Pernambucanos brilham na robótica

 Pensem em uma meninada para acontecer. Estudantes pernambucanos participam do Festival Internacional de Robótica, que acontece pela primeira vez no Brasil. Mais precisamente no Pier Mauá, no Rio de Janeiro, entre os dias 5 e 7 de agosto, quando mais de 90 equipes de 37 países estão disputando. Os representantes de Pernambuco participam em duas modalidades: na Categoria FLL (FIRST Lego League) e na FRC ( First Robotics Competition). Na primeira, estão os jovens da equipe Unity, do município de Escada, localizado a 62 quilômetros do Recife. Na segunda, a Courtesy Team, do bairro popular do Ibura. Nada menos de 28 times brasileiros irão competir no Off-season (um torneio fora de temporada oficial) na FRC.

As duas equipes são de unidades do Sesi. Para o Projeto de Inovação, a Unity, composta por seis alunos Escada, identificou que a queda da cana de açúcar dos caminhões durante o trajeto campo-usina pode representar uma perda de cinco por cento da carga total, gerando prejuízo para as empresas. Pensando nisso, a equipe pernambucana desenvolveu um equipamento que funciona a partir de duas estruturas com redes que ficam localizadas nas laterais de caminhões e realizam um movimento para cobrir a carroceria, diminuindo o risco de perda do produto.

Para tentar garantir uma boa pontuação na etapa internacional, além de tentar ampliar o Projeto de Inovação, os estudantes passaram por uma preparação de idioma, uma vez que, para o Festival Internacional de Robótica, a apresentação terá que ser feita toda em inglês. A Courtesy Team, do Ibura,  é composta por dez alunos. Foi a equipe pioneira na modalidade FRC em Pernambuco, surgindo em 2020, e sendo reconhecida como a equipe mais bem colocada do Norte-Nordeste no ranking da “Competição do Robô”.

A FRC traz robôs bem avançados, em escala industrial, que podem ter 1,5 metro e pesar mais de 50kg. Nessa modalidade, alunos do Ensino Médio constroem robôs que participam de partidas em formato de alianças, divididas em dois momentos: a classificatória e a eliminatória. Na etapa classificatória, as alianças são formadas de forma aleatória, sempre com três equipes contra outras três, nas quais os seis robôs cumprem tarefas como se fixar em barras, lançar bolas em alvos e carregar algum objeto.

Abaixo, vocês conferem outras informações sobre trabalhos realizados por estudantes no estado.

Leia também
Equipe de Escada é a única em torneio de robótica
Fred Ramos, herói da escola pública
Cecília: Prêmio, poesia e pandemia
Cinco equipes pernambucanas na final do Festival Sesi de Robótica 2021
Tecnologia para resgate de cultura ancestral
“Nascente protegida é água garantida”
Trabalho escolar sobre vacina  faz sucesso em tempos de Covid-19
Mata destruída vira trabalho escolar
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru
Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai
Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife
Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Artur é professor nota mil
Mirtes professora nota dez
A menina que salvava livros

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Sesi / Divulgação 

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.