Natureza: Limpa-folha-do-buriti é visto pela primeira vez na Caatinga

Nesses tempos de tantas tragédias provocadas pelas mudanças climáticas, uma boa surpresa da natureza. É que um pássaro conhecido como limpa-folha-do-buriti  foi registrado no Planalto da Ibiapaba, na divisa entre os estados do Ceará e do Piauí. É a primeira vez que a espécie “Berlepschia rikeri”, é observada na caatinga, o único bioma exclusivamente brasileiro.

O pássaro foi avistado por quatro observadores de aves, parceiros da Associação Caatinga, André Adeodato, Jéssica Carvalho, Liduina Gomes e Manoel Augusto. Eles acham que  descoberta que pode ter implicações significativas para a conservação das áreas pouco protegidas da Caatinga. Manoel Augusto compartilha detalhes sobre a experiência: “Estávamos em um sítio na parte alta de Reriutaba, quase no limite com Guaraciaba, na Serra da Ibiapaba. Ao ouvir uma vocalização incomum entre os babaçuais, gravamos o som e suspeitamos que poderia ser o canto do limpa-folha-do-buriti. Com a ajuda de nossos colegas, confirmamos essa suspeita ao avistá-lo, para nossa grande felicidade”.

 A caatinga é a floresta mais biodiversa em regiões semiáridas do Planeta. Vamos preservá-la?

O “Berlepschia rikeri”, é a única espécie do gênero. Seu tamanho médio é de 18 a 22 centímetros de comprimento, tem a cabeça, o pescoço e as partes inferiores estriadas de negro e branco. Já as costas e a cauda são vivamente castanhas. Alimenta-se de insetos que cata das palhas das palmeiras de forma acrobática e também da polpa do buriti, fruto do buritizeiro. A ave ocorre nas Guianas, Venezuela, Equador e no Baixo Amazonas. Também já foi vista no Cerrado.

“Essa descoberta do limpa-folha-do-buriti ressalta a importância do conhecimento e monitoramento das espécies da Caatinga, especialmente aquelas que ainda precisam de avaliações adequadas para a Lista Vermelha estadual de espécies ameaçadas”, comenta  Weber Girão. “ Nós da AC estamos empenhados em promover eventos desta natureza e continuar colocando a Reserva Natural Serra das Almas à disposição para visitação destes grupos”, diz Samuel Portela, coordenador de Conservação da Biodiversidade da Associação Caatinga. A AC foi fundada em 1998, com a missão de conservar a caatinga, bioma considerado como o de maior biodiversidade entre as regiões semiáridas do Planeta.

Abaixo, você confere mais informações sobre a Associação Caatinga, que atua em  defesa do bioma que é o único exclusivo do Brasil.

Leia também
Dia Mundial da Água: como fazê-la render na aridez da Caatinga
Associação Caatinga desenvolve ação para catadores de materiais no Sertão
Temática da Caatinga vira coleção fashion e renda para preservar o bioma
Associação Caatinga desenvolve ação para catadores do Sertão

Unesco: Reserva Natural da Serra das Almas é posto avançado da Reserva da Biosfera da Caatingaa
Caatinga tem saneamento rural
Associação Caatinga desenvolve ação para catadores de materiais recicláveis no Sertão
Esforço pela preservação da Caatinga e pelo sequestro de carbono
Carnaúba é árvore da vida para populações da caatinga de estados como Ceará e Piauí
Casal cria duas reservas particulares de preservação na Caatinga
Caatinga: bancos ofertam R$ 10 milhões para restaurar o terceiro bioma mais ameaçado no Brasil
Terceiro bioma mais ameaçado do Brasil, Caatinga tem 481 plantas e animais em extinção
Fique por dentro do edital de quase R$ 2 milhões para ajudar na preservação da caatinga
Água na Caatinga
Campanha tenho sede rende frutos
Crise hídrica: “Tenho sede e essa sede pode me matar”
Cisternas mudam a vida dos sertanejos
MapBiomas confirma alerta feito há meio século: “O Rio São Francisco está secando”
Velho Chico recebe 40 mil peixinhos
De olho no Sertão do São Francisco
Desmatamento no Sertão do Araripe
FPI: A despedida da vida no lixão
FPI resgata animais em risco no Sertão
A Serra da Canoa na caatinga
Gatinho órfão, onça puma volta saudável para a caatinga
Falta d´água é entrave ao crescimento
No Sertão, palhada da cana alimenta o gado de 51 mil criadores
Degradado, Sertão vai ganhar ação de reflorestamento em 2021
Caatinga ganha 321 mil árvores nativas 
O Rio São Francisco está secando
Ventos que transformam no Agreste
Prêmio para quintais agroecológicos
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Associação Caatinga / Acervo #OxeRecife /Divulgação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.