Pioneiro no Brasil, Memorial da Democracia mostra acervo de atrocidades cometidas pela ditadura

 Pioneiro no Brasil, Memorial da Democracia mostra acervo de atrocidades cometidas pela ditadura

Compartilhe nas redes sociais…

Quem vivenciou os anos de chumbo a partir de 1964 sabe o significado de uma ditadura. Conheceu de perto o pesadelo da inexistência do estado de direito, da tortura praticada nas masmorras da repressão, do “desaparecimento” de entes queridos. Tortura, aliás, que o Presidente Jair Bolsonaro diz “nunca ter existido”. Embora tenha prestado homenagem pública a um dos mais famosos adeptos daquela prática violenta e vergonhosa, como é o caso do famigerado Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (1932-2015), que foi chefe do Doi-Codi do II Exército, setor que ficou famoso como um dos mais atuantes centros de repressão política do país, e no qual a tortura era a regra.

Para evitar que atrocidades caiam no esquecimento, muitos fatos omitidos pela historiografia oficial estão, agora, reunidos em um só lugar, em iniciativa pioneira no Brasil. Conforme o #OxeRecife antecipou na semana passada, o casarão secular do Sítio da Trindade, em Casa Amarela, passa a abrigar o Memorial da Democracia de Pernambuco. O equipamento foi inaugurado na última quinta-feira, pelo Governo de Pernambuco e pela Prefeitura do Recife, e passa a funcionar como “um espaço de preservação da história da luta pela liberdade”.  O antigo chalé rosa – agora pintado de branco e vermelho – pertence ao município, porém o Prefeito João Campos (PSB) assinou termo de cessão ao Estado para abrigar os documentos por 30 anos. Entre fotografias, textos, depoimentos e outras informações, o Memorial abriga o acervo reunido pela Comissão da Memória e Verdade Dom Helder Câmara, que levantou e esclareceu crimes praticados pela ditadura, entre torturas e pessoas desaparecidas em Pernambuco. A CEMVDHC foi criada em 2012, pelo então Governador Eduardo Campos (1964-2014).

Memorial da Democracia traz nomes e fotos de vítimas da ditadura, entre eles Soledad Viedma Barret e Padre Henrique

O espaço dedicado à preservação da memória das lutas pela democracia conta com  salas com exposição onde o visitante poderá acessar versões digitais do relatório final da Comissão Estadual da Memória e Verdade Dom Helder Câmara (CEMVDHC).  Com mais de 800 páginas, e os mais de 70 mil documentos coletados, entre prontuários, certidões de óbito, entrevistas e depoimentos, o relatório constitui um prato cheio para os pesquisadores. O visitante vai ver fotos e nomes dos perseguidos, torturados e mortos pela ditadura. Ou que foram “desaparecidos”.

Está previsto ainda no equipamento uma biblioteca com títulos que convergem para a temática proposta pelo Memorial, sala para palestras, debates e para exibição de filmes. O conteúdo histórico do Memorial é distribuído em cinco salas do casarão. Dedicada à memória dos que combateram a ditadura militar, aos que foram mortos ou desapareceram durante o regime de exceção (1964-1985), a sala de número 5 é considerada o ponto alto do equipamento. Ali, podem ser vistas imagens de flagrantes de repressão, de manifestações de ruas e referências aos 51 mortos e desaparecidos políticos em Pernambuco ou de pernambucanos vítimas do regime militar fora do Estado.

Painel no Memorial da Democracia mostra nomes de personagens que lutaram e foram perseguidos pela ditadura

O Memorial da Democracia tem curadoria da socióloga Isa Grinspum Ferraz, também responsável pela curadoria do Museu Cais do Sertão (no Recife), e pela coordenação de conteúdos e roteiros do Museu da Língua Portuguesa (em São Paulo). Sobrinha do guerrilheiro Carlos Marighella, assassinado em 1969 por agentes do regime militar, Isa montou um roteiro para o Memorial da Democracia de Pernambuco em que o visitante conhece personagens importantes para a criação da ideia de um estado pernambucano, passando pelas lutas libertárias e contra a escravidão, a história e o propósito do Movimento de Cultura Popular (MPC) e enfrentamento ao regime de exceção implantado pelos militares em 1964. Ou seja, o percurso pelo Memorial conduz o visitante a uma “viagem” até o século 16. Diz ela:

“Esse é um memorial que é pioneiro no Brasil e que vem ocupar um lugar necessário no quadro educacional e político do país. O Brasil tem fraturas profundas que persistem desde o tempo da colonização e que tomaram diferentes formas e feições ao longo do tempo. O Memorial é uma afirmação de que é preciso olhar para nossa história reconhecendo nela os momentos dramáticos e aqueles luminosos. Os gestos de resistência e o desejo de uma construção de outra realidade para estarmos sempre atentos às ameaças à vida democrática e à liberdade que continuam a nos rondar”. 

Há, ainda referências históricas ao Sítio da Trindade como foco de resistência contra os holandeses, no século 17, assim como o fato de ter sido usado como sede do Movimento de Cultura Popular (MCP), que movimentava o Recife antes do golpe militar, e que tinha entre os seus expoentes o educador Paulo Freire, que seria banido pela ditadura. O MCP contava com adesão de artistas como Francisco Brennand, Abelardo da Hora, Ariano Suassuna. Porém todo o seu acervo foi destruído em 1964, quando o Sítio da Trindade – sede do MCP – foi invadido por tanques do Exército. Como também um resgate cultural, o projeto conta com réplica da escultura Torre Cinética e de Iluminação, de autoria de Abelardo da Hora, com oito metros de altura, a primeira grande escultura de grande porte feita no Brasil.

População estranha as novas cores do chalé do Sítio da Trindade: cadê os lambrequins da parte lateral do casarão?

Criado originalmente em 1961 e instalada na Praça da Torre, o monumento foi destruído em 1964 por censura artística, pelo Exército, por ter sido considerado subversivo e simbolizar a liberdade dos ventos. O local também conta com o Monumento que simboliza o processo de opressão e tortura, mas que também representa a luz e a esperança do espírito imortal é atemporal dos que lutam por liberdade, obra do escultor Jobson Figueiredo. ao Governo do Estado e à Prefeitura dar uma restaurada mais completa no casarão que abriga o Memorial da Democracia, que perdeu parte dos lambrequins que permanecem até hoje sem reposição. Já que é um Museu, vamos cuidar com mais carinho também da parte externa, na qual a nova pintura encobre detalhes bonitos da arquitetura do imóvel. O que é uma pena! Com entrada gratuita, o local é aberto para visitação de terça a domingo, das 10h às 18h.

Leia também
Ministério Público Federal levanta dúvidas sobre morte de Cabo Anselmo e faz diligências
Peça sobre Soledad Barrett, assassinada grávida pela ditadura, em temporada na Espnha
Chalé do Sítio da Trindade muda de cor e vai abrigar o Memorial da Verdade
Memórial da Democracia, Sítio Trindade reverencia Paulo Freire
Ministério Público não quer homenagem a militar da ditadura em prédio do Exército
Nazista bom é nazista morto chama atenção em muro do Exército
Ministério Público recomenda que não se comemore o 31 de Março nos quartéis
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Caminhadas Domingueiras: Percurso entre dois arraiais do século 17 que fizeram história

História: Krzysztof Arciszewiski, o rival polonês de Maurício de Nassau que dizia o que pensava
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Trindade, história, festa, verde e abandono
Olha! Recife extra no Sítio Trindade
Sessão Recife Nostalgia: Viagem do século 20 ao 17 com livro e expô inédita no Museu da Cidade do Recife

Historiador Marco Mondaini: As portas do inferno continuarão escancaradas
O Grito dos excluídos e excluídas
Live de Bolsonaro vira caso de justiça
Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Trilhas da democracia com o MST
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar
Desespero de Bolsonaro é retrato antecipado do candidato derrotado
Entre o messias, a besta fera e as marcas do passado
“A arte de se tornar ignorante”
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Dom da Paz pode virar santo. Cepe imprime documentos para o Vaticano
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em PernambucoTexto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins (Acervo #OxeRecife) e Edson Holanda/PCR

 

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.