Pátio de São Pedro precisa de carinho

Ao contrário do Pelourinho – em Salvador – que vive cheio de turistas, o nosso belíssimo Pátio de São Pedro está esquecido. Infelizmente. Com grupos de caminhadas, estive lá por dois fins de semana seguidos. E constatei a desolação.  Como se sabe, aquele conjunto arquitetônico é tombado pelo Iphan. É, portanto, monumento nacional, o primeiro – aliás – a ser assim classificado em Pernambuco.  E merece carinho, apoio,  preservação, movimentação cultural para que se mantenha vivo, efervescente como o centro histórico baiano.

Lampiões de ferro fundido, antigos, sumiram do Pátio de São Pedro, como aliás, aconteceu na Ponte Velha e no Teatro Santa Isabel.

Para completar, além do seu  simétrico casario, o Pátio de São Pedro ainda ostenta a Concatedral de São Pedro dos Clérigos, datada do século 18 e considerada “uma das mais expressivas estruturas arquitetônicas do Brasil”, segundo o livro  Guia do Recife – Arquitetura e Paisagismo.  O templo barroco teve sua construção iniciada em 1728. No Pátio há equipamentos culturais como a Casa do Carnaval, o Memorial Chico Science, o Memorial Luiz Gonzaga e ainda o Museu de Arte Popular.  Também possui restaurantes, entre eles o excelente São Pedro, que tem Thiago Chagas como chef e que responde, também, pela famosa cozinha do Reteteu, este localizado no bairro da Encruzilhada.

Porém nos domingos em que lá estive, à tarde, só ele estava funcionando. Apesar de toda a importância, fiquei muito triste com o que vi, quando estive no Pátio de São Pedro pela última vez.  Estava vazio. A animação ficou por conta do I Encontro da Irmandade Guardiãs de Adjá, que havia se reunido ali pertinho, na sede do Afoxé Óvá Alaxé, que fica na Rua das Águas Verdes, no oitão da Igreja. A roda formada pelo pessoal me fez lembrar os tempos áureos do Pátio, quando suas noites eram movidas a rodas de ciranda, que movimentavam a sociedade. Eram festas democráticas, que costumavam atrair pessoas de todas as classes sociais. Todos, de mãos dadas, em rodas ao som da zabumba, do ganzá, do tarol, da cuíca, sanfona e do pandeiro, repetindo como nos ensina Lia de Itamaracá, “o movimento das ondas do mar”. Mas isso foi há muito tempo, nos anos 70 e 80 do século passado, quando o local histórico vivia grande efervescência.

Com o passar dos anos, como vinha ocorrendo em todo o centro da cidade, o Pátio de São Pedro foi sendo esquecido. A movimentação mais significativa ficou por conta da Terça-Negra, que antes da crise sanitária ocorria uma vez por mês. Também tinha movimento durante os períodos carnavalescos e juninos, que vão ser retomados com o fim daquelas restrições. O Pátio de São Pedro é lindo e merece ser tratado com carinho e muita seriedade. Há tempo que o #OxeRecife vem denunciando pilhagens em seus equipamentos urbanos, como lampiões coloniais. Esperamos que o Recentro encontre soluções criativas que movimentem o logradouro e lhe devolva  os tempos áureos do passado. Recentemente, o Recentro anunciou policiamento ostensivo no local, já que a  falta de segurança naquela região do Recife afugenta o público.

Agora vamos aos “parênteses”. Parece até que a história das luminárias e lampiões coloniais do Recife me perseguem. Encontrei no Pátio postes de ferro fundido, antigos, sem os lampiões. E les sumira sumiram até de velhos casarões, como o que fica na esquina da ruela que dá acesso à Avenida Dantas Barreto. O que está acontecendo? Foram surrupiados? Foram retirados para que sejam substituídos por esses, de material bem mais ordinário do que os originais e que logo após colocados, vêm sendo roubados no resto da cidade? Consultei a Autarquia de Manutenção e Limpeza do Recife, Emlurb, para saber o que está acontecendo, se a retirada faz parte já do plano de substituição pelas luminárias a LED. A resposta da Emlurb não foi muito convincente: “Fizemos uma primeira etapa e vamos fazer uma segunda com reposição de postes, etc”. A “primeira etapa”, no entanto, ficou sem explicação sobre o que se trata.

Como assim? Reposição de postes? Vão ser retirados os originais?  O Pátio de São Pedro, a exemplo do Teatro Santa Isabel – aqui já referido – é tombado e seus equipamentos não devem ser substituídos, mas sim restaurados e lá recolocados. Já basta o que foi feito com a Ponte Velha, que perdeu 22 lampiões coloniais, na execução da “reforma” do seu sistema de iluminação. Já chega de agressões ao nosso patrimônio e atentados estéticos contra a cidade. Estão aí a Praça de Casa Forte, o Cais da Aurora, o Cais da Jaqueira, a Ponte Velha, o Teatro Santa Isabel e a Ponte Duarte Coelho, que não nos deixam mentir. Atenção, Recentro! No domingo em que estivemos no Pátio, com o Projeto Recife que te quero ver, fomos brindados não com uma roda de ciranda, mas com uma outra, dos Guardiões de Adjá, que rendeu fotos e imagens para a nossa turma.

Confira o vídeo:

Leia também
Pátio de São Pedro ganha segurança
Pátio de São Pedro  está sendo pilhado
Até o Santa Isabel, monumento nacional, teve os lampiões coloniais substituídos
Novas luminárias viram alvo de marginais. Estão sumindo do centro
Acabou o mistério do sumiço das luminárias da Ponte Velha
Caso do sumiço de luminárias da Ponte Velha  já está na ouvidoria
Pilhagem mal explicada na Ponte Velha
Lampiões surrupiados na Ponte Velha
Cadê os lampiões da Ponte Velha? Eram quatro em cada poste, mas sumiram.
Linda à noite, Ponte Duarte Coelho sofre atentado estético durante o dia
Novas luminárias de LED no Recife. Por que descaracterizar nossas praças?
Praça José Vilela não é mais assim. Sofreu um atentado estético
O Recife está ficando sem elas
De olho nas luminárias da Bom Jesus
Apipucos: Adeus às antigas luminárias
Vamos salvar o centro do Recife?
Atentado estético no Cais da Jaqueira
Cais da Jaqueira ganhou manutenção mas coreto ficou ainda mais depenado
Atentado estético no Primeiro Jardim, em Boa Viagem
Luz de LED é tudo?
As últimas que resistiam
Campinhos de Várzea iluminados
Fonte luminosa na Praça do Arsenal
Joao Campos, se eu fosse você…
Pátio de São Pedro está sendo pilhado
Que horror, Pátio de São Pedro
Cadê os lampiões da Ponte Velha?

Texto, fotos e vídeo: Letícia Lins / #OxeRecife

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.