Maldade com os pássaros rende multa de R$ 453 mil, a maior do ano

Quanta maldade! E uma maldade imensa. Vejam só a foto. Pássaros – que deveriam viver no mundo voando – mas que estavam totalmente aprisionados, amontoados e comprimidos em espaços incompatíveis com os  seus tamanhos. Uma cena de dar pena. Mas não ficou assim não. Os responsáveis pelo transporte ilegal dessas aves, provavelmente para alimentar o tráfico, levaram uma multa total de R$ 453 mil. Foi a maior aplicada em 2020 devido ao tráfico de animais.  O valor foi arbitrado pela Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh) contra um homem e uma mulher, que foram flagrados com o carregamento ilegal de aves silvestres. Cada um vai ter que desembolsar R$ 226,5 mil, dinheiro que dá para comprar um apartamento. A aplicação de multa é boa forma de inibir o tráfico de animais silvestres. Que a iniciativa sirva de lição a todos que fazem da supressão à liberdade dos pássaros um negócio.

O valor, bem salgado, deve-se à grande quantidade de aves, ilegalmente aprisionadas e que seriam criminosamente comercializadas: 151. Os animais vinham de Arcoverde – Sertão de Pernambuco – para o município de Caruaru, no Agreste. O gerente da Unidade de Gestão de Fauna Silvestre da CPRH, Iran Vasconcelos, informou que  o casal foi enquadrado no artigo 29 da lei 9.605/98, de Crimes Ambientais, e que responderá administrativa e criminalmente pelo ato. Ele confirmou que foi a maior multa aplicada neste ano relativa a apreensão de pássaros. Os traficantes terão que desembolsar R$ 500 por ave confinada, mas o crime teve agravantes como transporte ilegal e maus tratos dos bichinhos. Sinceramente, acho é pouco. Tem mais é que multar esse povo mesmo, pois os pássaros desempenham grande papel na natureza. Os nomes dos dois envolvidos não foram divulgados.O órgão estadual de meio ambiente tomou conhecimento do caso após ser acionada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no último sábado (04).

O flagrante foi feito pela PRF, ao inspecionar veículos que passavam pela BR-232, no município de São Caetano, a 153 quilômetros do Recife. Além de identificar que o veículo estava irregular, os policiais encontraram os pássaros. Aí acionaram a Cprh. O casal transportava 100 galos-de-campina, 23 papa-capins, 12 tico-ticos, dez garibaldis, quatro patativas, um sabiá e um concriz. “Somente”. O concriz, como vocês podem ver na foto menor, não tinha nem como se mexer, na gaiola minúscula que lhe foi destinada. Um verdadeiro horror. Os policiais conduziram os infratores à delegacia de Belo Jardim, onde foram autuados. Já o veículo foi retido pela PRF, por estar irregular. Quando o proprietário regularizar a documentação, o veículo será encaminhado à CPRH, por ser instrumento do crime, e só será liberado após a avaliação da defesa administrativa. O órgão estadual de meio ambiente tomou conhecimento do caso após ser acionada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no último sábado (04).

“Os pássaros estavam aglomerados em pequenos espaços. Muitos deles estão visivelmente com a saúde comprometida, pelos maus-tratos sofridos. Podem nem sobreviver”, informa a Cprh. Chefe do Setor de Fiscalização de Fauna Silvestre da Cprh, Joice Brito fez um apelo à população: “Ajudem no combate do tráfico de animais silvestres. Não comprem animais que não sejam legalizados” Os pássaros estavam distribuídos em sete viajantes, que são estruturas de madeiras, com pequenas subdivisões. Eles foram levados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas Tangara) da Cprh, onde ficarão sob cuidados, até terem condições de retornar à natureza. A apreensão das 150 aves é o segundo flagra no tráfico de pássaros, em menos de uma semana.

Leia também:
Flagrante no tráfico de pássaros
Cipoma destrói rinhas de canários
Canários da terra apreendidos
Pobres pássaros cativos do Agreste
Pássaros silvestres apreendidos
Pássaros presos e multa de R$ 94,5 mil
Aves liberadas no Sertão
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Festival de Aves no Sul da Bahia
Abaixo as gaiolas: liberdade para as aves
Quase 6000 aves resgatadas em 2017
Aves cativas ganharão a liberdade
Pássaro na gaiola rende multa
O triste fim das arribaçãs na caatinga
Depois do tráfico, o repatriamento
Mais um bebê que cai do ninho 
O tempo bom do João-de-barro 
A Tim e o ninho tecnológico do carcará
Pássaros não merecem prisões
Salvo papagaio acuado por cachorros
“Dê cá o pé, meu louro”
Papagaio cativo: multa chega a R$ 5 mil
PM evita venda de papagaio bebê
Policial militar devolve papagaio
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Papagaio passa 25 anos na gaiola
Temendo gavião, aposentada entrega papagaio de estimação
352 papagaios voltam à vida selvagem
Projeto Papagaio da Caatinga ganha reconhecimento internacional

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cprh / Divulgação

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.