Jornalismo pernambucano de luto duplo: Morrem Celso Marconi e Ivan Maurício

 Jornalismo pernambucano de luto duplo: Morrem Celso Marconi e Ivan Maurício

Compartilhe nas redes sociais…

O jornalismo pernambucano está bem mais pobre. Nas últimas 24 horas perdeu dois grandes nomes da Imprensa no Estado: Celso Marconi (93) e Ivan Maurício (72). Quando ingressei na profissão, ainda era estudante, conheci Celso Marconi, na Redação do Jornal do Commercio, onde ele assinava uma coluna sobre cinema. Já Ivan Maurício era colega da mesma turma da Universidade Católica de Pernambuco, mas já era um repórter tarimbado do extinto Diário da Noite, vespertino que pertencia ao Sistema Jornal do Commercio e que fazia sucesso naqueles tempos em que as notícias circulavam mais devagar, e o JN sempre dava furos e notícias de primeira mão.

De Ivan, tenho duas grandes referências. Quando falava nele, a palavra que me vinha à cabeça era “bizu”, talvez desconhecida pelas novas gerações. Mas foi com um “bizu”, que levou à anulação de um vestibular, porque alguns vestibulandos haviam pago pelas respostas do teste de acesso à universidade. O então jovem repórter sabendo da “mutreta” (outra expressão usada nos anos 1970), inscreveu-se na seleção,  mas no dia da prova o DN noticiou antecipou as respostas com aquilo que hoje chamam de gabarito. Foi um  escândalo, e o vestibular foi anulado. Aprendi, também, a admirar Ivan pela sua versatilidade. Costumávamos dizer entre os amigos de geração que ele era o único do grupo que “botaria um jornal sozinho na rua”. Sim, porque ele era repórter, editor, diagramador, mancheteiro, o que fosse preciso.

Entre os vários cargos ocupados por Ivan Maurício, está o de Secretário de Imprensa do então governador João Lyra

De Ivan, tenho duas grandes referências. Quando falava nele, a palavra que me vinha à cabeça era “bizu”, talvez desconhecida pelas novas gerações. Mas foi com um “bizu”, que levou à anulação de um vestibular, porque alguns vestibulandos haviam pago pelas respostas do teste de acesso à universidade. O então jovem repórter sabendo da “mutreta” (outra expressão usada nos anos 1970), inscreveu-se na seleção,  mas no dia da prova o DN noticiou antecipou as respostas com aquilo que hoje chamam de gabarito. Foi um  escândalo, e o vestibular foi anulado. Aprendi, também, a admirar Ivan pela sua versatilidade. Costumávamos dizer entre os amigos de geração que ele era o único do grupo que “botaria um jornal sozinho na rua”. Sim, porque ele era repórter, editor, diagramador, mancheteiro, o que fosse preciso.

Já Celso Marconi, lembro dele já com cabelos grisalhos, atuando na Redação, escrevendo sobre cinema. Foi ele, aliás, que me fez penetrar conhecer os melhores diretores de cinema, quando eu era ainda estudante e curtia filmes franceses e italianos, no Cinema de Arte que tinha sessões diárias no Recife, no extinto Cinema Coliseu, na Estrada do Arraial. Celso me dizia, “vá assistir esse que é bom, e explicava quem era o cineasta” (além de Celso, quem me guiava na escolha de filmes a assistir e até me emprestava livros sobre cinema era o saudoso Ivan Soares). Lembro de Celso Marconi fazendo elogios ao tropicalismo e aos tropicalistas. E também a Jorge Mautner, pois “Quero ser locomotiva”, estava “mil anos à frente dos outros compositores”. Celso integrou um grupo de cineastas de várias gerações que fez de Pernambuco um centro independente de produção de filmes na bitola Super-Oito. Entre eles, os saudosos Fernando Spencer, Geneton Moraes Neto e Amin Steple.

Hoje os jornais e meios de comunicação estampam a biografia dessas duas grandes figuras do jornalismo em Pernambuco. Eu preferi registrar minhas memórias, pois convive com os dois durante um bom tempo. Celso Marconi teve falência múltipla de órgãos. Deixa quatro filhos, de dois casamentos. E ainda netos e bisnetos.  O velório começa agora, ao meio dia, no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, Região Metropolitana do Recife.  Ivan Maurício será sepultado no Cemitério de Santo Amaro, onde ocorre o velório.

Leia também
Marido de Raquel Lyra tem ataque fulminante e morre na madrugada do dia da eleição
Paulo Diniz valorizou poetas brasileiros e fez hino de protesto: “I want to  go back to Bahia
Cultura Brasileira mais pobre sem Tereza Costa Rego, grande artista
A solidão e o seu corpo do poeta José Mário Rodrigues ganha versão musical
Sem coração, de Nara Normande, estreia na abertura do “Janela” no Teatro do Parque
Até novembro, Teatro do Parque terá nove sessões de “Retratos Fantasmas” a preços populares
Retratos fantasmas começa a ser exibido no Recife.
“Retratos fantasmas”, de Kleber Mendonça, mostra o centro do Recife sem os seus cinemas
A denúncia e o apelo de Kleber Mendonça em defesa do Cinema São Luiz
Teatro do Parque exibe “Consuella”, a mais festejada travesti do Recife
Cine PE Festival de Audio Visual chega à 27ª edição no Teatro do Parque
Dia de “arruar” pelas ruas do Centro do Recife em busca da história de seus antigos cinemas
Sessão Recife Nostalgia: Cinema São Luiz, vitrais e festa como nos velhos tempos
Sessão Recife Nostalgia: Rua da Aurora, Sorveteria Gemba e Cinema São Luiz
Outras Palavras no Cinema São Luiz
Olha! Recife: Velhos cinemas e história
Festival Janela do Cinema no São Luiz
Escândalo da Mandioca no São Luiz
Meninos, balé e bullying no São Luiz
Escândalo da Mandioca no São Luiz
Sessão Recife Nostalgia:Afogados, história, cinelândia e Rozemblit 
Nota dez para o Recife que te quero ver
O Recife que te quero ver
Hans Von Manteuffel dedica fotopoema ao “Recife que te quero ver”
Sessão Nostalgia: Saudade dos cinemas de rua revivida em Fernando de Noronha
De volta ao “Quem  me quer”. Sabem o que é?
Relíquia do Sertão, Theatro Cinema Guarany ganha livro
Muito glamour  no CineFestival no Theatro Cinema Guarany
Theatro Cinema Guarany completa cem anos e volta a funcionar
Incluído entre os cem melhores filmes  brasileiros,Tatuagem ganha livro
Cotidiano de Água Fria, no Recife, vai a dois festivais de cinema
Cineclube ao ar livre em Apipucos
Farmácia viva e audiovisual: produção coletiva em Apipucos
Cineclubes: a conexão Brasil – Alemanha
Apipucos tem Movimenta Cineclubes: mudanças climáticas em discussão
Bairros ganham Movimenta Cineclube
Cineasta luta pela sede da Aurora Filmes
Cinema vai à escola e praça em Tabira
Cinema, rio e bicicleta em discussão
Esplendor e o cinema para cegos
A história do menino que processa os pais por o terem colocado no mundo
Muito bom “Uma casa à beira mar”
Filmes made in PE para ver em casa
Olha! Recife e Mamam : lendas urbanas
Filme “Recife Assombrado” chega ao Canal Brasil
Cine Olinda vai ser restaurado. E o resto?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Redes sociais

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.