“Moda Preta Autoral em Conexão Astral” realiza desfile afro com modelos da periferia do Recife

Black is beautiful. Geralmente a indumentária afro tem estampas vibrantes e coloridas. Também são conhecidos os kaftans, as túnicas e os turbantes. E são cada vez mais frequentes os eventos fashion que abordam ou se inspiram na estética afro. O próximo nesse sentido é a segunda edição do Projeto Moda Preta Autoral em Conexão Astral, que levará à passarela  50 mulheres negras, de 17 aos 60 anos, todas residentes em áreas periféricas do Recife. E é a primeira  vez que elas participam de um desfile de moda afro autoral.

O desfile acontece a partir das 15h do próximo sábado (30/3), no Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo, Rua Passarela, nº 18-A, comunidade de Chão de Estrelas, Zona Norte do Recife. A entrada do público é grátis. O desfile faz parte do encerramento do projeto “Moda Preta Autoral em Conexão Ancestral”, que capacitou 50 mulheres, por meio de um conjunto de oficinas, gratuitas. Entre os aprendizados e habilidades desenvolvidas pelas participantes estão: confecção de vestido, kaftan, calça, blusa e turbante, entre outros acessórios.

Após oficinas sobre moda afro, mulheres da periferia do Recife participam de desfile como modelos

A realização da formação para as mulheres negras partiu da ideia do casal: Rodrigo Zarina e Jéssica Zarina. Eles são jovens negros, e empreendedores da periferia da capital pernambucana. E tomaram a iniciativa, depois da participação em intercâmbios culturais com países africanos, como África do Sul e Moçambique. “Poder proporcionar este projeto às mulheres da minha comunidade, é um grande passo que estamos dando para combater o racismo e garantir a autoestima feminina. Sei da necessidade que cada uma de nós temos, como mulheres negras, e que vivemos em meio a desigualdade racial”, diz Jessica. Estilista e coordenadora do Projeto, ela acrescenta:

 Sem dúvida, este projeto é uma realização de sonho para mim. Mas, para as participantes, é uma virada de página.  Vale ressaltar que esta ação tem cunho afirmativo, pedagógico e artístico, no qual, toda a comunidade tem a missão de manter vivo a cultura local e o patrimônio cultural, já que também realizamos esse projeto em parceria com o Maracatu Nação Estrela.

Para Rodrigo Zarina, um dos oficineiros do projeto, as aulas tiveram como proposta apresentar ao público participante a moda “sob um olhar descolonizado, afroreferrenciado e afrodiásporico”.  Ele explica:  “Com esta formação e vivência, buscamos ressaltar a importância do papel da moda na afirmação de identidades de pessoas negras na atualidade.  Temos o entendimento do lugar do corpo negro e de elementos da moda no corpo negro, no aspecto da afirmação de nossa própria permanência, resistência e enfrentamento político cotidiano.” Portanto, agende-se, para ver a garotada e “coroas” na passarela, exibido as próprias criações.

Leia também
Moda Preto Soul: Viva à negritude!
Eduardo Ferreira lança Coleção Alafia na abertura do Muafro
Erê Mukunã: a beleza da negritude
Museu da Abolição: acervo material africano ganha catálogo inédito
“A África que persiste em nós”

Oná Dúdu faz percurso para vivenciar os caminhos de nossa raiz afro: herança e sofrimento
Lugares de memória da escravidão e da cultura negra em Pernambuco em livro
Mês da Consciência Negra: Começa a Semana Afro Daruê Malungo
Companhia de Dança Daruê Malungo leva Agbara Obinrin ao Recife e Olinda
Terça Negra tem edição especial com cultura afro e manguebeat
Contra as práticas de branqueamento
Lia, a Rainha da Ciranda será homenageada em duas escolas de samba, em SP e RJ
Semana da Consciência Negra: Daruê Malungo movimenta o Recife e Olinda
Mês da Consciência Negra:  desfile, palestras, igualdade racial
Ervas sagradas ganham sementeiras
Bahia tem ritual de paz e respeito à liberdade religiosa
Baobás de Pernambuco são sacralizados na Bahia
Trio expert em baobá, a árvore da vida
A árvore do esquecimento
Cortejo religioso em Salvador
Pipoca é alimento sagrado?
Ojás contra o racismo religioso
Navio alemão acusado de racismo
Navio Negreiro no Barreto Júnior
A simbiose entre a Igreja Católica e os terreiros
Pai Ivo de Xambá vira Doutor Honoris Causa
A sabedoria ancestral da Griô Vó Cici
A herança afro na música brasileira
Sítio Trindade tem gastronomia afro
Festa para São João e Xangô
Católica bota Xangô na ordem do dia
Qual o mal que lhe fez Yemanjá?
Michele Collins entre a mobilização e a pressão dos terreiros
Preconceito religioso tem reparação
Inaldete Pinheiro ganha homenagem
Uana Mahim: Sou preta, negra e fera
Dia da Consciência Negra: Dicas de leitura
De Yaá a Penélope africana
Nação Xambá, 88 anos de residência 
Resgate histórico: Primeiro deputado negro do país era pernambucano
Na Várzea, jaqueira lembra escravizados e vira memória de história de amor
Árvore do esquecimento é lembrada
História da Cruz do Patrão
Casa duplamente histórica no Poço da Panela
Não perca a viagem ao passado com Debret
Turismo com consciência negra
O grito dos excluídos por independência verdadeira no século 19 e a esquecida Maria Felipa
Joana, a única mestra de Maracatu
Nego Henrique oferta oficina de percussão
Dia da Mulher Negra, Latino Americana e Caribenha
Expô sobre terreiros termina na terça
Alexandre: Juremeiro e mestre
Jurema sagrada vira exposição
Depois de arrebatar 75 prêmios, Cor Púrpura faz temporada no Teatro do Parque
Em pernambuco, negros e pardos são as maiores vítimas da violência
Conceição das Crioulas no Poço das Artes
Cozinhando história: Saberes, mitos e orixás na culinária afro-brasileira
História de Burkina-Faso com François
Dança para Iansã em Santo Amaro

Serviço:
O quê: Evento de moda afro autoral leva mulheres da periferia do Recife para passarelas
Quando: Sábado, dia 30
Onde: Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo, Rua Passarela, nº 18-A, comunidade de Chão de Estrelas, Zona Norte do Recife
Horário: 15h

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.