Live de Bolsonaro sobre voto eletrônico vira caso de justiça

 Live de Bolsonaro sobre voto eletrônico vira caso de justiça

Compartilhe nas redes sociais…

O Presidente Jair Bolsonaro não toma jeito. No último dia 28, “homenageou” o agricultor, na data a ele dedicada, postando a foto de um jagunço em suas redes sociais. Ao invés de uma enxada, o homem carregava uma arma. Ou seja, uma apologia às milícias privadas.   Na quinta, 29, foi novamente às redes sociais, defender o voto impresso, sistema que, se retomado, seria um retrocesso. Ou seja, aquele modelo à antiga, que fazia a festa dos chamados “coronéis” nos currais eleitorais.

Curioso é que Bozó já disputou sete cargos  eletivos – a maior parte com o sistema eletrônico – mas só resolveu contestar o modelo, depois que sua popularidade começou a despencar. O que ele quer,  na verdade, é que não haja eleição. Na sexta (30), a Rede de Sustentabilidade e o PT foram à Justiça, pedir providências contra o Presidente. A Rede entrou com ação no Supremo Tribunal Federal, solicitando que Bozó seja multado em R$ 500 mil, caso repita a irresponsável palhaçada que fez na live, inclusive falando um monte de mentiras, já contestadas por representantes das mais altas cortes jurídicas do país.

Em Pernambuco, o Senador Humberto Costa (PT) levou o caso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), à Procuradoria-Geral da República (PGR) e ao Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU). Para o petista (foto), Bolsonaro cometeu crimes de responsabilidade e de improbidade administrativa. E fez campanha eleitoral antecipada distribuindo uma série de mentiras sobre o sistema eleitoral, com vídeos de YouTube e argumentação fajuta sobre fraude nas urnas já desmentidas pela Justiça. Ao MP junto ao TCU, o senador alegou que houve utilização de recursos públicos pelo presidente da República em atividades totalmente alheias às suas atividades, com a apropriação, inclusive, da TV Brasil para a transmissão da fala.

Em ofício dirigido ao PGR Augusto Aras, Humberto solicitou a abertura de procedimento “para apurar as infrações de responsabilidade” cometidas por Bolsonaro. Já ao ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, o senador afirmou que o presidente afrontou a Lei Eleitoral e os princípios da legalidade, da moralidade e da isonomia, previstos na Constituição da República de 1988, ao usar a estrutura pública para promover campanha eleitoral antecipada.

Leia também
Agricultura com gosto de sangue

Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Trilhas da democracia com o MST
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar
Desespero de Bolsonaro é retrato antecipado do candidato derrotado
Entre o messias, a besta fera e as marcas do passado
“A arte de se tornar ignorante”
Trilhas da Democracia discute autoritarismo no Brasil e censura na Ufpe
Trilhas da democracia: Intimidação e mordaça nas universidades
UFPE divulga nota mas não explica autocensura a vídeo sobre pandemia
Manifesto contra censura da Ufpe a vídeo sobre pandemia e negacionismo
Censura a nome de Bolsonaro provoca exoneração de diretor na Ufpe
Memória: Período militar, quando as armas viraram oferendas no altar
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Violência policial derruba Secretário de Defesa Social e comandante da PM
Afinal, quem mandou a Polícia Militar disparar balas de borracha?
Violência policial é elogiada por coronel da PM. Vítima protesta
Pernambuco é hoje o grande vexame político nacional
Manifestação contra Bolsonaro. Agressão da PM foi insubordinação?
Dom da Paz pode virar santo. Cepe imprime documentos para o Vaticano
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil

A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.