Pernambuco tem a maior apreensão de papagaios vítimas do tráfico: bebês

Foi só falar hoje em tráfico de animais, aqui no #OxeRecife, para aparecer mais um exemplo desse comércio ilegal e criminoso, no qual muitos bichos morrem por maus tratos. A Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh) divulgou hoje a apreensão de 385  animais silvestres, em operação realizada  nas regiões do Agreste e do Sertão do Araripe, em Pernambuco.  Destes, 340 são psitacídeos, como papagaios, araras, maritacas. Foi a maior apreensão de papagaios registrada em Pernambuco. E muitos eram filhotes (foto acima) que terminaram morrendo na viagem em mãos dos traficantes.

Entre os psitacídeos, foram computados filhotes de papagaio-do-mangue (180), papagaios-verdadeiros (154), araras vermelhas (03) e maritacas (03).  Sendo que 30 filhotes morreram devido ao transporte em gaiolas inadequadas. E 60 chegaram machucados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas Tangara), da Cprh, que no estado é o órgão responsável por acolhimento, reabilitação e reintrodução à natureza de animais que foram retirados do seu ambiente. Realmente, o tráfico é uma grande maldade com os animais. Os filhotes de papagaios, araras e maritacas, vítimas do tráfico de animais silvestres, estavam sendo transportados do município de Balsas, estado do Maranhão, para a feira de Caruaru, a 130 quilômetros do Recife. Os animais foram apreendidos pela Polícia Militar, e o crime foi registrado na polícia civil.

Inicialmente, os animais receberam os primeiros cuidados do pessoal da Patrulha Ambiental Itinerante de Araripina, no município de Ouricuri (Sertão do Araripe). Em seguida, levados para Araripina onde foram resgatados pela equipe da Cprh. Além do psitacídeos, 44 pássaros de diversas espécies, também foram apreendidos (fotos menores). Entre eles, papa-capim, azulão, golinho, bigode, canário da terra, mané-mago, caboclinho, galo de Campina, sabiá laranjeira, craúna, cravina, fim-fim. A ação foi realizada com apoio do 4º Batalhão de Polícia Militar. De acordo com o gerente da Unidade de Fauna Silvestre, Iran Vasconcelos, essa foi a maior apreensão de papagaios que chegou ao Cetas Tangara.

Entre os animais vítimas do tráfico não havia só aves silvestres. Mas também um jabuti. O quelônio está bem, vem sendo atendido no Cetas Tangara, e será devolvido à natureza (foto abaixo). Porém as aves são os animais mais disputados pelo tráfico, entre eles os papagaios e as araras. Infelizmente as pessoas ainda têm cultura de que aves retirados da natureza são “pets”. Não são. PEt é cachorro, é gato. As aves nasceram para a liberdade e cada espécie tem uma função a desempenhar na natureza.

Ele disse, também, que os responsáveis serão penalizados com autos de infração que podem chegar até R$ 1,2 milhão, pelos maus tratos dos animais. “O tráfico de animais silvestres é o terceiro maior tráfico do mundo, perdendo apenas para armas e drogas. Nestes períodos de nidificação, se faz necessário aumentar as fiscalizações e trabalhos de educação ambiental”, afirma. Vasconcelos faz, ainda, um alerta à população no sentido de combater o tráfico de animais. O assunto inclusive  será debatido em live hoje à noite, com participação da Cprh (ver links).

“Apelamos à sociedade para que não adquira animais com essa origem, pois assim alimenta o tráfico e põe em risco nossa tão devastada biodiversidade”, pede Iran.

Leia também
Tráfico tira anualmente 38 milhões de animais silvestres da natureza no Brasil
Amor, tráfico de aves e multa
Vítimas o tráfico voltam à natureza
Tráfico: PRF apreende aves silvestres
O massacre dos pássaros no Sertão
Multa de R$ 4 milhões contra tráfico de papagaios e outras aves da caatinga
Brasil é o terceiro do mundo em espécies de aves. Mas o tráfico…
Cipoma destrói rinha de canários
Canários para o tráfico apreendidos
Canários da terra apreendidos
Araras repatriadas  para a Amazônia
Tucano será repatriado para a Amazõnia
Zooterapia: Aves vítimas do tráfico ajudam pacientes psiquiátricos
Aves brasileiras são alvo do tráfico
Papagaio é vítima de tráfico
Salvo papagaio acusado por cachorros
“Dê cá o pé, meu louro”
Papagaio cativo: multa chega a R$ 5 mil
PM evita venda de papagaio bebê
Policial militar devolve papagaio
Papagaio passa 25 anos na gaiola
Temendo gavião, aposentada entrega papagaio de estimação
352 papagaios voltam à vida selvagem
Projeto Papagaio da Caatinga ganha reconhecimento internacional
Animais voltam à natureza na pandemia
Maldade com os pássaros rende multa
Flagrante no tráfico de pássaros
Cipoma destrói rinhas de canários
Canários da terra apreendidos
Pobres pássaros cativos do Agreste
Pássaros silvestres apreendidos
Pássaros presos e multa de R$ 94,5 mil
Aves liberadas no Sertão
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Festival de Aves no Sul da Bahia
Abaixo as gaiolas: liberdade para as aves
Quase 6000 aves resgatadas em 2017
Aves cativas ganharão a liberdade
Pássaro na gaiola rende multa
O triste fim das arribaçãs na caatinga
Depois do tráfico, o repatriamento
Mais um bebê que cai do ninho 
O tempo bom do João-de-barro 
A Tim e o ninho tecnológico do carcará
Pássaros não merecem prisões
A  inédita visita do sabiá ferreiro
Com belo canto, sabiá volta à natureza

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação / Cprh

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.