Plantio de árvores: Papirus amplia área de preservação de mata nativa e valoriza reciclagem

 Plantio de árvores: Papirus amplia área de preservação de mata nativa e valoriza reciclagem

Compartilhe nas redes sociais…

Costumo dizer, sempre, ao grupo de leitores do #OxeRecife que esse espaço é destinado às coisas da cidade e de sua gente. Porém não podemos ficar indiferentes às questões ambientais, nesses tempos de tantos eventos extremos, em sua maior parte provocados pelas mudanças climáticas. Por esse motivo, sempre denunciamos os crimes contra a natureza, que tanto pode se reportar à poluição de rios ou riachos, quanto ao abate de uma única árvore.  Também damos destaque a iniciativas de recomposição da natureza. Talvez, por esse motivo, o #OxeRecife receba tantas informações de iniciativas “verdes” de pessoas físicas, estabelecimentos educacionais, e até grandes corporações de todas as partes do país e até do exterior.

A natureza é um bem universal e é assim que temos que dela tratar. E dar conta do que está sendo feito em defesa da fauna, da flora, de mares e rios. Nesta semana, nos chega informação da Papirus, que anuncia a plantação de 1.700 árvores no município de Limeira (SP).

Entre as espécies utilizadas no plantio estão peroba branca, jenipapo, urucum, pitanga, ingá ferro, figueira branca, jequitibá rosa, e embaúba (aquela árvore que o bicho-preguiça adora, e cujas folhas são sua principal fonte de alimento). A empresa é uma das principais fabricantes de papel cartão do Brasil, e informa que está ampliando em 10 mil metros quadrados a área de mata nativa (12 hectares) que cerca sua fábrica, naquele município, localizado a 142 quilômetros da capital paulista. Fundada por uma família de imigrantes italianos (Ramenzoni), a Papirus nasceu como uma empresa de chapéus, que em 1952 começou a produzir embalagens de papel cartão  para acondicionar seus produtos. Mas a partir de 1972, a fabricação de papel passou a representar a totalidade dos negócios. E hoje a produção chega a 110 toneladas ano para atender ao mercado de embalagens, cosméticos, alimentos, medicamentos.

O interessante é que a Papirus é considerada a primeira recicladora de papel cartão no País, já certificada como empresa B. Entre os seus produtos, há aqueles como Vitacarta, que é feito a partir de cem por cento de material reciclado, dos quais 30 por cento são resíduos pós-consumo. Já o Vitacycle é produzido com 40 por cento de fibras recicladas pós-consumo. A empresa não tem florestas próprias para obtenção de matérias primas, porém informa que só usa aquelas com garantia de “sustentabilidade do processo de manejo florestal”. Também costuma fazer auditoria de reciclagem e obter certificações que atesta porcentagem de aparas utilizadas em cada produto.

Localizada às margens do Rio Jaguari, a fábrica está cercada por uma área de preservação que desempenha seu papel equilíbrio do ecossistema local, servindo como refúgio, fonte de alimento e corredor ecológico para diversas espécies de animais silvestres, répteis e anfíbios. Além disso, abriga também um apiário que contribui para a polinização e a manutenção da biodiversidade da região. “A conservação dessa área vai além do benefício à fauna local. Ela também tem uma atuação vital para a proteção do solo e da flora, ajudando no controle do escoamento da água e no aumento da capacidade de recarga do lençol freático”, conta Antônio Pupim, Co-CEO e diretor Industrial e de Supply Chain da Papirus.  Pupim lembra que, a Papirus fica próxima ao Rio Jaguari, que se encontra com o Rio Atibaia e, juntos, formam o Rio Piracicaba. “E a empresa está diretamente envolvida na integridade da bacia do PCJ (Piracicaba, Capivari e Jundiaí), cuja água é utilizada para o abastecimento público de diversas cidades”.

Leia também
Programa Raízes da União planta 200 mil árvores
Via Jardim plantou 600 árvores nas principais avenidas do Recife
Ambev: Plantio de 19 milhões de árvores recupera áreas degradadas e com estresse hídrico
Dia da Árvore: Faber Castell diz que já plantou 4,5 milhões no Brasil. Falta dizer quantas consumiu
Dia da Árvore: Grupo BBF diz que plantará 40 milhões de pés de palma, cacau e açaí
Dia da Árvore: A Vovó do Tapajós
Ajuda à natureza: Air Europa, que também opera no Brasil, converte milhas em plantio de árvores
Reflorestamento: Cada empilhadeira elétrica vendida rende 30 árvores para a Mata Atlântica
Caatinga pega fogo e plantio de árvores nativas começa com ajuda da iniciativa privada
Zetra inicia plantio de árvores na região de Mata Atlântica, em Minas Gerais
Tijuca Alimentos refloresta terras degradas com 100 mil cajueiros no Ceará
Festival de Teatro dá exemplo fazendo compensação ambiental com plantio de árvores em BH
Uma árvore por cada par de sapato
Das 100 milhões de prometidas, MST planta 2 milhões de árvores no país
Juntos pelo Araguaia: Plantio de mudas
Uma árvore para cada livro
Movida planta um milhão de árvores
Mata Atlântica ganha viveiro para produção anual de 100.000 mudas
Mata Atlântica ganha 300 mil árvores na Paraíba
Mata Atlântica ganha 1 milhão de árvores nativas
Mata Atlântica ganha 30 mil árvores no Rio Pinheiros. E no Capibaribe?
Mata Atlântica vai ganhar 1 milhão de árvores. Promessa da Nestlé
Em uma semana, Mata Atlântica ganha 14 mil  árvores da Levi´s e da Farm
Movida planta 1 milhão de árvores
No Dia da Árvore, o Recife ganha quatro. Mas quantas a cidade já perdeu?
No Dia da Árvore, o Recife ganha seis. Mas… quantas a cidade já perdeu?
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
Reflorestamento: Paudalho e Carpina ganham 2 mil mudas
Reflorestamento com recursos de compensação ambiental
Carpina ganha árvores de Mata Atlântica
Semana do Meio Ambiente: Petrolina ganha 7 mil árvores nativas
Caatinga ganha 312 mil árvores nativas
Esforço pela preservação da caatinga
Degradado, Sertão do Araripe ganha ação de reflorestamento
Unesco: Serra das Almas é posto avançado da reserva da Biosfera da caatinga
Ação para recuperar nascentes da biodiversa Serra do Espinhaço
Cabo ganha 7.450 árvores até 2022
Coca-Cola planta 600 mil árvores
Coca-Cola planta 100 mil árvores em São Paulo. Promessa era 600 mil até 2020
Esso decide plantar 20 mil árvores para proteger mico-leão-dourado
Ambientalistas preocupados: só restam 1.300 muriquis
Por um milhão de árvores na Amazônia
Caatinga: Bancos ofertam R$ 10 milhões para restaurar o terceiro bioma mais ameaçado no Brasil
A  exuberância da Mata Atlântica, o bioma mais ameaçado do Brasil
Legado das Águas, a festa da natureza

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Papirus / Divulgação

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.