Parem de derrubar árvores (150)

A degola com a motosserra insana parece ter sido antiga. Provavelmente porque a árvore estivesse em risco, atacada por cupins. Pela cor do caule, a “erradicação”  – termo técnico usado pela Emlurb para o arboricídio – não é recente. E, portanto, o tempo já foi mais do que suficiente para que a árvore eliminada fosse substituída por uma outra.

O “tamborete” fica no Parque Treze de Maio, Bairro da Boa Vista, que vem a ser a maior e uma das últimas áreas verdes do Centro Recife. O flagrante foi feito no último sábado, durante um passeio com o Grupo MeninXs na Rua, para conhecer as esculturas deixadas por Abelardo da Hora (1924-2014) em ruas, parques e jardins do Recife.

Observem só os canteiros do Parque Treze de Maio, onde fica um dos laguinhos, nos quais nadam patos e gansos, na maior harmonia. Dá para perceber que, tanto do nosso quanto do lado oposto, a grama  dos canteiros se foi há muito tempo. O que é uma cena – infelizmente – muito comum nos jardins públicos do Recife. Situações como esta contribuem para aumentar ainda mais a aridez que vem se formando pelo avanço da selva de concreto. Não é à toa que os Amantes do Recife estão fazendo mobilização nas redes sociais contra o abandono de nossas praças.

Leia também:
Mobilização nas redes sociais contra abandono de praças do Recife
Parem de derrubar árvores (149)
Parem de derrubar árvores (142)
Recife: 4000 novas árvores em 2018?
Quatro mil árvores eliminadas no Recife?
Plantando fruteiras para o futuro

Texto e foto: Letícia Lins/ #OxeRecife

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.