No Dia da Caatinga: Emergência para 55 municípios pernambucanos

Em situação de emergência por força de  decreto estadual desde o mês de março, 55 municípios do Agreste – zona de transição entre o Sertão e a Zona da Mata – tiveram a situação ratificada hoje pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), devido à estiagem que já atinge até municípios turísticos como Gravatá e Taquaritinga do Norte. E também cidades de grande movimentação comercial, como é o caso de Santa Cruz do Capibaribe.

Grande parte deles já vem de outro período com baixa ou nenhuma pluviosidade no segundo semestre de 2020, segundo o MDR. A portaria de reconhecimento foi publicada nesta quarta (28) no Diário Oficial da União (DOU). De acordo com as informações prestadas pela Coordenação Estadual de Proteção e Defesa Civil, a escassez de recursos hídricos das áreas afetadas atinge mais de 20% da população, causando danos à agricultura e à pecuária. “Após a publicação do reconhecimento federal, os municípios podem solicitar recursos para restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de infraestrutura danificada pelos desastres”, informa nota do MDR.

Na verdade obras de infrasestrutura são destruídas por fenômenos como enchentes. O que a seca destrói é a agricultura, principalmente a de subsistência, tão importante para o homem da caatinga que, em anos de bom inverno, armazenam milho, feijão e farinha para matar a fome nos períodos de estiagem. “Com base nas informações enviadas por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres Naturais (S2iD), a equipe técnica da Defesa Civil nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada Portaria no DOU com a especificação do valor a ser liberado”. Então, prefeitos e governo estadual precisam correr, para ter acesso a verbas que possam mitigar os efeitos da seca.

Leia  também:
Energia a partir do vento e água para quem tem sede no Agreste
Ventos que transformam no Agreste
A história de Daniel: esforço, persistência, superação e injustiça
Longe dos ataques verbais de Brasília, Nordeste e Amazônia se entendem
No Dia da Caatinga, nada como conhecer o Sertão de Pernambuco
Caatinga, bioma único comemora oito anos de estação ecológica no Sertão
Visão mundial e educação ambiental
O oásis do Agreste
Agreste contra o óleo:”O mar nos une”
Cidadania com vez e voz no Agreste
Pobres pássaros cativos do Agreste
Pernambuco ganha unidades de conservação que beneficiam o Capibaribe
Pernambuco ganha três unidades de conservação no Agreste
Três unidades de conservação têm animais ameaçados de extinção
Tilápias podem prejudicar o Velho Chico
Operação gigante mobiliza Sertão
Formigueiro e ninho do joão-de-barro à prova de chuva
Brejo da Madre Deus é tombado

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Ednaldo Oliveira / Adel / Acervo #OxeRecife 

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.