Mulheres viram atrizes ao levar peripécias da vida real para o palco após oficina terapêutica

 Mulheres viram atrizes ao levar peripécias da vida real para o palco após oficina terapêutica

Compartilhe nas redes sociais…

Mulheres, mulheres, mulheres…. Elas são tema e protagonistas da peça “Peripécias”, que será encenada nos dias 3 e 4 de novembro no Teatro Hermilo Borba Filho, às 20h e 19h, respectivamente. Em cena e em clima de comédia, cada atriz conta a história da outra como se fosse sua, lançando luz sobre os malabarismos e peraltices que precisaram fazer para existir e experimentara vida de mulher desde a infância.

A peça fala sobre as coisas que muitas vezes precisaram fazer em busca da oportunidade de vivenciar suas escolhas em uma sociedade na qual ainda há muito mais acolhimento à experimentação e a liberdade para machos do que para fêmeas. A peça é o novo espetáculo do projeto Teatro na Roda, montado a partir da Oficina de Teatro para Mulheres com Espaço Terapêutico. A A oficina foi ministrada pela atriz, diretora de teatro e psicóloga, Hilda Torres.

“Peripécias” é uma peça que resulta do segundo módulo da Oficina, que é dividida em três. Peripécias leva onze mulheres ao palco, muitas delas pela primeira vez. E elas para bradam –de forma divertida – que ao falar sobre mulheres, apesar de todos os desafios, nem tudo é sobre dor.  Ou mulher, como diz Caetano Veloso, cada um sabe o que “a dor e a delícia de ser o que é”. Ou melhor, de ser o que se quer.

As oficinas de teatro ministradas por Hilda congregam elementos e jogos teatrais fundamentados no teatro do oprimido, de Augusto Boal, e em processos terapêuticos, fazendo uso de ferramentas como a bioenergética e estudos sistêmicos. O Teatro da Roda foi dividido em três módulos, onde cerca de 400 mulheres já vivenciaram esse trabalho e dez peças foram montadas, com um elenco total de cerca de 150 atrizes.

Apesar dos números que poderiam indicar o sucesso do Teatro na Roda, a maior conquista dessa proposta diz respeito à formação de uma verdadeira rede de apoio e empatia entre as participantes, inclusive de turmas diferentes. Quando elas percebem que não estão sozinhas e que suas histórias são tão parecidas diante de uma estrutura social ainda tão machista, percebem também que juntas podem se fortalecer e enfrentar essa realidade.

Leia também
Peça sobre Soledad Barret, assassinada grávida pela ditadura, em temporada na Espanha
Mulheres: Desalinho, ensaio sobre mim movimenta o SESC Casa Amarela
Acervo Recordança mapeia profissionais de dança com algum tipo de deficiência
Grupo Totem faz noite de performances no Centro Luiz Freire
Artistas desafiam a segurança e fazem espetáculo noturno no Parque Treze de Maio
Sopro d´água: Que tal lembrar o dia da água assitindo um espetáculo de dança?
Coletiva Mãe Artista faz seminário sobre maternagem
Coletivo Lugar Comum transfere espetáculo “Segunda Pele” do palco para o mundo virtual
Coletivo Lugar Comum leva Cicatriz ao Teatro Hermilo Borba Filho
Artistas desafiam insegurança e fazem espetáculo noturno no Parque Treze de Maio

Sopro d’ Água: Que tal lembrar o Dia da Água assistindo a um espetáculo de dança?
Corpo Ritual: Grupo Totem comemora 35 anos abrindo inscrições para oficina gratuita
Mulheres  ganham ruas e palcos com Mostra Teatral Rosa dos Ventres
Corpo Onírico junta sonho e natureza
Acervo e memória da dança em Pernambuco
O resgate do corpo ancestral
Entranhas e estranhas marcas: Dança, fêmeas, cicatrizes
Oficina gratuita para mulheres sobre iluminação cênica e moveres do corpo
Mostra Obinrin-Kunhã exibe danças populares apens por mulheres
Corpo Onírico junta sonho e natureza
Acervo e memória da dança em Pernambuco
Entranhas e estranhas marcas: Dança, fêmeas, cicatrizes
Relacionamento abusivo vira espetáculo de dança “Eu Mulher”
Quando a dor do câncer vira dança 
………………..
Mostra de dança acaba com três espetáculos no Santa Isabel
Conceição em Nós: Dança retrata Morro
Capoeira vira patrimônio cultural e imaterial de Pernambuco
Mostra de dança tem DNA do frevo
Relacionamento abusivo vira espetáculo de dança “Eu Mulher”
Quando a dor do câncer vira dança
Dança sobre vida depois da morte
História de Brasília Teimosa vira dança
Entra apulso no palco: “Pode entrar”
Noite flamenca na terra do frevo
Quadrilhas ganham palcos
Chico Science redivivo
O homem de mola do Guerreiros do Passo
Renta Tarub: Dança e inclusão social
Jornada virtual, a dança da pandemia
Violetas da Aurora em movimento
Maracatu rural: as mulheres guerreiras
A única mestra de maracatu
Capiba, o gênio da música ganha espetáculo em sete ritmos
Cecília Brennand festeja mais um acerto do Aria Social com homenagem a Capiba
Capiba: Pelas ruas eu vou volta ao palco do Teatro Santa Isabel
Depois de arrebatar 75 prêmios, A Cor Púrpura faz temporada no Teatro do Parque
Local: Sesc Casa

Serviço
O quê: Peripécias
Onde: Teatro Hermilo Borba Filho
Endereço: Cais do Apolo
Quando e horário: 03/11 Hora: 20h;  e 04/11 Hora: 19h

Ingressos: R$ 30,00 (Inteira) e R$ 15,00 (meia) – Vendas através do Sympla e na bilheteria do teatro, uma hora antes de cada espetáculo.

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos:

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.