O “fantástico” Maracatu A Cabra Alada

 O “fantástico” Maracatu A Cabra Alada

Compartilhe nas redes sociais…

Se há um espetáculo bonito, no carnaval do Recife, é o tal do maracatu, com contagiantes batuques que ecoam das alfaias, caixas, gonguês. Refiro-me ao maracatu de baque virado, ou maracatu nação, aquele inspirado nos costumes dos nossos ancestrais africanos que, escravizados, transformaram a “coroação” dos reis e rainhas do Congo em um sonho de liberdade.  E que guardam, também, devoção aos orixás. Com o passar dos tempos, alguns foram se criando mais sofisticados, como é o caso do Nação Pernambuco. Outros apareceram  estilizados. Longe, portanto, do cunho religioso que marcam os maracatus tradicionais, mas nem por isso deixando de preservar as manifestações culturais de Pernambuco.

No caso do Maracatu Fantástico A Cabra Alada, o nome já está dizendo: “fantástico”. Isso porque ao invés de ter a origem na senzala ou nos terreiros, o Cabra Alada começou em 1995, reunindo um grupo de profissionais liberais e integrantes e ex-integrantes do Nação Pernambuco.  Neste, o cortejo segue o modelo tradicional, com estandarte, rei, rainha, vassalos, baianas, calunga (figura mítica). No caso do Cabra Alada, a diferença fica por conta dos “orixás” transportados pelos integrantes do grupo, que são representados  por bonecos do tamanho do calunga conduzido no maracatu tradicional. O Cabra Alada tem, também, personagens que foram incorporados ao cortejo, como Nossa Senhora do Rosário, Bispo, Ventania, Cabra e Feiticeiro, que têm tudo a ver com a “lenda” que norteia a criação do grupo.

O Maracatu Fantástico Cabra Alada possui 130 integrantes e é um dos mais bonitos do nosso carnaval

Na verdade, o Cabra Alada surgiu durante a comemoração de aniversário do seu criador, o artista plástico João Neto, um dos fundadores do Nação Pernambuco, do qual nunca se desligou totalmente. Ele queria criar um grupo, para sair na quarta-feira de cinzas. Deu no que deu. “Temos tudo que um maracatu tradicional possui, inclusive os mesmos instrumentos”, afirma o artista. Mas para “fundamentar” o surgimento do maracatu, foi criada, claro, uma história que tinha que ser…. fan-tás-ti-ca. E ela é assim: era uma vez um bispo que tinha um papagaio que voava sobre as torres das igrejas de Olinda. Mas uma ventania o afastou para o Sertão, onde ele chegou com as asas quebradas. Na caatinga, fez amizade com uma cabra que ouvia, encantada, as histórias do carnaval de Olinda. Fascinada pela festa, a cabra teve uma ideia. Pediu ao feiticeiro que lhe desse asas para conduzir o papagaio de volta. Como o feiticeiro tinha uma dívida com a cabra, atendeu de imediato. Ela teria lhe dado leite, em um momento em que ele estava muito doente.

Atualmente, o Cabra Alada faz a festa dos foliões do Recife e de Olinda, com seu cortejo de 130 integrantes. Possui os mesmos instrumentos do maracatu tradicional, embora – claro – não mantenha obrigações religiosas como os maracatus mais ortodoxos do tipo nação (ou de baque virado). O nome cabra alada veio das cabras que o artista contemplava na fazenda da família, em Timbaúba (Zona da Mata de Pernambuco) e também de  registros mitológicos, como o touro alado, da antiga civilização da Mesopotâmia. “De repente, surgiu o nome cabra alada”, lembra ele. O grupo já fez apresentações fora de Pernambuco, porém não consegue atender a todas solicitações. “Muita gente trabalha e não dá para compatibilizar os compromissos profissionais com o do Cabra Alada”, diz o fundador. Mas no carnaval, felizmente, todo mundo está livre. E o maracatu é festa.  Anote: no Recife, ele sai no domingo (23) e na terça (25). A concentração é a partir das 15h na Rua da Guia.

Veja o vídeo do Maracatu Fantástico Cabra Alada,enviado pelo leitor Denaldo Coelho:

 

Leia também:
O fuzuê do carnaval da Bahia e o Bora Pernambucar no Recife
A festa do trio de bonecos gigantes
MeninXs na Rua: Caminhada do Frevo
Os antigos carnavais em fotos
Escuta Levino sai quinta sem os Guerreiros do Passo
É de perder os sapatos no Recife
Centenário Bloco das Flores ganha expô
Caminhada Carnavalesca dos MeninXs
Bora Pernambucar chega ao fim com encontro de bonecos gigantes
Rei e Rainha de Momo sobem o Morro
Zé Pereira festeja cem anos no Recife
A Zé Pereira, com festa e com afeto
À espera de Zé Pereira no Recife
Arcoverde provou que é multicultural
Caretas, tabaqueiros e caiporas
As viagens do Homem da Meia Noite
Paço do Frevo e Homem da Meia Noite animam o Bairro do Recife
Homem da Meia Noite sobe o Morro
Entre o sagrado e o profano, Homem da Meia Noite sobe o Morro
Homem da Meia Noite merece respeito
“O carnaval melhor do meu Brasil”
Dica para as foliãs: como fazer xixi em pé
Carnaval: Recife ou Olinda?
Teatro Santa Isabel abre para o frevo
Samba na Bomba do Hemetério
 
Nostalgia no Pátio de São Pedro
À espera de Zé Pereira
Homem da Meia Noite sobe o Morro
Entre o sagrado e o profano, Homem da Meia Noite sobe o Morro
Prata da casa decora o Recife em 2019
Recife: Igreja, santo, orixá e carnaval

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos e video: Denaldo Coelho / Grupo Preservar Pernambuco / Cortesia

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.