinto Junior.

  • Aposto que será mais uma farmácia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.