Livro mostra “Passageiros da tempestade: fascistas e negacionistas nos tempos presentes”

A ascensão da direita e de práticas fascistas em países de vários continentes tem gerado uma série de estudos, livros, publicações, trabalhos acadêmicos. Na semana passada, os professores Yvana Fechine e Paolo Demuru lançaram o livro Um bufão no poder, (Editora Confraria dos Ventos, RJ), no qual mostram o que está por trás do resultado de eleições como as que aconteceram no Brasil (com Jair Bolsonaro) e nos Estados Unidos (com Donald Trump). Agora surge outra obra que analisa o fenômeno do avanço da direita em diversos países, como a Itália e o Brasil.

Vejam só o novo título sobre o assunto a chegar ao mercado:  Passageiros da tempestade: fascistas e negacionistas no tempo presente (Companhia Editora de Pernambuco – Cepe, PE)Muito oportuno, não é mesmo? Na publicação, os historiadores e professores Francisco Carlos Teixeira da Silva e Karl Schurster apontam que sim, nós podemos estar diante da volta do fascismo. Com onze capítulos, Passageiros da tempestade faz uma análise não apenas histórica e política dos fascismos, mas também sob a ótica de elementos da filosofia e da psicanálise. “Muitas vezes acreditamos que o mal enterrado em 1945 não teria condições de ressurgir como um fantasma para assombrar o nosso mundo e temeu-se chamar o fantasma do passado pelo seu exato nome: fascismo”, afirma Francisco Teixeira. Na obra, os autores analisam o ressurgimento da experiência dos fascismos. Sim, assim mesmo, no plural. “Tal qual no passado, os fascismos são múltiplos, possuem seu próprio discurso e espaço de legitimação, mas se encontram dentro de alguns aspectos generalizantes”, pontuam.

Karl Shusrter Souza Leão mostra as várias faces do fascismo que volta a assombrar o mundo

Se para o regime de Hitler, o racismo se deu em relação aos judeus, os autores entendem que “o outro”  muda segundo os movimentos, partidos e regimes. “No fascismo ou no fundamentalismo, não há espaço para o Outro mesmo o Outro hierarquizado e subordinado, tampouco para sua educação e conversão num homem novo”, afirmam os autores. Daí, a inexistência do espaço para a compaixão e o emprego da violência extrema contra judeus e ciganos no passado. E agora, no caso do Brasil, contra as mulheres, negros, índios e homossexuais.

A obra é prefaciada por Stefan Rinke, professor no Instituto de Estudos Latinoamericanos e no Instituto Friedrich Meinecke da Universidade Livre de Berlim (Alemanha), e com apresentação de Xoán Manuel Garrido Vilariño, professor da Universidade de Vigo (Espanha). “Este não é um livro a mais sobre o fascismo, a Segunda Guerra Mundial ou o Holocausto, mas uma análise completa sobre a recepção memorialística destes acontecimentos nos espaços dos cinco continentes que discute os debates gerados e coloca em cima da mesa os debates ocultados, porque, nas palavras dos autores, ‘não dizer o sabido e perpetuar o não dito possui uma função social’”, afirma Xóan Manuel.

Francisco Carlos Teixeira aponta as vários e diferentes formas de fascismos em vários continentes no século 21.

Os pesquisadores apontam o militarismo, o imperialismo, o racismo e a supressão de direitos como características básicas daqueles regimes e destacam a importância da linguagem para o fortalecimento dos partidos, movimentos e regimes fascistas.  “O fascista não nasce fascista, ele se constrói a partir da linguagem”, frisam, acrescentando que a linguagem é peça central na batalha que ele trava no espaço público em “busca normalizar o mal para estabelecer a ubiquidade fascista”. Se para o regime de Hitler, o racismo se deu em relação aos judeus, os autores entendem que “o outro”  muda segundo os movimentos, partidos e regimes.

“No fascismo ou no fundamentalismo, não há espaço para o Outro mesmo o Outro hierarquizado e subordinado, tampouco para sua educação e conversão num homem novo”, afirmam os autores.  O livro custa R$ 55,00 (impresso) e R$ 20,00 (E-book). Francisco Carlos Teixeira da Silva é professor titular de História Moderna e Contemporânea da UFRJ, professor visitante na Universidade Livre de Berlim e na Universidade Técnica de Berlim. Karl Schurster Sousa Leão é professor livre-docente da UPE, professor na Universidade de Vigo/Beca Maria Zambrano e membro do Grupo de Investigação em Tradução & Paratradução. Os dois também organizaram o livro Por que a Guerra? Das batalhas gregas à ciberguerra (2018).

Leia também
Um bufão no poder: Livro analisa messianismo, negacionismo e catastofrismo em Bolsonaro 
Dicionário com cem verbetes mostra efeito devastador do negacionismo
A arte de se tornar ignorante
Um bufão no poder: Livro analisa negacionismo, catastrofrismo e messianismo em Bolsonaro
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Ditadura: a dificuldade dos escritores
No Recife, o grito dos excluídos: “Queremos nosso país de volta”
Entardecer  patriótico: Festa impecável  para comemorar o Bicentenário
Bolsonaro repete machismo e misoginia
Homenagem de Bolsonaro a ele mesmo: autopromoção indevida e arrogante
Eleições: Não é difícil prever o que vem por aí
Ditadura e tortura pertencem ao passado
Carta em defesa da democracia será lida na Faculdade de Direito
Notícia falsa sobre descobrimento é retirada do ar
Velório: Índios prestam comovente homenagem
Tragédia na Amazônia: Bruno Pereira e Dom Presentes
Thiago Lucas: Morte e vida Severina e a geografia da fome no Brasil 2022
Historiador Marco Mondaini: As portas do inferno continuarão escancaradas
O Grito dos excluídos e excluídas
Finalmente o que faz Bolsonaro em Pernambuco?
Bolsonaro e a derrota do voto de cabresto
Ministério Público não quer homenagem a militar da ditadura em prédio do Exército
Nazista bom é nazista morto chama atenção em muro do Exército
Ministério Público recomenda que não se comemore o 31 de Março nos quartéis
Live de Bolsonaro vira caso de justiça
Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Trilhas da democracia com o MST
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar
Desespero de Bolsonaro é retrato antecipado do candidato derrotado
Entre o messias, a besta fera e as marcas do passado
“A arte de se tornar ignorante”
Trilhas da Democracia discute autoritarismo no Brasil e censura na Ufpe
Trilhas da democracia: Intimidação e mordaça nas universidades
UFPE divulga nota mas não explica autocensura a vídeo sobre pandemia
Manifesto contra censura da Ufpe a vídeo sobre pandemia e negacionismo
Censura a nome de Bolsonaro provoca exoneração de diretor na Ufpe
Memória: Período militar, quando as armas viraram oferendas no altar
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Violência policial derruba Secretário de Defesa Social e comandante da PM
Afinal, quem mandou a Polícia Militar disparar balas de borracha?
Violência policial é elogiada por coronel da PM. Vítima protesta
Pernambuco é hoje o grande vexame político nacional
Manifestação contra Bolsonaro. Agressão da PM foi insubordinação?
Dom da Paz pode virar santo. Cepe imprime documentos para o Vaticano
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown
Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai
Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cepe/ Divulgação e Redes sociais

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.