Incêndio na Caatinga se espalha por 800 hectares, mas ação rápida evita tragédia pior no Sertão

Único dos seis biomas do país que é exclusivo do Brasil, a Caatinga ardeu, no final de semana no Sertão do São Francisco. É que cerca de 800 hectares de vegetação nativa foram destruídos em um incêndio, no distrito de Pinhais, município de Juazeiro (Bahia), que fica vizinho a Petrolina (Pernambuco). Até o momento não se sabe se o fogo foi provocado por atritos na vegetação seca, ou se espalhou-se após prática de queimada feita por algum agricultor em fazenda ou sítio.

O fogo foi debelado pelo Nono Grupamento Militar do Corpo de Bombeiros, que fica em Juazeiro (BA), a 507 quilômetros de Salvador. Na verdade, foram dois incêndios, que ocorreram entre o domingo e a segunda-feira quando, finalmente, os focos foram debelados. O primeiro incêndio ocorreu em uma região chamada de Lagoa do Boi, enquanto o segundo expandiu-se por outra área, conhecida como Campos, que fica perto da BA-210. O segundo espalhou-se rapidamente por terrenos íngremes e de difícil acesso.

Bombeiros, população e iniciativa privada se juntaram contra o fogo na caatinga no Sertão do São Francisco

“As altas temperaturas e a baixa umidade do ar são os fatores mais comuns para provocar incêndios, mas também devemos levar em conta que alguns agricultores ainda utilizam a queima de coivara que, dependendo dos ventos, pode levar o fogo a se expandir”, afirmo Comandante do Nono Grupamento, Tadeu Gomes.  No Sertão, normalmente a população e até empresas unem forças contra o fogo, inclusive para abrir aceiros que impedem que as chamas se espalhem.

Mas nesse último acidente, além dos bombeiros, quem muito ajudou a debelar o fogo foi a equipe de uma empresa privada, a Agrovale, usina que fica em Juazeiro. A agroindústria mobilizou 18 brigadistas, carros-pipa, máquinas do tipo Patrol, motoniveladoras, retroescavadeiras e abafadores na operação contra o fogo. Foi fornecida ainda água para abastecer as bombas costais dos brigadistas e para os  bombeiros, além de ajuda para  a abertura de linha molhada para funcionar como contrafogo. Felizmente, o susto passou, e as comunidades rurais da Região estão voltando à normalidade.  Resta saber o que sobrou de fauna e flora na área devastada.

Leia também
Caatinga pega fogo e plantio de árvores nativas começa com ajuda da iniciativa privada
Povo e aceiros contra o fogo
Caatinga tem cooperativa de crédito de carbono

Caatinga: Bancos ofertam R$ 10 milhões para restaurar o terceiro bioma mais ameaçado no Brasil
Terceiro bioma mais ameaçado do Brasil, a Caatinga tem 481 plantas e animais em extinção
Fique por centro do edital de quase R$ 2 milhões para ajudar na preservação da caatinga
Caatinga é o segundo bioma mais desmatado do Brasil
MapBiomas confirma alerta feito há meio século: o Rio São Francisco está secando
Desmatamento preocupa no Matopiba e Caatinga é prejudicada
Produtores rurais de Surubim inauguram parque ecológico para preservar a flora nativa da caatinga
Associação Caatinga desenvolve ação para catadores de materiais recicláveis no Sertão
Unesco: Reserva Natural de Serra das Almas é posto avançado de Reservada da Biosfera da Caatinga
Casal cria duas reservas particulares de patrimônio cultural da caatinga
O combate à desertificação e a Amazoninha do Sertão
Vamos deixar a Caatinga em pé?
Dia da Caatinga. Há o que comemorar?
Bromélias raras no Jardim Botânico
Veja a flora do Sertão em Dois Irmãos
A caatinga no Jardim Botânico
FPI: a despedida da vida no lixão
A mentira da fome e a realidade do lixão que comoveu o Brasil
Adultos e crianças: A vida no lixão
Unesco: Reserva Natural Serra das Almas é posto avançado de reservas da biosfera da Caatinga
Vamos deixar a Caatinga em pé?
Casal cria duas reservas particulares de patrimônio cultural na Caatinga
Esforço pela preservação da caatinga e pelo sequestro de carbono no Sertão
Ação para recuperar nascentes na biodiversa Cordilheira do Espinhaço
O drama do  São Francisco e da caatinga
O combate à desertificação e a Amazoninha do Sertão
Como neutralizar as mudanças climáticas
Em nome de São Francisco e do Sertão
Árvores viram carvão no Sertão
Flora do Sertão sofre ameaça

Represa cheia vira “praia” no Sertão
Aceiros e povo contra o fogo no Sertão
Salvem os ipês, por favor
MapBiomas confirma alerta feito há meio século: “O Rio São Francisco está secando”
Mudanças climáticas: Sertão sem água e caatinga cada vez mais seca
Velho Chico recebe 40 mil peixinhos
De olho no Sertão do São Francisco
Desmatamento no Sertão do Araripe
Empresa de energia solar (Insole) paga conta por uma boa ideia
Reforço para pequeno produtor
Ministro manda oceanógrafo para caatinga. E o Sertão já virou mar?
Crise hídrica: ” tenho sede” e “esta sede pode me matar”, adverte Gilberto Gil
Cisternas mudam a vida dos sertanejos
Caetés, onde Lula nasceu e tinha lombriga ganha cisterna e água purificada com uso de luz do sol
FPI resgata animais em risco no Sertão
A Serra da Canoa na caatinga
Gatinho órfão, onça puma volta saudável para a caatinga
Falta d´água é entrave ao crescimento
No Sertão, palhada da cana alimenta o gado de 51 mil criadores
Degradado, Sertão vai ganhar ação de reflorestamento em 2021
Caatinga ganha 321 mil árvores nativas 
O Rio São Francisco está secando
Ventos que transformam no Agreste
Prêmio para quintais agroecológicos
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
Umbuzeiro é o refrigério do Sertão

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.