Indústria da moda descarta 2,1 bilhões de toneladas anuais de resíduos. Veja o Atacama Fashion Week

Nesta semana, mostrei aqui a oferta de curso de Upcycling & Costura para mulheres de dois municípios pernambucanos, Riacho das Almas e Paulista. Destaquei a importância da iniciativa pois como sabemos, os resíduos da indústria têxtil e de confecções se transformaram para a terra em problema tão grave quanto a presença de plásticos nos oceanos. Por ano, a indústria da moda gera cerca de 2,1 bilhões de toneladas de resíduos, segundo aponta o estudo “Pulse of the fashion industry”, publicado pelo Boston Consulting Group (BCG). Um exemplo “caboclo” dessa poluição pode ser observado no Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco, onde a caatinga está cheia de resíduos e até os rios estão contaminados. No mundo, um dos lixões de roupas fica no Deserto de Atacama, no Chile.

Então gostaria de lembrar de um assunto que ganhou espaço nos meios de comunicação que se dedicam ao mundo fashion: o desfile ecológico a partir de looks com roupas despejadas no Deserto do Atacama. Calcula-se que a montanha desse tipo de resídio chegue lá a 60 mil toneladas anuais de peças descartadas. E foi justamente nesse cenário que ocorreu o  Atacama Fashion Week, por iniciativa da ONG Desierto Vestido. A ação tem objetivo certo e oportuno: estimular o consumo consciente, alertar a sociedade em torno da problemática do descarte incorreto de roupas,  além de ressaltar a importância da moda circular nos dias de hoje. Junto com a inusitada passarela, o projeto ganhou um editorial fotográfico assinado por Mauricio Nahas, profissional premiado, com mais de 30 anos de carreira. O movimento também conta com as participações da ONG Fashion Revolution, do Instituto Febre, da produtora SugarCane e a agência Artplan, que assinou toda a concepção criativa.

Atacama Fashion Week faz desfile com looks a partir de roupas descartadas no Deserto de Atacama

Todas as roupas usadas pelos modelos foram recolhidas naquele famoso lixão do Chile: sapatos, casacos,vestidos, camisetas e outros trajes. Eles formam uma montanha tão grande que, segundo as ongs pode ser vista do espaço, a partir de imagens reveladas via satélite. No mundo da moda, esse problema já é conhecido, mas nada de muito efetivo é feito pelos principais envolvidos. Por isso, a iniciativa traz o que o universo fashionista sempre presta muita atenção: um evento ao estilo das principais semanas de moda que acontecem em Paris, Milão, São Paulo e Londres. O desfile está disponível no site oficial da ação Atacama Fashion Week, com comentários de influenciadores de moda, comportamento e sustentabilidade. Esse mesmo ambiente hospedará dados importantes e atualizados sobre a causa, bem como caminhos para a população em geral colaborar. Os conteúdos trazem códigos do mundo fashion como forma de chamar a atenção de diversos setores da sociedade. A campanha marcará presença na América do Sul, EUA e Europa. Afirma Ángela Astudillo, porta-voz e co-fundadora da Desierto Vestido:

“Estamos aqui todos os dias do ano, nessa luta difícil. E, dia após dia, vemos o problema se agravar. Precisávamos promover algo grandioso pra chamar a atenção de todos os agentes do problema para discutirmos uma solução. O Atacama não pode mais esperar. Ao mesmo tempo que podemos ver uma foto no espaço, o cemitério de roupas é uma problemática ainda muito silenciosa. São lotes de peças de baixa qualidade ou danificadas, herdadas do mercado ‘fast fashion’ dos Estados Unidos, da Europa e da Ásia. A maioria das peças leva até 200 anos para se desintegrar. A emergência é climática, também.”

Para evitar o aumento de 1,5ºC e o agravamento da crise climática, o setor da moda terá que reduzir suas emissões pela metade até 2030, de acordo com informações publicadas no site do Instituto Febre, organização voltada à justiça climática para as mulheres da moda e apoiadora do projeto. E o que tem o lixão a ver com isso? É que há um problema recorrente no Deserto do Atacama: queimas clandestinas são realizadas nos montantes de roupas, que eventualmente também são enterradas no local. É, portanto, mais que necessária uma mudança sistêmica na indústria da moda.  E como cidadãos, todos temos um papel a desempenhar, inclusive consumindo menos e de forma consciente.  “Das marcas, queremos a responsabilização e compromissos robustos.

Dos governos, a missão é reivindicar políticas públicas e fiscalizações. Com a sociedade civil, o nosso papel é disseminar informações e impulsionar ações de mobilização”, destaca Fernanda Simon, diretora executiva do Fashion Revolution Brasil – organização brasileira do maior movimento ativista da moda no mundo. “Mesmo com todos os seus impactos, o setor da moda não é incluído com sua devida responsabilidade na agenda política quando se trata de abordar a crise climática”, completa Eloisa Artuso, confundadora do Instituto Febre, organização social que trabalha com justiça socioambiental na intersecção entre clima, gênero e moda.

Confira as imagens do desfile, já disponiveis no YouTube

Leia também
Economia circular: Paulista e Riacho das Almas ganham curso de moda de olho na sustentabilidade
Aproveitamento de sobras de jeans rende prêmio “Moda do futuro”
Upcycling: Moda e sustentabilidade
Artigo: Indústria têxtil, produção e economia circular, por Fabiane Pacini
Bia Pankararu, entre as laureadas da versão 2024 do Prêmio Tacaruna Mulher
Novidade: Tecidos são fabricados a partir da reciclagem de garrafas pet
Brasil tem camisa carbono zero
Novidade: Moda sustentável com tênis a partir de garrafas PET recicladas
Do lixo ao luxo
Boa ação com a coleta de… sutiãs
Economia circular: “Uma dor que o mercado de eventos enfrenta. O que fazer com o que sobra?”
Moda sustentável na Fenearte
Que tal escolher presentes sustentáveis?
Empresas fazem parceria para produção de cartões com material reciclado
Resíduos de cápsulas de borra de café são transformados em óculos para preservar a natureza
Óculos ecologicamente corretos feitos com plásticos colhido no mar 
Economia circular: Recicladas, cápsulas de café viram cadeiras sofisticadas
Cápsulas e borra de café se transformam em óculos
Empresas fazem parceria para produção de cartões com material reciclado
Reciclagem: No  The Town, embalagens de chocolate serão transformadas em móveis
Asfalto modificado com plástico reciclado dura três vezes mais do que o normal
Em expedição contra a invasão de plásticos nos oceanos, navio Plastic Odyssey chega ao Recife
PepsiCo anuncia primeira carroceria feita com embalagens descartadas
Plástico pode virar  até cadeira. O caso de reaproveitamento das canetas de insulina
Malas feitas com garrafas PET chegam ao Comitê Olímpico Brasileiro
Dell anuncia mouse a  partir de plástico reciclado de garrafas PET
Reciclagem para poupar os oceanos
Canudos plásticos de praia viram óculos e natureza agradece
Plásticos nas praias viram embalagens
Xô, plásticos. A vez das canecas
O lixo que virou lixeira
 Guimbas de  cigarro comam cerca de 300 mil toneladas de microplásticos descartados
Reciclagem de plástico rende utensílios domésticos e corrimão nos morros
Quatro milhões de canudos a menos no mercado
Dia Internacional sem sacos plásticos. Vamos nessa?
Nestlé quer embalagem biodegradável
Campanha contra plástico rende prêmio
Maquininha de passar cartão feita com plástico reciclado do mar
Lixo plástico vira cinema nas escolas
As garrafas biodegradáveis da Bacardi
Água mineral copo biodegradável
Reciclagem de esponjas poupa natureza
Boa ação na coleta de… sutiãs
Cada vez mais frequente em nossas água, plásticos viram fibras para fabricação de colchões
250 milhões de tampinhas retiradas da natureza em seis estados
Startup faz campanha contra lixo
Não jogue lixo eletrônico no Capibaribe
A Serra Pelada de Sinha é só riqueza
Dia Internacional da reciclagem: Palmas para a Cooperativa Palha de Arroz
Barco robô vai tirar plásticos dos oceanos
Catadores tiram 5 milhões de latinhas deixadas pela folia em Olinda
250 milhões de tampinhas retiradas da natureza
Aproveitamento de sobra de jeans rende prêmio: Moda do futuro
Do lixo ao luxo
Pneus na guerra contra o lixo
Troque o lixo eletrônico por plantas
A reciclagem da Renova Ecopeças
Sustentabilidade: Festival de Inverno de Garanhuns tem oficina para aproveitar sobras de papel
Empresa B: Refazenda e boas práticas
Inova Moda Digital: cursos gratuitos para empresas de confecção
Moda:
Speedo Multisport anuncia linha Rerpell que repele mosquito da dengue
Moda Preta Autoral em Conexão Astral
Moda Preta Soul
Cais do Sertão sedia Pernambuco Mostra Moda
Moda pernambucana no Marco Zero
Saudoso poeta Miró agora é fashion
Empresa B: Refazenda e boas práticas
Coleção Refazenda de olho no amor
O Dia das Mães é vermelho?
Refazenda: Água inspira nova coleção
Novidade harmoniosa na Praça de Casa Forte
Refazenda lança Coleção Cor de Agrião em feira de produtos orgânicos
Tereza e Oluyiá: mãe e filha em expô
Que tal escolher presentes sustentáveis?
Eduardo Ferreira lança Coleção Aláfia
Esgotado, livro “Estrelas de couro, a estética do cangaço” é relançado
Lampião e o cangaço fashion e social
Bordados de Passira no Cais do Sertão
Upcycling: Moda e Sustentabilidade
Aproveitamento de sobra de jeans rende prêmio: Moda do futuro
Que tal escolher presentes sustentáveis? 
Moda Sustentável na Fenearte
Onda verde: Terrários viram colares
Os colares exclusivos de Tereza
Aprenda a estampar suas roupas
A “família” de Francisca está pronta para o reveillon
Os trajes juninos da família de Francisca
As roupinhas e máscaras coloridas da família de Francisca

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Maurício Nahas/ Atcama Fashion Week / Divulgação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.