Pernambucana cria identidade visual para Escola de Samba Viradouro (RJ)

Palmas para a estudante Brunna Félix do Carmo, da Escola de Referência em Ensino Fundamental (Eref) Argentina Castello Branco, localizada em Olinda. Ela tem o que comemorar, pois acaba de realizar uma façanha que não é para qualquer um. A garota da rede pública estadual de ensino é simplesmente a vencedora do concurso que elegeu a identidade visual do enredo 2025 da escola de Samba Unidos do Viradouro, atual campeã do Carnaval do Rio de Janeiro.

E agora ela simplesmente integra o grupo de Criação da agremiação, devendo acompanhar o desfile na Marquês de Sapucaí, no carnaval do próximo ano. A escola terá como enredo “Maluguinho, o mensageiro de três mundos”. A marca criada por Brunna vai estampar todas as plataformas, elementos e materiais da escola de samba carioca. Como Zumbi dos Palmares, o escravizado João Batista liderava um quilombo no século 19, o do Catucá.

Mas ele transcendeu a luta libertária e passou a ser uma entidade  espiritual nos terreiros de catimbó, toré e umbanda, principalmente no Nordeste.  “Estou radiante de felicidade e completamente surpresa. Meu coração chega a transbordar de alegria. Sempre vejo os desfiles das escolas de samba do Rio pela TV, mas nunca imaginei que um dia estaria aqui vivendo isso”, diz a menina. “É um misto de emoções maravilhosas que me fazem sorrir sem parar“, relata. Ela esteve no barracão da Viradouro, no Rio, na última semana, para conhecer as dependências e os patrimônios da agremiação.  O concurso foi aberto para todas as escolas jurisdicionadas à Gerência Regional de Educação (GRE) Metropolitana Norte. A ideia era que os alunos criassem uma ilustração com o símbolo do próximo enredo da Viradouro, que será “Malunguinho, o mensageiro de três mundos”.

Segundo a Secretaria de Educação do Estado, o ganho pedagógico do concurso foi grande. Isso porque desde o lançamento do edital do concurso, em abril, os estudantes puderam aprender sobre a figura de Malunguinho – entidade espiritual afro-ameríndia presente nos terreiros de diferentes religiões no Brasil e seus corajosos atos libertários em favor dos povos escravizados em Olinda e região”. Ao todo, 143 trabalhos foram enviados.

“A participação de Bruna e de todos os outros estudantes, professores e gestores demonstra o engajamento de nossas escolas em torno de um projeto multidisciplinar. A escolha do desenho dela não apenas reconhece seu talento artístico, mas também incentiva seu crescimento pessoal, sua autoconfiança e de tantos outros que se veem nela por serem estudantes de escola pública“, destaca o coordenador geral de educação integral e profissional da GRE Metronorte, Wanderson José Oliveira.

Abaixo, você confere informações sobre outros alunos da rede pública que fazem e acontecem.

Leia também
Alunos da rede estadual fazem emocionante homenagem a Osman
Estudantes sertanejos criam método para purificar água usando descartes de quiabos
Estudantes sertanejos criam fralda biodegradável para crianças
Escola Técnica Estadual de Floresta tem disciplina sobre a cultura do couro e dos vaqueiros do Sertão
Alunos de escola pública desenvolvem aplicativo para facilitar a vida de turistas nas festas juninas
Único representante da Rede Pública na Olimpíada Internacional de Química viaja para Uzbequistão
Tem curso grátis de quatro idiomas para alunos da rede pública
Missa do Vaqueiro para lembrar saga de Raimundo Jacó
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
A Rádio que Paulo Freire sonhou no Memorial da Democracia
João Victor é o primeiro aluno da escola pública do Brasil na etapa final da Olimpíada de Química
Matemática: 28 alunos premiados
Dandara Guilherme, aprovada em três universidades estrangeiras ganha passagem
Fred Ramon, herói da escola pública
Robótica: equipes pernambucanas voltam com premiações
Pernambucanos brilham na robótica
Equipe de Escada é a única em torneio de robótica
Fred Ramos, herói da escola pública
Rafael Costa, egresso da escola pública faz bonito no vestibular da USP
Cecília: Prêmio, poesia e pandemia
Cinco equipes pernambucanas na final do Festival Sesi de Robótica 2021
Tecnologia para resgate de cultura ancestral
“Nascente protegida é água garantida”
Trabalho escolar sobre vacina  faz sucesso em tempos de Covid-19
Mata destruída vira trabalho escolar
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru
Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai
Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife
Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Artur é professor nota mil
Mirtes professora nota dez
A menina que salvava livros
A volta das cartas e dos postais

 

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação / Secretaria de Educação de Pernambuco

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.