Maria Bonita, companheira de Lampião, é tema de livro na Bienal: “Amor de Ferro e Flor”

 Maria Bonita, companheira de Lampião, é tema de livro na Bienal: “Amor de Ferro e Flor”

Compartilhe nas redes sociais…

Começou hoje a  14 ª Bienal  Internacional do Livro de Pernambuco. E, à véspera do Dia do Nordestino, comemorado em 8 de outubro, um lembrete para o lançamento do livro “Amor de Ferro e Flor”, em que a jornalista Wanessa Campos conta a vida de Maria Bonita, a companheira do mais célebre cangaceiro do Brasil, o lendário Lampião. O livro sai pela editoria Novoestilo, e tem ilustrações de Cavani Rosas.

O lançamento ocorre agora à tarde, no estande da Cultura Nordestina de Letras, que este ano marca presença na Bienal, não só com livros, mas também com artigos que remetem às tradições da Região.  Outra publicação que pode ser encontrada no estande é “Lampião e o Sertão do Pajeú”, do escritor Anildomá de Souza, um maiores especialistas no assunto e criador do grupo “Cabras de Lampião” e um dos responsáveis pela encenação anual de “Massacre em Angicos”, que ocorre ao ar live anualmente no município de Serra Talhada, onde nasceu Lampião.

Além de livros, a Cultura Nordestina, abriga mais uma edição da ExpoTear. A ExpoTear é um evento que acontece mensalmente na sede da instituição, que é reconhecida como ponto de cultura pelo Governo Federal. A ExpoTear é uma feira de economia criativa, onde há objetos de arte, artesanato, gastronomia e shows musicais. Na Bienal, no entanto, a prioridade é para acessórios e objetos que remetem à cultura sertaneja. No sábado (7/10), a cultura do Nordeste volta à cena. É que o escritor Paulo Wanderley ocupa a Plataforma de Lançamentos para relançar o livro interativo  “Luiz Gonzaga, 110 anos de nascimento”.  A partir das  18h.

Leia mais
Lampião, Maria Bonita, Antônio Conselheiro e Benjamim Abrahão redivivos no Sertão
Lampião e o cangaço fashion e social
Cangaço: Guerreiros do Sol, violência e banditismo no Nordeste do Brasil é relançado
Viagem ao xaxado, ao forró e ao cangaço
Esgotado, livro “Estrelas de Couro: a estética do cangaço” é relançado
Lampião, bandido, herói ou história?
No Sertão, na trilha de Lampião
Massacre de Angico em palco ao ar livre
Duas costureiras e dois maridos: um cangaceiro e um gay
História: Livro sobre Pau de Colher e a Guerra dos Caceteiros
Filme gratuito na Academia Pernambucana de Letra
Livro conta lendas do Sertão
Memórias afetivas, praia do Sertão, rendas de bilro e primeiro amor
“O Sertão virou mar”
O Sertão no Coração de Pedra de Carol
O bode dançarino do Sertão
É sempre tempo de reisado no Sertão
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Os misteriosos tabaqueiros do Sertão
Caretas, caiporas e tabaqueiros
O último rei perpétuo de Pernambuco
Cais do Sertão mostra arte de J.Borges Borges
Samico, o devorador de estrelas
Tributo a Altino Alagoano, que não era ele. Era ela: “O viulino do diabo”
Poço da Panela: Quarta edição da ExpoTear movimenta a livraria Cultura Nordestina
Pérola do Sertão, Theatro Cinema Guarany é tema de livro
Sobre a Bienal
Sessão Nostalgia: Nos tempos do icônico Bar Soparia
Escrita Criativa do Brasil vai movimentar Feira de Livros de Frankfurt e Bienal do Livro em PE

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Wellington Júnior / Acervo #OxeRecife (foto da peça Angicos)
Vídeo: Vanessa Campos / cortesia

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.