Parecem ataúdes, mas são quiosques da Av. Conde da Boa Vista requalificada. Arte urbana neles!

 Parecem ataúdes, mas são quiosques da Av. Conde da Boa Vista requalificada. Arte urbana neles!

Compartilhe nas redes sociais…

Há alguns dias, fiz uma caminhada com vários amigos pelo centro do Recife. Era um domingo, com a cidade vazia, quando seus detalhes podem ser observados com mais cuidado. Foi em um desses passeios, por exemplo, que percebi que ainda há trilhos antigos no Pátio do Terço. Eram dos trens ou bondes que circulavam pelo Bairro de São José nos séculos passados.

Ao passarmos pela Avenida Conde da Boa Vista, percebemos que as intervenções contribuíram para melhorar a mobilidade e a acessibilidade. As calçadas estão mais largas, arborizadas e com espaço para o pedestre que, antes, mal conseguia caminhar diante de tantas mercadorias e tabuleiros espalhados no passeio público. O que destoa, no entanto, são os “quiosques” instalados ao longo das laterais da via. Parecem ataúdes!

Uma mão de pincel e tinta de artistas como Manoel Quitério já mudaria o astral dos “quiosques” da Conde da Boa Vista

Eles foram construídos para comportar os ambulantes que antes tomavam conta das calçadas. Os quiosques são totalmente sem graça, todos pintados com tinta preta. Para o #OxeRecife, representam atentado estético tão grande, quanto os que foram instalados no Boulevard da Rio Branco. Será que, para os dois casos, não poderia ter sido imaginado um modelo mais criativo, que desse mais graça às duas vias? Mas já  que estão instalados e consolidados, não há um jeitinho de deixá-los mais coloridos?

Cadê os coletivos de arte urbana como o “Pão e Tinta” e o “Aurora de estrelas”? Ou artistas como Manoel Quitério, aquele que saiu colorindo as caixas metálicas das operadoras de telefonia, que só provocavam poluição visual em calçadas, esquinas, praças e ruas. Uma mão de desenho e tinta nos quiosques já deixaria a paisagem da Conde da Boa Vista com outra cara, não acham?  Porque aqueles caixotes com a cor do luto, sinceramente, nada têm a ver com o Recife, uma cidade luminosa e tropical, que precisa de alegria e não de equipamentos que lembram  aquelas caixas usadas pelo IML para conduzir quem já morreu.

Abaixo, você confere outros atentados estéticos no Recife, assim como a mudança provocada pela arte urbana, pelas tintas.

Leia também
Atentado estético no boulevard
Atentado estético no Cais da Jaqueira
Arte urbana: Depois de incidente com guarda municipal, passe livre para grafiteiros
Guarda Municipal interrompe ação de grafiteiros
 Aurora  das estrelas em escola invisível para moradores da Aurora
 Aurora: Obra sem ética nem estética
Calma gente, o caranguejo gigante não saiu da Aurora
Caranguejo gigante voltou ao seu lugar
Prefeitura abre edital convocando artistas
Intervenção urbana com festa de luzes e cores
Grafite estimula empreendedorismo
Grafitegem na pista de skate da praia
Grafitagem contra o vandalismo
Grafitagem inibe pichadores no Recife
Vamos de arte urbana no Olha! Recife
Grafite estimula o empreendedorismo
Colorido degradê na Ponte do Pina
Desperdício de dinheiro público e rebu no Parque Santana
Apelo em vídeo e no MP: “Não deixem morrer a única pista de surf skate
Parque Santana: polêmica sem fim
Rafa Mattos: plante amor, colha o bem
Espaço R.U.A vira Rua dos Amores
Arte urbana e economia criativa no R.U.A
Mais vida nos morros em Iputinga
O arejado Programa Mais Vida nos Morros se amplia
UR-10 tem Mais Vida nos Morros
Mais Vida nos Morros: Lagoa Encantada em evento internacional
Mutirão mega no Mais Vida nos Morros
Mais Vida nos Morros ganha prêmio
CurioCidades: o Recife turístico e afetivo de 40 fotógrafos
Nova fase para o Mais Vida nos Morros
Barco, caminhada e Mais Vida Teimosa
Centro do Recife precisa de mais vida
Laboratório da Paz transforma morros
Alto Sustentável completa cinco anos
Alto José Bonifácio está mais colorido
Morros começam a ganhar hortas
Troque uma muda por uma ideia
Mais Vida nos morros do Vasco
Que tal turismo nos morros coloridos?
ONU de olho no Mais Vida nos Morros
Túlio Ponzi e o Mais Vida nos Morros
A paisagem colorida do Córrego do Jenipapo
Mais Vida nos Morros se amplia
Praça alegre colorida na Mário Melo
A rua também é nossa
Culinária sustentável: Iguarias com cascas de banana, bagaço de coco
O lixo que virou lixeira
A democrática mais vida teimosa
Centro precisa de “Mais vida”
Sessão Recife Nostalgia: Brincadeiras de rua que estão desaparecendo

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.