Dia da Caatinga, há o que comemorar? Pernambuco está entre os estados que mais devastam o bioma

 Dia da Caatinga, há o que comemorar? Pernambuco está entre os estados que mais devastam o bioma

Compartilhe nas redes sociais…

No dia Nacional da Caatinga, neste 28 de abril, o Brasil tem o que comemorar? É bom lembrar, está difícil, a situação da Caatinga, o único dos seis biomas brasileiros que é exclusivo do nosso país. Números divulgados pelo MapBiomas Alerta mostra que o desmatamento avança no nosso Semi-Árido. E que a devastação cresceu 70 por cento em apenas um ano, entre 2020 (68.304 hectares desmatados) e 2021 (115.894 hectares de vegetação suprimida). Do total destruído, 80,7% foram desmatados em apenas quatro dos nove estados do bioma: Bahia, Ceará, Piauí e … Pernambuco.

No nosso estado, aliás, os os municípios líderes em desmatamento são Dormentes, Petrolina, Custódia, Exu, Serra Talhada. Juntos, eles respondem por 27,9% do total (3.948 hectares de um total de 14.149 hectares). Já os com maior número de alertas identificados são: Dormentes e Petrolina (Sertão do São Francisco), Serra Talhada (Pajeú), São José do Belmonte (região de Salgueiro), Custódia (Moxotó). Os dados fazem parte de um levantamento que o MapBiomas apresentará em webinar com o WRI Brasil nessa sexta-feira, Dia Nacional da Caatinga. O objetivo é destacar as conexões entre o uso da terra e o desenvolvimento sustentável da região.  O levantamento é derivado do Sistema de Alertas de Desmatamento – SAD Caatinga, parte integrante do MapBiomas Alerta, feito a partir de imagens de satélite.

A vegetação da caatinga é rústica, mas tem grande poder de regeneração. Poucas chuvas devolvem a sua exuberância

“Além da concentração do desmatamento em quatro dos nove estados do bioma, é possível constatar que, em todos eles, a maior parte do desmatamento se dá em poucos municípios. No caso de Sergipe, Minas Gerais e Piauí e, por exemplo, cinco municípios responderam por 65,7%, 43,3% e 37,1% da área desmatada nesses estados, respectivamente”, explica Washington Rocha, coordenador do mapeamento da Caatinga do MapBiomas. “Esses dados certamente podem ajudar os governos a fiscalizar a legalidade dessa supressão de vegetação natural”, completa. “O bioma Caatinga é um dos mais vulneráveis às mudanças climáticas no Brasil, e o avanço da degradação nesse ecossistema preocupa”, ressalta Jeferson Ferreira-Ferreira, Coordenador de Ciência de Dados do WRI Brasil. “Porém há uma enorme oportunidade de desenvolvimento sustentável na reversão desse quadro. Nossa experiência mostra que é possível restaurar a vegetação nativa e, ao mesmo tempo, garantir a geração de renda para as famílias envolvidas”, ressalta.

A caatinga, aliás, tem uma curiosidade. É que se a vegetação fica de cor ocre e seca durante as estiagens prolongadas, basta uma pequena chuva para que ela se regenere, inclusive com a volta de muitas flores. Há espécies, no entanto, como o juazeiro e o umbuzeiro, que permanecem verdes mesmo durante as secas. Em termos de área, foram desmatados 115.894 hectares em 2021, o que representa um aumento de 70% em área desmatada em comparação com 2020. A área desmatada na Bahia (46.811 hectares), Ceará (20.584 hectares), Pernambuco (14.149 hectares) e Piauí (12.023 hectares), totalizou 93.568 hectares, correspondendo a 80,7% da área desmatada em 2021.

Conhecido como o “refrigério do Sertão”, o umbuzeiro se mantém verde mesmo nos períodos de seca.

A agricultura aparece como o principal vetor de desmatamento, tanto quanto ao número de alertas (73%, ou 7.716 dos alertas identificados em 2021) quanto à área desmatada (74%, ou 85.762 hectares do total desmatado em 2021).Também aumentou o número de municípios que apresentaram ao menos um alerta de desmatamento identificado: eles passaram de 712, em 2020, para 938 em 2021, número que equivale a 77,6% de todos os municípios da Caatinga. Os municípios que concentram as maiores áreas de Caatinga desmatadas são Jeremoabo (BA), com 3.708 hectares; Parnaguá (PI), com 3.147 hectares; Wanderley (BA), com 2.586 hectares; Santa Rita de Cássia (BA), com 2.394 hectares; e Santana (BA), com 2.068 hectares.

Em Pernambuco, Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) celebrou o Dia Nacional da Caatinga com diversas atividades no Sertão pernambucano, incluindo a a soltura de aproximadamente 300 animais silvestres, dos quais, 45 foram papagaios-verdadeiros (Amazona aestiva).  E também a realização de duas etapas da operação Voo Livre, uma no entorno do Parque Estadual Mata da Pimenteira (no município de Serra Talhada) e outra na unidade de conservação Refúgio de Vida Silvestre (RVS) da Serra do Giz (em Afogados da Ingazeira). Nas ações, 130 aves silvestres que estavam em cativeiro ilegal foram apreendidas. E houve uma entrega de um macaco prego.

A equipe de fiscalização também emitiu 32 autos de infração e a aplicação de R$ 17,1 mil em multas por crimes ambientais.

Leia também
Unesco: Reserva Natural Serra das Almas éposto avançado da Reserva da Biosfera da Caatinga
Vamos deixar a Caatinga em pé?
Caatinga pega fogo e plantio de árvores nativas começa com ajuda da iniciativa privada
Povo e aceiros contra o fogo
Caatinga tem cooperativa de crédito de carbono
Casal cria duas reservas particulares de patrimônio cultural na Caatinga
Esforço pela preservação da caatinga e pelo sequestro de carbono no Sertão
Ação para recuperar nascentes na biodiversa Cordilheira do Espinhaço
O drama do  São Francisco e da caatinga
O combate à desertificação e a Amazoninha do Sertão
Como neutralizar as mudanças climáticas
Em nome de São Francisco e do Sertão
Árvores viram carvão no Sertão
Flora do Sertão sofre ameaça

Represa cheia vira “praia” no Sertão
Aceiros e povo contra o fogo no Sertão
Salvem os ipês, por favor
MapBiomas confirma alerta feito há meio século: “O Rio São Francisco está secando”
Mudanças climáticas: Sertão sem água e caatinga cada vez mais seca
Velho Chico recebe 40 mil peixinhos
De olho no Sertão do São Francisco
Desmatamento no Sertão do Araripe
Empresa de energia solar (Insole) paga conta por uma boa ideia
Reforço para pequeno produtor
Ministro manda oceanógrafo para caatinga. E o Sertão já virou mar?
Crise hídrica: ” tenho sede” e “esta sede pode me matar”, adverte Gilberto Gil
Cisternas mudam a vida dos sertanejos
FPI: A despedida da vida no lixão
FPI resgata animais em risco no Sertão
A Serra da Canoa na caatinga
Gatinho órfão, onça puma volta saudável para a caatinga
Falta d´água é entrave ao crescimento
No Sertão, palhada da cana alimenta o gado de 51 mil criadores
Degradado, Sertão vai ganhar ação de reflorestamento em 2021
Caatinga ganha 321 mil árvores nativas 
O Rio São Francisco está secando
Ventos que transformam no Agreste
Prêmio para quintais agroecológicos
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
Umbuzeiro é o refrigério do Sertão

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos:  Genival Paparazzi / G.F.V Paparazzi / ZAP (81)995218132)/ gfvpaparazzi@gmail.com e Lídio Parente / Acervo #OxeRecife

Posts Relacionados

2 Comments

  • Lastimável esse estado de coisas Letícia! A gente se orgulha tanto de ter esse bioma em nossa região e destruímos! Que bom que você está sempre fazendo esses alertas Letícia!! ????????????

  • Lastimável esse estado de coisas Letícia! A gente se orgulha tanto de ter esse bioma em nossa região e destruímos! Que bom que você está sempre fazendo esses alertas Letícia!! ????????????

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.