Logomarca do Governo Lula é leve, colorida, democrática e dá o recado de paz no meio do ódio

Sinceramente, gostei demais desta que poderá ser a logomarca do governo que se inicia em 1 de janeiro de 2023. E gostei mais ainda das duas palavras que, pelo que se vê, remetem à necessidades mais próximas do Brasil: União e reconstrução. União sim, porque, a campanha eleitoral deixou a nossa Nação dividida, e mergulhada em um maniqueísmo só visto no país durante a época da ditadura militar. Nos anos 1970, enquanto os inimigos do regime era torturados nas masmorras do regime, a política era dominada pelo bipartidarismo: a Arena (que defendia o governo militar) e o MDB (que defendia o restabelecimento do estado de direito).

Slogan de Hitler coloca a Pátria acima de tudo, e é praticamente o que foi usado por Bolsonaro ao longo de quatro anos

E enquanto naqueles tempos de obscurantismo, a população ia às ruas lutar por democracia, anistia, direitos humanos e diretas já, em 2022 há uma  horda de golpistas acampados na frente dos quartéis, contestando o resultado das urnas e pedindo “intervenção militar”, contra uma democracia que, sabemos nós, foi conquistada a duras penas. E o que é mais grave: a extrema direita, que construiu seus arsenais no governo Jair Bolsonaro, via CAC (colecionador, atirador e caçador), já não se limita aos plantões “patrióticos”, partindo para atos de terror que por muito pouco não foram totalmente consumados.

Também é interessante o uso da palavra “reconstrução”, porque todos nós sabemos que vai ser preciso juntar os cacos do que sobrou da gestão mais desastrosa que o país já teve: desmonte da rede de proteção social, dos mecanismos de defesa do meio ambiente, rombos nas contas públicas, fortalecimento de milícias, e desmantelamento nas áreas de educação, saúde e cultura.  Pior: total desrespeito às instituições republicanas. Além disso, a eventual logomarca do próximo governo é colorida, alto astral, e usa as cores que são símbolos do Brasil – verde, azul, amarelo – sem aqueles apelos invocados pelo ex-capitão, claramente inspirados nos slogans utilizados pelo nazismo.

A extrema direita se apropria dos símbolos da Pátria, para criar nacionalismo exacerbado e messiânico

Já tem gente se queixando que também tem vermelho na logomarca. E daí? O Brasil é um país plural, não só verde, azul e amarelo, cores dos símbolos da Pátria que foram apropriados para uso eleitoreiro no governo que se encerra. O Brasil também é vermelho e branco. O branco, aliás, é a cor de fundo da logomarca. E, como todos nós sabemos, o branco é a cor da paz, da qual tanto precisamos, depois de quatro anos com o país sendo dirigido por um líder que só sabe cuspir fogo, fomentar crises e que mantém um chamado Gabinete do Ódio, para semear a discórdia. Portanto, vamos aguardar que paz, união e reconstrução sejam mesmo as marcas do governo que se inicia em 1 de janeiro de 2023.  É como diz um comentarista de TV. “Pior do que um governo com falhas, é um governo insano”, como este que se encerra.

Em tempo: Finalmente, Lula decidiu dar um Ministério a Simone Tebet (PMDB). Ela vai para o Planejamento. Não é exatamente o que a estrela em ascensão na última eleição queria. Ela almejava mesmo era o Ministério do Desenvolvimento  Social, onde, com certeza, ganharia maior projeção do que a tolerada pelas lideranças do PT. Mas política… vocês sabem como é, tem fera roendo por tudo de quanto é lado. Sempre…..

Nos links abaixo, você confere informações sobre a extrema direita, sobre o  nazismo e sobre o governo que se encerra.

Leia também
“Deutschland uber alles”: Slogan de Hitler parece com “Brasil acima de tudo”
Grupos de extrema direita invadem sede do centro de treinamento do MST
Dossiê sobre torturas da ditadura em processo de tombamento
Ministério Público levanta dúvidas sobre morte de Cabo Anselmo e faz diligências
O troféu de Pinóquio é de quem?
Campanha eleitoral: falta de propostas, desrespeito ao estado laico, sordidez, pedofilia
Dia do Nordestino: #nordestecomlula contra o fascismo tropical
Mais um petista morto por um bolsonarista
Um bufão no poder: Livro analisa negacionismo, catastrofrismo e messianismo em Bolsonaro
No Recife, o grito dos excluídos: “Queremos nosso país de volta”
Entardecer  patriótico: Festa impecável  para comemorar o Bicentenário

Deutschland uber alles: Slogan de Hitler parece com Brasil cima de tudo
Bloqueio de rodovias: possível atuaão de organizações criminosas na mira do Ministério Público
Bloqueios políticos nas rodovias: caminhoneiros, arruaceiros,paus mandados ou capitólio brasileiro
Mais violência: Roberto Jefferson recebe equipe da PF a bala
Bolsonaro repete machismo e misoginia
Homenagem de Bolsonaro a ele mesmo: autopromoção indevida e arrogante
Eleições: Não é difícil prever o que vem por aí
Ditadura e tortura pertencem ao passado
Carta em defesa da democracia será lida na Faculdade de Direito
Notícia falsa sobre descobrimento é retirada do ar
Velório: Índios prestam comovente homenagem
Tragédia na Amazônia: Bruno Pereira e Dom Presentes
Thiago Lucas: Morte e vida Severina e a geografia da fome no Brasil 2022
Historiador Marco Mondaini: As portas do inferno continuarão escancaradas
O Grito dos excluídos e excluídas
Finalmente o que faz Bolsonaro em Pernambuco?
Bolsonaro e a derrota do voto de cabresto
Ministério Público não quer homenagem a militar da ditadura em prédio do Exército
Nazista bom é nazista morto chama atenção em muro do Exército
Ministério Público recomenda que não se comemore o 31 de Março nos quartéis
Live de Bolsonaro vira caso de justiça
Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Trilhas da democracia com o MST
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar
Desespero de Bolsonaro é retrato antecipado do candidato derrotado
Entre o messias, a besta fera e as marcas do passado
“A arte de se tornar ignorante”
Trilhas da Democracia discute autoritarismo no Brasil e censura na Ufpe
Trilhas da democracia: Intimidação e mordaça nas universidades
UFPE divulga nota mas não explica autocensura a vídeo sobre pandemia
Manifesto contra censura da Ufpe a vídeo sobre pandemia e negacionismo
Censura a nome de Bolsonaro provoca exoneração de diretor na Ufpe
Memória: Período militar, quando as armas viraram oferendas no altar
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Violência policial derruba Secretário de Defesa Social e comandante da PM
Afinal, quem mandou a Polícia Militar disparar balas de borracha?
Violência policial é elogiada por coronel da PM. Vítima protesta
Pernambuco é hoje o grande vexame político nacional
Manifestação contra Bolsonaro. Agressão da PM foi insubordinação?
Dom da Paz pode virar santo. Cepe imprime documentos para o Vaticano
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown
Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
A história de 1968 pela fotografia
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai
Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco
Bolsonaro repete machismo e misoginia
Homenagem de Bolsonaro a ele mesmo: autopromoção indevida e arrogante
Eleições: Não é difícil prever o que vem por aí
Ditadura e tortura pertencem ao passado
Carta em defesa da democracia será lida na Faculdade de Direito
Notícia falsa sobre descobrimento é retirada do ar
Velório: Índios prestam comovente homenagem
Tragédia na Amazônia: Bruno Pereira e Dom Presentes
Thiago Lucas: Morte e vida Severina e a geografia da fome no Brasil 2022
Historiador Marco Mondaini: As portas do inferno continuarão escancaradas
O Grito dos excluídos e excluídas
Finalmente o que faz Bolsonaro em Pernambuco?
Bolsonaro e a derrota do voto de cabresto

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Alepe /

 

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Redes sociais

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.