História: Padre Reginaldo foi herói da luta contra a ditadura e o conservadorismo

A morte do Padre Reginaldo Veloso, 84, deixa um grande vazio não só na Igreja Católica como também entre os movimentos populares do Recife.  Seu nome jamais será esquecido. O Padre não foi só um sacerdote. Foi muito mais que isso. Foi um lutador, uma voz destemida contra a ditadura, a tortura e as injustiças sociais. Pode-se dizer, também, que a sua passagem pela Paróquia do Morro da Conceição contribuiu – e muito – para transformar aquele famoso alto da Zona Norte no mais politizado da nossa cidade.

Com uma bonita carreira como sacerdote, ele foi um grande incentivador das comunidades eclesiais de base, o que despertou a simpatia do então Arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife, Dom Helder Câmara, o Dom da Paz.  Após passar pelo Seminário no Recife, estudar Teologia e História da Igreja em Roma, e sagrar-se sacerdote em 1961, começa a atuar no Recife.  Em 1978 – no período mais duro da ditadura militar – assume a cobiçada Paróquia do Morro da Conceição, onde conquista a admiração da população e transforma a paróquia em um centro de referência quando o assunto era teologia da libertação.

Seu trabalho evangelizador com base naquele segmento atrai não só a comunidade do próprio morro, como de outros bairros do Recife. Mas foi nos anos 1980 que ele virou notícia nacional, por ocasião da expulsão do Padre Vito Miracapillo do Brasil. Miracapillo atuava na Paróquia do Município de Ribeirão – na Zona da Mata – e foi expulso ao negar-se a celebrar a missa do dia 7 de setembro, alegando que o povo não estava independente.  Na verdade, um protesto contra a fome que grassava entre os espoliados trabalhadores dos canaviais pernambucanos. O processo de expulsão contra o italiano virou notícia internacional.

O trabalho evangelizador do Padre Reginaldo Veloso no Morro da Conceição deixou frutos que são colhidos até hoje

O processo de expulsão virou uma batalha nos tribunais. A cada decisão da ditadura, os advogados da Arquidiocese de Olinda e Recife faziam a contestação. Após polêmicas, idas e vindas nas cortes judiciais, Vito terminou sendo expulso por decisão do Supremo Tribunal Federal, com base no Estatuto do Estrangeiro então em vigor. A expulsão do padre provocou um clima de guerra em Ribeirão e contribuiu para agravar mais ainda a crise entre Igreja e Estado, vivenciada naquela época.

Revoltado com a decisão, o padre compôs o hino Vito, Vito, Vitória, que acusava o STF de ser “uma vergonha nacional”, um “coito venal”, onze juízes que “pisam no Direito, celebram o mal”. O hino, uma ousadia para os padrões da época, levou o religioso a ser enquadrado na então draconiana Lei de Segurança Nacional. E olha que, ao contrário do que ocorre hoje, ele só emitiu uma opinião. Ele não fez nenhuma ameaça, como as que vê hoje em dia, partindo do Ex-Capitão e seus apaniguados e seguidores.

Lembro-me também de uma outra polêmica do Morro da Conceição do Padre Reginaldo. E envolvia ninguém menos que Robert McNamara, o ex-poderoso Secretário de Defesa dos Estados Unidos (entre 1961 e 1968). Já como Presidente do Banco Mundial (cargo que ocupou de 1968 a 1981), ele esteve em visita ao Recife. Mas deu tudo errado quando foi visitar o Morro.  Se não me falha a memória, as vias de acesso foram fechadas para impedir a passagem do representante do “imperialismo” e do “capitalismo selvagem” americanos.

Reginaldo Veloso não sofreu só perseguições por parte dos generais generais. Após a morte do Dom da Paz, a arquidiocese de Olinda e Recife passa a ser dirigida pelo conservador Dom José Cardoso Sobrinho, que desmantela toda a rede do bem criada pelo Dom, e persegue todos os padres progressistas. Veloso foi um deles. A população do Morro rebelou-se e montou até barricadas para evitar a posse do sucessor de Padre Reginaldo. Não teve jeito. Veloso foi afastado, desgostou-se com o novo comando da Igreja em Pernambuco e deixou as atividades sacerdotais. Casou-se e constituiu família. Mas jamais afastou-se dos seus deveres de cidadão cristão e nunca deixou de lutar pela sua fé nem pelas suas convicções políticas e sociais.

Leia também
Quase santo, Dom Hélder ganha livro escrito pelo último padre que ele ordenou
No Brasil de Moise e Durval, a falta que faz o Dom da Paz
Memória: Período militar, quando as armas viraram oferendas no altar
Quase santo, Dom Helder Camara ganha livro
Dom da Paz cada vez mais perto de virar Santo
Dom  da Paz pode virar santo. Cepe imprime documentos para o Vaticano
Dom da Paz, Encruzilhada e São José
Olha!  Recife: roteiro sobre Dom da Paz
“Ditadura nunca mais” 
Público tem aceso a 132 mil documentos
Memória e censura: Quando a palavra camponês era proibida nas redações
Trilhas da democracia: Intimidação e mordaça nas universidades
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Falsa impressão que arma é solução
No Recife: Ninguém aguenta mais, fora Bolsonaro e seus generais
“Ditadura nunca mais” 
Público tem aceso a 132 mil documentos
Memória e censura: Quando a palavra camponês era proibida nas redações
Trilhas da democracia: Intimidação e mordaça nas universidades
UFPE divulga nota mas não explica autocensura a vídeo sobre pandemia
Manifesto contra censura da Ufpe a vídeo sobre pandemia e negacionismo
Censura a nome de Bolsonaro provoca exoneração de diretor na Ufpe
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil

A história de 1968 pela fotografia
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Unicap/ Internet e Letícia Lins

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.