História: Livro sobre Pau-de-Colher e Guerra dos Caceteiros mostra messianismo no Sertão Profundo

O Brasil está se livrando de Jair Bolsonaro, um “messias” no nome de batismo e que, coincidentemente, tenta apelar para o messianismo, como forma de atrair eleitores e seguidores. Ele perdeu a a eleição, mas o que se vê – em vários recantos do país – é gente disposta a matar ou morrer, chorando, rezando, levantando a bandeira nacional e misturando crença com fanatismo, política com religião. A história do Brasil é pontilhada de fenômenos messiânicos que, embora em um outro contexto político e histórico, também consistiram em movimentação de massas.

Estão aí Canudos, (1896-1897), Contestado (1912-1916), a Sedição de Juazeiro (1914) e Caldeirão (1926-1936), que não nos deixam mentir.  Canudos ocorreu na Bahia, e Contestado, entre Paraná e Santa Catarina. Os dois últimos aconteceram no Ceará. Há um outro movimento messiânico que volta a entrar em evidência: é o Pau-de-Colher, que eclodiu em 1938, no Sertão da Bahia, exatamente 41 anos após o fim da Guerra de Canudos. Pau-de-Colher era o nome do vilarejo, localizado no município de Morada Nova (BA), onde milhares de pessoas seguiam o Beato José Senhorinho que, por sua vez, se inspirava em outro Beato, o José Lourenço, do Caldeirão cearense. Morada Nova fica a 1.015 quilômetros de Salvador.

Com mais de 170 livros publicados, Aroldo Ferreira Leão mergulhou no Pau-de-Colher: Guerra dos Caceteiros

E a história ali vivenciada no início do século passado, acaba de virar um livro, que será lançado às 19h30m da sexta-feira  (11/11), no Cineteatro da Universidade Federal do São Francisco, em Petrolina (PE), a 769 quilômetros do Recife. Com 700 páginas e fartamente ilustrado, “Pau-de-Colher: Contextos e Sentenças” foi escrito por Aroldo Ferreira Leão, poeta, escritor, historiador, auditor fiscal e professor da Univasf. Com 178 livros publicados e participação em pelo menos 52 antologias, Aroldo mergulhou fundo na história do conflito camponês, religioso, social e político que agitou os Sertões da Bahia, e que terminou com a chamada Guerra dos Caceteiros, com um saldo trágico de pelo menos 5 mil mortes. O conflito ocorreu em área que fica entre os estados da Bahia, Pernambuco e Piauí.

Para escrever o livro, Aroldo mergulhou não só nos documentos da época, como também fez uma centena de entrevistas de grande importância para o entendimento da Guerra dos Caceteiros, inclusive com pessoas que dela participaram e que sobreviveram milagrosamente ao massacre que banhou o sertão de sangue. O livro de Aroldo é uma fascinante viagem às curiosidades do passado, em um Sertão profundo, famélico e fanático, mas que se rebelava contra as injustiças sociais e o cabresto dos “coronéis”.

“Coronéis” eram chamados as lideranças políticas  e econômicas naquela época, marcada pela total omissão do estado na caatinga. E no vácuo do qual se originaram outros movimentos sociais, como o cangaço, por exemplo. Aroldo tem um Jabuti no currículo. Em 2013, o  prêmio foi arrebatado por ele e outros professores da Univasf, com o livro Flora das Caatingas do Rio São Francisco. Ele participou da publicação, com artigo sobre os índios Cariris no Sertão. Nos links abaixo, você pode conferir outras informações sobre a história do nosso país.

Leia também
“Um bufão no poder”: Livro analisa messianismo, negacionismo e catastrofismo em Bolsonaro
Entre o messias, a besta fera e as marcas do passado
O levante dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco
Eleições: Não é difícil prever o que vem por aí
Ditadura e tortura pertencem ao passado
Notícia falsa sobre descobrimento é retirada do ar
Thiago Lucas: Morte e vida Severina e a geografia da fome no Brasil 2022
Historiador Marco Mondaini: As portas do inferno continuarão escancaradas
O Grito dos excluídos e excluídas
Bolsonaro e a derrota do voto de cabresto
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar
Desespero de Bolsonaro é retrato antecipado do candidato derrotado
“A arte de se tornar ignorante”
Fora Bolsonaro nas ruas e reações antidemocráticas nas redes sociais
Violência policial derruba Secretário de Defesa Social e comandante da PM
Afinal, quem mandou a Polícia Militar disparar balas de borracha?
Nazista bom é nazista morto chama atenção em muro do Exército
“Deutschlan uber alles”: slogan de Hitler igual a “Brasil acima de todos”
Ministério Público recomenda que não se comemore o 31 de Março nos quartéis
Afinal, quem mandou a Polícia Militar disparar balas de borracha?
Violência policial é elogiada por coronel da PM. Vítima protesta
Pernambuco é hoje o grande vexame político nacional
Manifestação contra Bolsonaro. Agressão da PM foi insubordinação?
Dom da Paz pode virar santo. Cepe imprime documentos para o Vaticano
Governadores repudiam negacionismo e invasão a hospital
O pior cartão de natal de minha vida
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
Menino veste azul e menina veste rosa?
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Os levantes dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Continue lendo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.